Estratégias Espirituais:

 

 

Um Manual Para

 

A

 

Guerra Espiritual

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estratégias Espirituais:

 

Um Manual Para A Guerra Espiritual

 

           

Este curso é parte do INSTITUTO BÍBLICO TEMPO DE COLHEITA, um programa elaborado para equipar os crentes para uma efetiva colheita espiritual. O tema básico do treinamento é ensinar o que Jesus ensinou aquilo que ao chamar pescadores, coletores de impostos, e etc., transformou-os em cristãos reprodutivos que alcançaram o mundo com o Evangelho em demonstração de poder.

 

Este manual é um simples curso dos diversos módulos do currículo que conduz os crentes da visualização através da depuração, multiplicação, organização e mobilização para alcançar o objetivo da evangelização.

 

 

www.harvestime.org

 

Copyright 2003

© Harvestime International Network

© Instituto Internacional Tempo de Colheita

 

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta tradução e

manual pode ser reproduzida, estocada em qualquer tipo de sistema,

ou reproduzida, de qualquer forma ou por qualquer meio, seja eletrônico,

mecânico, fotocópia ou outro qualquer, sem a devida permissão por escrito de Harvestime International Institute ou de seu representante legal:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CONTEÚDO

 

Como Usar Este Manual

Sugestões Para o Estudo em Grupo

Introdução

Objetivos

 

O CHAMADO ÀS ARMAS

1.    A Guerra Invisível

 

ADMISSÃO

 

2. Alistando-se no exército de Deus

 

TREINAMENTO BÁSICO

3. O Comandante: O Senhor Jesus Cristo

4. As Forças Espirituais do Bem: Os Anjos

5. O Inimigo: Satanás

6. As Forças Espirituais do Mal: Os Demônios

7. O Território do Inimigo

8. A Estratégia do Inimigo

9. O Plano de Deus Para a Batalha

 

MOBILIZAÇÃO

10. Guerra Defensiva e Ofensiva

11. Armas Defensivas

12. Armas Ofensivas

13. Paralelos Naturais da Guerra Espiritual

 

INVASÃO

14. Entrando na Zona de Combate: Batalhando Com o Mundo e a Carne

15. A Batalha Na Mente

16. A Batalha Com a Língua

17. A Batalha Sobre Os Muros

18. A Batalha Sobre O Território Estratégico - Treinamento Avançado Na Guerra

19. Transferência de Espíritos

20. Forças Espirituais do Mal nas Regiões Celestes

21. Tratando Com os Poderes Demoníacos

22. As Baixas da Guerra

23. Como Perder Uma Batalha e Ganhar a Guerra

 

RESUMO FINAL

24. O Conflito Final

 

APÊNDICE

Batalhas Decisivas da Bíblia

Respostas da Seção “Inspeção”

 

 

 

COMO USAR ESTE MANUAL

 

FORMATO DO MANUAL

 

 

Cada lição consiste de:

 

Objetivos: Estes são os objetivos que você deve alcançar ao estudar o capítulo. Leia-o antes de começar a lição.

 

Versículo-Chave: Este versículo enfatiza o conceito principal do capítulo.  Tente Memorizá-lo.

 

Conteúdo do Capítulo: Estude cada seção. Use sua Bíblia para procurar as referências Bíblicas não transcritas no manual.

 

Teste o Seu Conhecimento: Faça este teste depois de você terminar de estudar o capítulo. Tente responder as questões sem usar sua Bíblia ou este manual.

 

Para Estudo Adicional: Esta é a seção final de cada capítulo. Ela estimula o estudo independente do aluno.

 

Exame Final: Se você está registrado neste curso para receber créditos e Diploma, você deverá solicitar um exame final ao término deste curso. Após a conclusão do exame, você deverá retornar-nos para receber os créditos que lhe darão o Diploma e que também servirão para você avançar em seus estudos posteriormente.

 

 

SUGESTÕES PARA O ESTUDO EM GRUPO

 

 

PRIMEIRA REUNIÃO:

 

Abrindo: Abra com oração e apresentações. Conheça e matricule os estudantes.

 

Estabeleça os Procedimentos do Grupo: Determine quem conduzirá as reuniões, o horário, os lugares e as datas para as sessões.

 

Louvor e adoração: Convida presença do Espírito Santo em sua sessão de treinamento.

 

Distribua os Manuais aos Estudantes: Introduza o título do manual, o formato e os objetivos do curso proporcionados nas primeiras páginas do manual.

 

Faça a Primeira Tarefa: Os estudantes lerão os capítulos determinados e farão o teste para a próxima reunião. O número de capítulos que você ensinará em cada sessão dependerá do tamanho do capítulo, conteúdo e das habilidades de seu grupo.

A SEGUNDA E DEMAIS REUNIÕES:

 

Abrindo: Ore. Dê as boas-vindas e matricule a qualquer novo aluno e também dê o manual. Veja quem está presente ou ausente. Tenha um tempo de adoração e louvor.

 

Revisão: Apresente um breve resumo do que você ensinou na última reunião.

 

Lição: Discuta cada seção do capítulo usando os TÍTULOS EM LETRAS MAIÚSCULAS E EM NEGRITO como um esboço do ensinamento. Peça aos estudantes que façam perguntas ou comentários sobre o que eles têm estudado. Aplique a lição às vidas e ministérios de seus estudantes.

 

Teste: Reveja com os estudantes o teste que eles completaram. (Nota: Se você não quer que os estudantes tenham acesso às respostas, você pode tirar as páginas com as respostas que se encontram no final de cada manual).

 

Para Estudo Adicional: Você pode fazer estes projetos numa base individual ou em grupo.

 

Exame Final: Se o grupo está matriculado neste curso para os créditos e Diploma você recebeu um exame com este curso. Dê uma cópia para cada estudante e administre o exame na conclusão deste curso.

 

MATERIAL ADICIONAL NECESSÁRIO

 

Você necessitará apenas de um exemplar da Bíblia, preferencialmente a Edição Revista e Atualizada, 2ª Edição, mas outras versões também poderão ser usadas, embora isto talvez represente alguma pequena dificuldade para o aluno acompanhar os textos bíblicos deste curso.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Módulo: Delegação

 

Curso: Estratégias Espirituais:

 

Uma Manual Para a Guerra Espiritual

 

 

INTRODUÇÃO

 

Há uma grande guerra que está acontecendo no mundo hoje. Não é um conflito entre nações, tribos ou líderes de governos. Não é uma rebelião ou golpe de estado. É uma importante batalha invisível que está acontecendo no mundo espiritual. A Bíblia declara que o povo de Deus é destruído pela falta de conhecimento (Oséias 4.6.). Uma das principais áreas nas quais os crentes são derrotados é por causa da falta de conhecimento da guerra espiritual.

 

A Igreja Primitiva viu a experiência espiritual em termos de  uma  guerra.  A terminologia militar pode ser encontrada por todo o Novo Testamento. A proteção é encontrada na armadura de Deus. A Palavra de Deus é comparada com uma espada. Os ataques de Satanás foram chamados de dardos inflamados. A fé era a “boa peleja” e aos crentes é dito para “combater o bom combate”. A Igreja Primitiva sabia que ela estava comprometida em um intenso conflito espiritual.

 

A mesma batalha espiritual continua hoje, porém em lugar de estarem combatendo o inimigo, os crentes estão frequentemente construindo edifícios de igrejas, produzindo dramas musicais, tendo encontros de fraternidade e lutando uns contra os outros, enquanto esta grande batalha espiritual está troando ao redor deles. Satanás, inclusive, tem intensificado seus ataques contra uma igreja que tem se retirado das linhas de frente de batalha.

 

Na  medida   em   que   o  final   dos  tempos  se  aproxima é,  inclusive,  mais importante que os crentes entendam a guerra  espiritual nestes  tempos  mais do que nos primeiros dias     da história da igreja. O apóstolo Paulo nos advertiu.

 

“Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis “(2 Timóteo 3.1)”.

 

Para estarmos preparados para estes tempos difíceis, uma ênfase renovada dever ser estabelecida nas estratégias da guerra espiritual. A vida cristã é guerra. O quanto antes a reconhecermos e nos prepararmos para ela, tanto antes nós experimentaremos a vitória.

 

Lucas 14.31 diz,  “Ou  qual  é  o  rei  que,  indo  para  combater  outro  rei,  não   se Assenta  primeiro  para calcula r  se   com   dez   mil   homens   poderá   enfrentar  o que vem contra ele com vinte mil?”

 

 Nenhum  rei  jamais  foi  à  batalha  sem um cuidadoso exame dos recursos e sem desenvolver estratégias de batalha. 

Em essência, é isto que vamos fazer neste curso. Estamos fazendo um   cuidadoso exame     das estratégias, armas  e do  poder disponível  para nós ganharmos   a guerra contra nosso  inimigo, Satanás.

No mundo militar, “estratégia” é a ciência de conduzir operações militares. É o plano que leva ao objetivo da vitória. Neste curso você aprenderá a formular e conduzir estratégias militares espirituais que lhe trará a vitória no mundo espiritual.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FORMATO DO MANUAL

 

 

Cada lição é apresentada em termos militares consistindo das seguintes seções:

 

O CHAMADO ÀS ARMAS:

 

O capítulo 1 explica a guerra invisível e o “chamado às armas” para todos os crentes verdadeiros.

 

ADMISSÃO:

 

Todos os exércitos no mundo natural têm procedimentos de admissão. Estas são coisas especiais que você tem que fazer para se unir às forças militares. O mesmo acontece no exército de Deus. O capítulo 3 explica como se alistar no Exército de Deus.

 

TREINAMENTO BÁSICO:

 

Depois da admissão no exército, um soldado sempre recebe treinamento básico. O treinamento básico para o exército de Deus é apresentado desde o capítulo 3 até o capítulo 9. As linhas de batalha da guerra invisível são definidas. Discutem-se as forças do bem e do mal, incluindo o Senhor dos Exércitos, os anjos, Satanás, os demônios, o mundo, e a carne. Identificam-se o território do inimigo, as estratégias, e apresentam também uma vista geral do plano de Deus para a batalha.

 

MOBILIZAÇÃO:

 

O treinamento é inútil a menos que um exército seja mobilizado. “Mobilizar-se significa colocar-se em um estado de alerta para o serviço militar ativo”. Na seção “mobilização” deste curso, que se estende dos capítulos 10 até aos 13, você aprenderá sobre a guerra ofensiva e defensiva, sobre como utilizar as armas da guerra, e os paralelos naturais da guerra espiritual.

 

 

INVASÃO:

 

Durante uma invasão no mundo natural, o exército entre na zona de combate para conquistar seus inimigos e reclamar o território. O treinamento básico é inútil a menos que o que foi aprendido seja colocado em ação. Inclusive um exército mobilizado e equipado com armas não é suficiente se é mantido inativo nos flancos. Para ser efetivo na guerra, você deve entrar na zona de combate. No estudo de “invasão”, que se estende do capítulo 14 aos 19, você entrará na zona de combate do mundo, da carne e do diabo. Você estudará a batalha na mente, contra a língua, sobre os muros espirituais, nos lugares celestiais e sobre o território estratégico. Em cada uma destas lições, as estratégias específicas de Satanás serão identificadas e estratégias serão designadas para vencer o inimigo.

 

 

TREINAMENTO AVANÇADO NA GUERRA ESPIRITUAL:

 

Depois de ganhar alguma experiência na batalha, os soldados normalmente recebem treinamento avançado nas áreas específicas da guerra. Esta parte deste manual é intitulada de “Treinamento Avançado na Guerra Espiritual” cujas iniciais são “T.A.G. E” Nas ações militares, uma equipe “T. AG. E” é um grupo especializado de soldados usado para as missões mais difíceis. No treinamento avançado oferecido neste manual, você aprenderá sobre transferência de espíritos, como ministrar a prisioneiros e as baixas de guerra, e como tratar com os poderes demoníacos. Você aprenderá também sobre como perder uma batalha e ainda assim ganhar a guerra.

 

APÊNDICE:

 

No apêndice deste manual, você examinará os registros históricos de “Batalhas Decisivas da Bíblia” na medida em que você continua desenvolvendo tuas habilidades de guerra espiritual.

 

AS LIÇÕES

 

Cada lição neste manual de guerra é organizada como segue:

 

OBJETIVOS:

 

Estes são os objetivos espirituais que você deve alcança ao estudar a lição.

 

VERSÍCULOS-CHAVE DAS CLÁUSULAS DE GUERRA:

 

Quando uma nação declara a guerra, frequentemente se estabelecem “Cláusulas de Guerra”. Este documento explica por que estão em guerra, identifica o inimigo, e declara os objetivos da guerra. A Bíblia é a Palavra escrita do único Deus verdadeiro, o comandante de nosso exército espiritual. Em cada lição, os “versículos-chave das cláusulas de guerra” enfatizam os conceitos principais da lição.

 

INTRODUÇÃO:

 

A introdução proporcionará uma visão geral do conteúdo do capítulo.

 

LIÇÃO:

 

Esta apresenta o “relatório militar” para este capítulo. Um “relatório” é um tempo de instrução antes da batalha que proporciona a informação necessária para conduzir a guerra espiritual efetivamente

 

INSPEÇÃO:

 

No exército natural, as “inspeções” ocorrem regularmente para checar a preparação e as habilidades dos soldados. A seção de “inspeção” de cada capítulo é um exame para ver se os objetivos da lição foram alcançados

MANOBRAS TÁTICAS:

 

Durante as manobras táticas em um exército natural, os soldados aplicam o que eles têm aprendido às condições atuais de com bate. Esta parte de cada lição proporciona uma oportunidade para que você aplique o que tem aprendido e para estudar outros materiais relacionados com a lição.

 

VOCÊ ESTÁ PREPARADO?

 

A exposição do inimigo e de suas estratégias é uma das maiores revelações da Palavra de Deus. Maior ainda é a revelação de que, como crentes, nós temos poder sobre todos os poderes do inimigo. Este manual de maneira alguma é um estudo exaustivo do tema da guerra espiritual, porém é uma análise bíblica com esmero. Como na guerra natural, as habilidades na guerra espiritual são progressivas na medida em que você entra na zona de combate e começas a pelejar.

 

OBJETIVOS

 

Ao concluir este curso você será capaz de:

 

1.    Identificar os dois reinos espirituais.

2.    Explicar o que se entende por “gruir espiritual”.

3.    Reconhecer as causas deste grande conflito espiritual.

4.    Identificar as forças espirituais do bem.

5.    Identificar as forças espirituais do mal.

6.    Reconhecer as estratégias de Satanás.

7.    Usar efetivamente as contra-estratégias espirituais.

8.    Aplicar os paralelos naturais da guerra para a guerra espiritual.

9.    Usar tanto as armas espirituais ofensivas quanto as defensivas.

10. Detectar a possessão demoníaca.

11. Entender como se obtém a libertação do poder dos demônios.

12. Ganhar a guerra até mesmo depois de ter perdido uma batalha espiritual.

13. Descrever o conflito final que terminará com a guerra invisível.

14. Identificar os princípios espirituais da guerra nas batalhas decisivas da Bíblia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Capítulo Um

 

A GUERRA INVISÍVEL

 

OBJETIVOS:

 

Ao concluir este capítulo você será capaz de:

 

  1. Escrever o versículo-chave de memória.
  2. Demonstrar entendimento dos reinos espiritual e natural.
  3. Definir a palavra “rei”.
  4. Definir a palavra “reino”.
  5. Identificar os dois reinos espirituais.
  6. Determinar a qual reino você pertence.
  7. Identificar as forças espirituais do bem.
  8. Identificar as forças espirituais do mal.
  9. Explicar o que se entende por “guerra espiritual”.
  10. Identificar a razão para a guerra invisível.
  11. Identificar o princípio básico do entendimento da guerra espiritual.

 

VERSÍCULO-CHAVE DAS CLÁUSULAS DE GUERRA:

 

“Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim”. Contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes “(Efésios 6.12).

 

INTRODUÇÃO

 

Como você aprendeu na introdução deste curso, existe uma grande guerra que está sendo travada no mundo hoje. Não é um conflito entre nações, tribos ou líderes de governos. Não é uma rebelião ou um golpe de estado. É uma batalha invisível que tem lugar no mundo espiritual. Este capítulo introduz a guerra invisível na qual cada crente está comprometido. É uma guerra na qual ninguém usa uniforme, porém na qual cada um é um alvo. O registro histórico e profético desta guerra está contido na Palavra de Deus, a Bíblia.

 

OS REINOS: NATURAL E ESPIRITUAL

 

Para entender esta guerra invisível, você primeiro deve entender os mundos natural e espiritual. O homem existe em dois mundos: o mundo natural e o mundo espiritual.

O mundo natural é o que pode ser visto, sentido, tocado, escutado ou tateado. É tangível e visível. O país, a nação, cidade ou vila na qual você vive é parte do mundo natural. Você é um residente no mundo natural localizado em um dos continentes visíveis do mundo. Você pode ver o povo que faz parte de seu ambiente. Você pode experimentar as paisagens, sons e valores ao seu redor. Porém, existe outro mundo no qual você vive. Esse mundo é um mundo espiritual.

 

Você não pode vê-lo com seus olhos físicos, porém é tão real quanto o mundo natural no qual você vive.  Paulo fala desta divisão entre o natural e o espiritual:

“Também há corpos celestiais e corpos terrestres; e, sem Dúvida, uma é a glória dos celestiais, e outra, a dos terrestres” (1 Coríntios 15.40).

 

Todos os homens têm um corpo natural que vive no mundo natural. Porém, o homem também é um ser espiritual com alma e espírito eternos. O homem é corpo, alma e espírito. Teu ser espiritual (alma e espírito) é parte do mundo espiritual assim como teu corpo natural é parte do mundo natural.

 

DISCERNIMENTO ESPIRITUAL

 

Posto que a guerra espiritual é justamente isso: espiritual, deve ser entendida com uma mente espiritual. Em nosso estado natural de pecado, nós não podemos entender as coisas espirituais:

 

“Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente” (1 Coríntios 2.14).

 

É necessário usar o “discernimento espiritual” para entender as coisas espirituais.

Talvez um dos melhores exemplos de discernimento natural e espiritual está registrado em 2 Reis capítulo 6, que registra a história de uma batalha natural na qual as tropas da nação inimiga da Síria haviam rodeado um pequeno povo chamado Dotã onde o profeta Eliseu estava. Quando o servo de Eliseu, Geazi, viu o grande exército do inimigo, ele teve medo. Eliseu orou para que Deus abrisse os olhos espirituais de Geazi para que ele pudesse ver as hostes espirituais que o rodeavam e os protegiam. Nesta ocasião, Deus abriu os olhos espirituais de Geazi e lhe permitiu ver visivelmente as forças superiores de Deus listadas para a batalha.

 

A história desta batalha em Dotã é semelhante às condições espirituais na Igreja. Há alguns, como Eliseu, que vêem claramente dentro do reino espiritual. Eles sabem que há um conflito que está ocorrendo, têm identificado o inimigo e reconhecido as grandes forças de Deus que asseguram a vitória. Há outros como Geazi, que com um pouco de encorajamento, serão capazes de abrir seus olhos espirituais e não serão mais temerosos ou derrotados pelo inimigo. Porém, tristemente, há muitas pessoas que, como aqueles na cidade de Dota, estão dormindo espiritualmente. Eles não sabem inclusive que o inimigo os tem rodeado e está posicionado para ao ataque.

 

DOIS REINOS ESPIRITUAIS

 

Dentro dos reinos: natural e espiritual dos quais estamos falando existem reinos separados que são  governados por líderes naturais e espirituais.

 

REINOS NATURAIS:

 

Todos os homens vivem em um reino natural deste mundo. Eles vivem em uma cidade ou em um povo no qual é parte de uma nação. Essa nação é um reino do mundo. Um reino natural é um território ou povo sobre o qual um rei ou líder político é o governante soberano. A Bíblia fala destes reinos naturais como os “reinos do mundo”. Os reinos do mundo têm vindo a estar sob o poder e a influência de Satanás:

 

“Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares” (Mateus 4.8-9).

 

1 João 5.19 tristemente nos relembra que “o mundo está sob o poder do maligno” (NVI).

 

REINOS ESPIRITUAIS:

 

Em adição aos reinos naturais deste mundo há dois reinos espirituais: o Reino de Satanás e o Reino de Deus. Cada pessoa viva é um residente de um destes dois reinos

O Reino de Satanás consiste de Satanás, seres espirituais chamados de demônios, e todos os homens que vivem em pecado e rebelião à Palavra de Deus. Estes, juntos com o mundo e a carne, são as forças espirituais do mal que operam no mundo de hoje.

 

O Reino de Deus consiste de Deus o Pai, Jesus Cristo, o Espírito Santo, seres espirituais chamados anjos, e todos os homens que vivem em justa obediência à Palavra de Deus. Estas são as forças espirituais do bem.

 

O Reino de  Deus  não  é  uma igreja  denominacional.  As denominações são organizações de criação humana para grupos de igrejas. Elas são estabelecidas com propósitos práticos de organização e administração. As denominações são organizações como os Batistas, Assembléias de Deus, Metodistas, Luteranos, etc. A Bíblia nos fala da verdadeira Igreja a qual não é uma denominação ou organização religiosa. A verdadeira Igreja é composta de todos aqueles que se converteram em residentes do Reino de Deus.

 

No tempo presente no mundo natural, o Reino de Deus existe individualmente dentro de cada homem, mulher, criança ou jovem que fez a Jesus Cristo o Rei de sua vida. Existe comunitariamente na verdadeira Igreja e onde quer que as pessoas façam deste mundo o tipo de mundo que Deus quer que seja. No futuro, haverá uma manifestação visível do Reino de Deus.

 

A GUERRA INVISÍVEL

 

A Batalha espiritual invisível é uma batalha que envolve a todos os homens mulheres. Posto que o reino de Satanás seja um reino espiritual...

 

“Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Efésios 6.12).

 

A guerra espiritual não é uma batalha natural entre a carne e o sangue. Não é uma batalha do homem contra o homem. Não é uma batalha visível. É um conflito invisível no mundo espiritual. É uma batalha dentro e ao redor do homem. Não é uma guerra visível porque os espíritos estão envolvidos e aprendemos em Lucas 24.39 que um espírito não tem carne nem ossos.

 

A guerra espiritual é “multidimensional”, o qual significa que é travada em diferentes dimensões. É...

 

1. Uma batalha social entre o crente e o mundo: João 15.18-27

2. Uma batalha pessoal entre a carne e o espírito: Gálatas 5.16-26

3. Uma batalha sobrenatural entre o crente e os poderes sobrenaturais malignos: Efésios 6.10-20.

 

Toda pessoa viva está comprometida nesta guerra, quer se dê conta ou não. Não há campo neutro. Os não crentes estão sob o jugo do mal e têm sido levados pela forças do inimigo. São vítimas da guerra.

 

Os crentes têm sido livrados do inimigo mediante Jesus Cristo e são vitoriosos, porém estão ainda comprometidos na guerra. O versículo-chave deste capítulo indica que nós (todos os crentes) combatemos contra as forças espirituais malignas.

 

“Combater” implica contato pessoal próximo. Ninguém está isento desta batalha. Ninguém pode vê-la à distância. Você está no meio do conflito quer você reconheça ou não. Se você não reconhecer será melhor... Está errado. A guerra do cristão nunca cessa.

 

ONDE A BATALHA URGE

 

A guerra invisível está sendo travada na terra:

 

“O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (João 10.10).

 

Satanás luta para manter o controle dos reinos do mundo. Ele não quer que eles estejam sob a autoridade de Deus. A batalha também é efetuada dentro dos corações, mentes, e almas dos homens e mulheres. Satanás cega as mentes dos não crentes e ataca aos crentes nas áreas de adoração, Palavra, seu caminhar diário, e em seu trabalho para Deus.

 

COMO COMEÇOU A BATALHA

 

A guerra invisível começou  no  céu  com  um  anjo  chamado  Lúcifer  que  foi originalmente um anjo formoso criado por Deus e era parte do Reino de Deus. Lúcifer decidiu que queria assumir o controle do Reino de Deus. Você pode ler sobre sua rebelião em Isaías 14.12-17 e em Ezequiel 28.12-19. Você estudará sobre isso com mais detalhes depois neste curso. Lúcifer e os anjos rebeldes foram expulsos do céu por Deus. Eles formaram seu próprio reino na terra

 

“Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos” (Apocalipse 12.7).

 

“E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos” (Apocalipse 12. 7).

 

Lúcifer chegou a ser conhecido como Satanás e os anjos que o seguiram em sua rebelião como demônios. Os espíritos demoníacos podem entrar e atormentar, controlar e usar aos humanos que pertencem ao reino de Satanás. Eles motivam atos malignos que são realizados por homens e mulheres. Satanás dirige a seus demônios em suas atividades malignas. Ele combina estas forças poderosas com o mundo e a carne para batalhar contra todo o gênero humano.

 

RAZÕES POR TRÁS DO CONFLITO

 

O homem foi originalmente criado à imagem de Deus e para a glória  de  Deus (Gênesis capítulo 2). A guerra invisível contra o homem começou  com  a  primeira tentação no jardim do Éden (Gênesis 3). Satanás fez pecar a Adão e Eva. Isto resultou em que todo o gênero humano herdaria a natureza pecaminosa e realizaria atos individuais de pecado conforme esta natureza:

 

“Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram” (Romanos 5. 12).

 

Também resultou na guerra invisível entre o homem e as forças do mal:

 

“Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gênesis 3.15).

 

Por causa do pecado, o homem foi separado de Deus e condenado à morte. Porém, Deus amou o homem de tal maneira que idealizou um plano especial para salvá-lo do pecado:

 

“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porquanto Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele” (João 3.16-17).

 

Mediante a crença em Jesus, a confissão e o arrependimento do pecado, os homens e mulheres podem ser liberados do poder do inimigo. A morte e a ressurreição de Jesus não somente resultou na salvação do pecado. Também derrotou o inimigo, Satanás:

 

“Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo” (1 João 3.8).

 

Porém, se Satanás está derrotado, por que a guerra ainda continua? Após cada guerra sempre há resíduos de resistência inimiga, tropas rebeldes que não se renderão até que a força vencedora os obrigue a fazê-lo. Embora Jesus tenha derrotado Satanás, nós estamos vivendo em território ainda ocupado pelas forças inimigas de resistência. Entender as estratégias de guerra espiritual nos dá a habilidade de tratar com estes poderes malignos.

 

Satanás está tratando de manter os homens cativos no pecado. Mediante os métodos enganosos ele está incitando aos homens e mulheres às luxurias da vida pecaminosa. Ele aponta os afetos da alma e do espírito os quais legitimamente pertencem a Deus:

 

“O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (João 10. 10).

 

Satanás ainda quer ser o governante supremo. Ele está travando uma batalha intensa pelo coração, a mente, a alma e o espírito do homem. Suas estratégias estão dirigidas contra Deus, Seu plano e Seu povo. A batalha continuará até o grande conflito final, o qual você estudará no último capítulo deste curso.

 

O SIGNIFICADO DA GUERRA ESPIRITUAL

 

A guerra espiritual é a análise de e a participação ativa na guerra espiritual invisível. Inclui o estudo das forças opostas do bem e do mal, as estratégias de Satanás e as estratégias espirituais para vencer a Satanás. A guerra espiritual é mais do que uma mera análise de princípios espirituais. Inclui a participação ativa na guerra mediante a aplicação destas estratégias na vida e no ministério. Uma das mais efetivas estratégias de Satanás é manter aos crentes ignorantes de seus enganos. Paulo diz que é importante conhecer as estratégias de Satanás...

 

“Para que Satanás não alcance vantagem sobre nós, pois não lhe ignoramos os desígnios” (2 Coríntios 2.11).

 

Devemos aprender tudo o que podemos sobre as estratégias de ataque de Satanás. Devemos também entender as bases bíblicas da vitória sobre Satanás e as forças do mal. Nós somos chamados a um combate inteligente. É básico ao entendimento da guerra espiritual este princípio-chave:

 

Você deve reconhecer que todas as batalhas da vida, sejam físicas, espirituais, emocionais, mentais, financeiras ou com personalidades humanas são apenas manifestações exteriores de uma causa espiritual.

 

Ainda que no mundo natural os problemas possam parecer ocorrer através de circunstâncias da vida, a base destas batalhas naturais está no mundo espiritual. Leia a história de Jó (Jó capítulos 1 a 2) que confirma este princípio.

 

Temos tratado de corrigir os males deste mundo mediante a educação, legislação e um ambiente melhorado. Não tem funcionado por que os males invisíveis deste mundo são o resultado de uma causa espiritual subjacente. Não podem ser corrigidos por meios naturais.

A QUAL REINO PERTENCES?

 

No reino natural um rei é o soberano de um reino. Todo o território e o povo no reino pertencem a ele. Tem o poder da vida e a morte sobre seus súditos. O mesmo é certo no mundo espiritual. Você é parte do reino de Deus ou do Reino de Satanás. Deus ou Satanás tem o poder sobre a sua vida.

 

Uma das parábolas de Jesus ilustra que todos os homens ou são parte do Reino de Satanás ou do Reino de Deus. Jesus comparou o mundo com um campo.

A boa semente no campo eram os filhos do Reino de Deus. A má semente, a qual resultou no crescimento do joio, eram os filhos do maligno:

 

“O campo é o mundo; a boa semente são os filhos do reino; o joio são os filhos do maligno” (Mateus 13.38).

 

As pessoas entram no Reino de Satanás mediante o nascimento natural. A Bíblia ensina que todos os homens são nascidos em pecado. Isto significa que eles possuem uma natureza básica de pecado ou a “semente” do pecado dentro deles. Sua inclinação natural é fazer o que é mau.

 

“Eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe” (Salmos 51.5). “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram” (Romanos 5. 12).

 

“Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus”

(Romanos 3.23).

 

Visto que todos nós temos nascido com a natureza de pecado, todos nós, em algum momento, fomos parte do Reino de Satanás. Todos os que continuam pecadores perdidos continuam sendo parte do Reino de Satanás.

 

Toda a mensagem da Palavra escrita de Deus, a Bíblia Sagrada, é o apelo ao homem para mudar do Reino de Satanás ao Reino de Deus. Os homens são nascidos dentro do Reino de Satanás mediante o nascimento natural. Devem nascer de novo dentro do Reino de Deus através do nascimento espiritual. A entrada no reino de Deus é pela experiência do novo nascimento explicada em João capítulo 3.

 

Há somente duas divisões na guerra invisível. Jesus disse, “Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha” (Lucas 11.23). Você não pode ser neutro nesta guerra. Você está de um ou do outro lado nesta guerra espiritual. Inclusive, alguns crentes, devido a seu medo da confrontação com o inimigo, tratam de ignorar a guerra e fazem trégua com o inimigo. Pensa que se ignorarem a Satanás, ele não os incomodará. Esta é uma das principais estratégias do inimigo. Ele trata de deixar imóveis os membros do exército de Deus mediante suas táticas de tenro Porém, não há neutralidade nesta guerra. Você é uma vítima ou um vencedor. O “chamado espiritual às armas” está ocorrendo... Você está do lado do bem ou do mal? Você é parte do Reino de Satanás ou do Reino de Deus? A qual reino você pertence? Você é vítima ou vencedor na guerra invisível?

INSPEÇÃO

 

1. Escreva o versículo-chave das cláusulas de guerra.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

2. Quais são as duas divisões feitas em 1 Coríntios 15.44-49?

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

3.Quais são os dois reinos invisíveis no mundo hoje?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

4. Enumere as forças espirituais do mal.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

5. Enumere as forças espirituais do bem.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

6. Defina a palavra “lei”.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

7. O que se entende por “guerra espiritual”?

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

8. Qual é a razão por trás deste grande conflito espiritual?

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

9. Qual é o princípio básico para o entendimento da guerra espiritual?

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

 

 

 

 

MANOBRAS TÁTICAS

 

1.    Este curso, “Estratégias de Guerra Espiritual”, se centra no Reino de Satanás e a guerra espiritual que se estabelece entre seu reino e o Reino de Deus. O curso do Instituto Internacional Tempo de Colheita intitulado “Vivendo no Reino” proporciona um completo estudo do Reino de Deus. (Se você está matriculado no Instituto Tempo de Colheita e estudando os cursos na ordem sugerida, você já estudou este curso). Se você não está matriculado no Instituto Tempo de Colheita, você deveria obter “Vivendo no Reino” como um curso complementar ao atual. É importante que você alcance o entendimento dos reinos espirituais presentes no mundo de hoje.

 

2.    Uma boa base espiritual é requerida tendo em visto efetuar uma guerra espiritual vitoriosa. Se você é um novo crente, obtenha o curso do Instituto Internacional Tempo de Colheita chamado “Fundamentos da Fé”. (Se você está tomando os cursos do Instituto Internacional Tempo de Colheita em sua ordem sugerida, você já estudou este curso).

 

3.    Você sente que tem sido uma “vítima” da guerra espiritual? Em quais áreas de sua vida ou ministério você tem perdido a batalha? Você tem perdido a batalha...

 

q  No reino espiritual?

q  No reino emocional?

q  No reino físico?

q  No reino mental?

q  No reino das finanças?

q  Com personalidades humanas

 

É importante identificar estas áreas de derrota de tal maneira que pode ser aplicado ao conhecimento que você adquiriu neste estudo às áreas práticas da vida e do ministério.

 

q  Reveja a história de 2 Reis 6 discutida nesta lição.  Você conhece  pessoas como Geazi ou como aqueles na cidade de Dotã? Como você poderia  ajudá-los?

 

q  Visto que a guerra espiritual tem muitas dimensões, devemos lutar pessoalmente contra o pecado, socialmente contra o mal no mundo, e sobrenaturalmente mediante o ministério de libertação.

 

q  Estude a Bíblia como um Manuel de guerra espiritual. É o registro histórico da guerra espiritual, revelando as vitórias e derrotas das batalhas passadas. É profética, mostrando o curso da guerra até o tempo do conflito final.

 

 

 

 

 

O CHAMADO ÀS ARMAS

 

UMA CONVOCAÇÃO À GUERRA INVISÍVEL

 

 

 

Há uma grande batalha sendo travada no mundo espiritual. É uma batalha pessoal interior entre a carne e o espírito. É uma batalha social com as forças do mal do mundo. É uma batalha espiritual com os poderes sobrenaturais malignos. Nos tempos do Antigo Testamento a trombeta era usada para convocar o povo de Deus para a batalha. Hoje, um chamado está soando em todas as nações do mundo. É o chamado à guerra invisível. É um chamado às armas.

 

 

 

 

ADMISSÃO

 

TORNANDO-SE PARTE DO EXÉRCITO DE DEUS

 

 

Todos os exércitos no mundo natural têm procedimentos de admissão. Estes são coisas especiais que precisam ser feitas para que você possa unir às forças militares.

 

Você está pronto para tornar-se parte do exército de Deus?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CAPÍTULO DOIS

 

ALISTANDO-SE NO EXÉRCITO DE DEUS

 

 

OBJETIVOS:

 

Ao concluir este capítulo você será capaz de:

 

q  Escrever o versículo-chave de memória.

q  Definir “arrependimento”.

q  Explicar a importância do arrependimento.

q  Definir “conversão”.

q  Explicar a importância da conversão.

q  Definir “justificação”.

q  Explicar o que significa ser “salvo”.

q  Usa a parábola do filho pródigo para descrever o arrependimento e a conversão.

 

VERSÍCULO-CHAVE DAS CLÁUSULAS DE GUERRA:

 

“Não vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento” (Lucas 5.32).

 

INTRODUÇÃO

 

No último capítulo você aprendeu sobre uma grande guerra invisível no mundo espiritual. Neste capítulo você aprenderá como se alistar no exército de Deus. No mundo natural, os exércitos naturalmente têm rituais especiais de admissão nos quais um possível soldado deve participar para unir-se às forças militares. Esta “admissão” o tornar parte do exército.

 

Deus também tem um plano especial para a admissão mediante o qual você se torna parte do Seu exército espiritual. Seu plano está centrado em dois importantes conceitos, arrependimento e conversão, os quais resultam em justificação.

 

ARREPENDIMENTO

 

No mundo natural, quando um soldado se une a um exército, ele deve renunciar a qualquer filiação anterior com outro exército ou país. Quanto você se une ao exército de Deus, você deve se arrepender de seu vínculo com o pecado e o Reino de Satanás. Isto se faz mediante o arrependimento.

 

O arrependimento é “uma decisão interior ou mudança de mente que resulta em uma ação exterior de converter-se do pecado a Deus e à justiça”. Em Atos 20.21 isso é chamado de converter-se a Deus. Mediante o ato de arrependimento você deixa o seu pecado e o Reino de Satanás.

 

O arrependimento é uma decisão pessoal de mudar sua lealdade do Reino de Satanás para o Reino de Deus. Esta mudança de mente e voltar-se do pecado não podem ser feitos por si mesmo. É o poder de Deus que produz a mudança na mente, coração e na vida de um pecador.

 

“E, ouvindo eles estas coisas, apaziguaram-se e glorificaram a Deus, dizendo: Logo, também aos gentios foi por Deus concedido o arrependimento para vida” (Atos 11.18).

 

O arrependimento é um dom de Deus:

 

“Deus, porém, com a sua destra, o exaltou a Príncipe e Salvador, a fim de conceder a Israel o arrependimento e a remissão de pecados” (Atos 5.31).

 

Ainda que as emoções possam estar envolvidas no arrependimento, o verdadeiro arrependimento é uma decisão, não somente uma emoção. Sentir pena pelo pecado e derramar lágrimas não é suficiente. Isto deve ser acompanhado por uma decisão interior que resulta em mudança exterior.

 

A IMPORTÂNCIA DO ARREPENDIMENTO:

 

O Arrependimento é importante por que:

 

Deus o ordena:

 

“Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância; agora, porém, notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam” (Atos 17.30).

 

É necessário para evitar a morte espiritual:

 

“Não eram, eu vo-lo afirmo; se, porém, não vos arrependerdes, todos igualmente perecereis” (Lucas 13.3).

 

É necessário para a vida eterna:

Mediante o arrependimento a pena de morte é removida e a vida eterna é garantida:

 

“E, ouvindo eles estas coisas, apaziguaram-se e glorificaram a Deus, dizendo: Logo, também aos gentios foi por Deus concedido o arrependimento para vida” (Atos 11.18).

 

É necessário para o perdão:

Deus não pode perdoar teus pecados a menos que você se arrependa:

 

“Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito  Santo” (Atos 2. 38).

 

 

 

É o desejo de Deus para todos:

 

Deus não quer que ninguém experimente a morte espiritual de separação eterna de Deus no inferno:

“Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento” (2 Pedro 3.9).

 

É a razão pela qual Jesus veio ao mundo:

 

“Não vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento” (Lucas 5.32).

 

É necessário para entrar no Reino de Deus:

 

“Daí por diante, passou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus” (Mateus 4.17).

 

Quando você se torna parte do Reino de Deus, você está alistado no exército de Deus.

 

CONVERSÃO

 

Quando você pede o perdão de teus pecados, você experimenta a “conversão”. Conversão significa “voltar-se”. Quando é usada em conexão com o arrependimento bíblico, significa “voltar-se do caminho errado ao caminho correto”. Você deixa o Reino de Satanás e se une ao Reino de Deus.

 

“E converterá muitos dos filhos de Israel ao Senhor, seu Deus” (Lucas 1.16).

“Viram-no todos os habitantes de Lida e Sarona, os quais se converteram ao Senhor” (Atos 9.35).

 

“A mão do Senhor estava com eles, e muitos, crendo, se converteram ao Senhor” (Atos 11.21).

 

Converter-se é voltar-se da escuridão do pecado à luz da justiça de Deus:

“Para lhes abrires os olhos e os converteres das trevas para a luz...” (Atos 26.18).

 

É voltar-se do poder de Satanás a Deus:

 

“... da potestade de Satanás para Deus...” (Atos 26.18).

 

É voltar-se das coisas terrenas às coisas espirituais:

 

“Senhores, por que fazeis isto? Nós também somos homens como vós, sujeitos aos mesmos sentimentos, e vos anunciamos o evangelho para que destas coisas vãs vos convertais ao Deus vivo, que fez o céu, a terra, o mar e tudo o que há neles” (Atos 14.15).

 

Voltar-se dos falsos deuses ao Deus vivo e verdadeiro:

 

“Pois eles mesmos, no tocante a nós, proclamam que repercussão teve o nosso ingresso no vosso meio, e como, deixando os ídolos, vos convertestes a Deus, para servirdes o Deus vivo e verdadeiro” (1 Tessalonicenses 1.9).

 

 

A IMPORTÂNCIA DA CONVERSÃO:

 

A conversão deve acompanhar o arrependimento. Você deve voltar-se do injusto ao justo porque é:

 

É necessário entrar no Reino de Deus:

“E disse: Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus” (Mateus 18.3).

Você se salva da morte espiritual: “Sabei que aquele que converte o pecador do seu caminho errado salvará da morte a alma dele e cobrirá multidão de pecados” (Tiago 5.20).

 

É necessário para cancelar o pecado:

Nosso pecado está escrito nos registros de Deus até que nos arrependamos e nos convertamos então nossos pecados são cancelados:

 

“Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados” (Atos 3.18).

 

O FILHO PRÓDIGO

 

O arrependimento e a conversão são melhores ilustrados por uma história que Jesus contou sobre um filho pródigo. Leia em Lucas 15.11-24. Este homem jovem deixou seu pai e sua casa, se dirigiu a uma terra distante, e devido ao pecado desperdiçou tudo o que ele possuía. Eventualmente, este homem logo se deu conta de sua condição. Estava faminto, sozinho, em farrapos, e seu trabalho era cuidar de porcos. Logo ele tomou numa importante decisão. Disse, “me levantarei e irei a meu pai”. Esta decisão interior resultou em uma mudança de suas ações exteriores. Dirigiu-se à casa de seu pai em busca de perdão.

 

ARREPENDIMENTO... A MUDANÇA DE MENTE:

 

Leia Lucas 15.17-19. O jovem se deu conta de sua condição de pecado. Tomou a decisão de ir a seu pai e arrepender-se de seu pecado. Isto é um exemplo de arrependimento, uma decisão interior que redunda em uma ação exterior.

 

CONVERSÃO... AÇÃO

 

Lucas 15.20 registra como o homem se levantou e deixou a sua velha vida e foi a seu pai para começar uma vida nova. Isto é conversão.

 

 

O HOMEM PRÓDIGO:

 

O homem é como o filho pródigo. Em sua condição pecaminosa ele tem dado às costas a Deus, Seu Pai, e à sua casa, o Céu. A cada passo que ele dá, é um passo para longe de Deus, e um passo para mais perto da morte espiritual da eterna separação de Deus. Existe uma decisão principal que deve ser tomada. Ele deve “cair em si mesmo” e reconhecer sua condição espiritual. Deve tomar uma decisão que resultará em uma mudança de direção espiritual.

 

JUSTIFICAÇÃO E SALVAÇÃO

 

Há dois termos mais usados na Bíblia que se relacionam com o arrependimento. Estes termos são “justificação” e “salvação”. Deus é o juiz de todo o gênero humano. Quando você vive em pecado, você está condenado diante de Dele:

 

“Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más” (João 3.18-19).

Quando você se arrepende do pecado e toma a decisão de converter-se de seus caminhos pecaminosos, uma relação correta com Deus é estabelecida. Esta relação correta ou situação correta diante de Deus é chamada de “justificação”.

 

“Não sabeis que daquele a quem vos ofereceis como servos para obediência, desse mesmo a quem obedeceis sois servos, seja do pecado para a morte ou da obediência para a justiça? Mas graças a Deus porque, outrora, escravos do pecado, contudo, viestes a obedecer de coração à forma de doutrina a que fostes entregues; e, uma vez libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça” (Romanos 6.16-18).

 

Quando você é justificado mediante o arrependimento e a conversão, você é “salvo” de uma vida de pecado como também do castigo do pecado. Isto é o que significa ser “salvo” e do que a Bíblia está falando quando usa o termo “salvação”.

 

 

A GUERRA ESPIRITUAL E O PONTO DE VISTA BÍBLICO

 

 

A questão da guerra espiritual deve ser estudada dentro do contexto do propósito total de Deus para a redenção da humanidade pecadora. Estude as parábolas do semeador e do trigo e o joio em Mateus 13. Ambas as parábolas se referem ao crescimento do Reino de Deus o qual ocorre mediante o plantar a Palavra de Deus. As duas parábolas refletem a guerra entre os dois reinos com a batalha centrada nos propósitos redentores de Deus.

 

Aprender da guerra espiritual lhe prepara para entrar na arena deste mundo e pelejar pelas almas de homens e mulheres, crianças e jovens. Por isso você recebeu autoridade sobre Satanás e os discípulos antes de serem enviados a compartilhar o evangelho (ver Mateus 28.18-20). Satanás e suas hordas de demônios pelejarão contra você na medida em que você busca ganhar homens para Cristo e trazê-los ao governo de Deus. Empregar estratégias bíblicas da guerra espiritual lhe ajuda a desafiar os principados e potestades que governam sobre as vidas humanas individuais, sociedades e áreas do mundo.

 

ADMISSÃO DENTRO DO EXÉRCITO DE DEUS

 

Arrependimento e conversão resultam em justificação e salvação. Este é o plano de Deus para a admissão dentro de Seu exército. Se você ainda não tem sido admitido no exército de Deus, a seção “Manobras Táticas” desta lição lhe dará a oportunidade para que você se uma ao exército de Deus. Se você já um membro do exército de Deus, esta seção o ajudará a levar outros a se alistar no exército de Deus.

 

Seja bem-vindo ao exército de Deus!

 

INSPEÇÃO

 

1. Escreva o versículo-chave das cláusulas de guerra.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

2. Defina “arrependimento”.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

3. Explique a importância do arrependimento.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

4. Defina “conversão”.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

5. Explique a importância da conversão.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

6. Defina “justificação”.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

7. Explica o que significa “ser salvo”.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

8. Use as palavras do filho pródigo para descrever o arrependimento e a conversão.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

MANOBRAS TÁTICAS

 

1.    Você já se arrependeu e converteu? Se não, você precisa deter-se agora mesmo neste estudo e fazer o seguinte:

 

q  Arrepender-se de seus pecados.

q  Pedir a Jesus que o perdoe.

q  Aceitá-lo como seu Senhor e Salvador.

q  Abandonar seus caminhos pecaminosos (converter-se).

 

2.         Como crente, quando você peca, também é preciso arrepender-se. Estude os seguintes exemplos bíblicos:

 

OS CORÍNTIOS:

 

Os crentes em uma cidade chamada Corinto tiveram que se arrepender:

 

“Agora, me alegro não porque fostes contristados, mas porque fostes contristados para arrependimento; pois fostes contristados segundo Deus, para que, de nossa parte, nenhum dano sofrêsseis” (2 Coríntios 7.9).

 

“Temo, pois, que, indo ter convosco, não vos encontre na forma em que vos quero, e que também vós me acheis diferente do que esperáveis, e que haja entre vós contendas, invejas, iras, porfias, detrações, intrigas, orgulho e tumultos. Receio que, indo outra vez, o meu Deus me humilhe no meio de vós, e eu venha a chorar por muitos que, outrora, pecaram e não se arrependeram da impureza, prostituição e lascívia que cometeram” (2 Coríntios 12.20-21).

 

OS EFÉSIOS:

 

Aos crentes em Éfeso foi dito que se arrependessem:

 

“Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas” (Apocalipse 2.5).

 

OS CRISTÃOS PÉRGAMO:

 

Deus disse aos cristãos em Pérgamo:

 

“Portanto, arrepende-te; e, se não, venho a ti sem demora e contra eles pelejarei com a espada da minha boca” (Apocalipse 2.16).

 

OS CRISTÃOS EM SARDES:

 

“Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, guarda-o e arrepende-te. Porquanto, se não vigiares, virei com o ladrão, e não conhecerás de modo algum em que hora virei contra ti” (Apocalipse 3.3).

 

OS CRISTÃOS EM LAODICÉIA:

 

“Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso e arrepende-te” (Apocalipse 3.19).

 

E O QUE DIZER DE VOCÊ:

 

Existe pecado sem confessar em sua vida? Onde quer que haja pecado, deve haver arrependimento:

 

“Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós” (1 João 1.8-9).

 

Visto que o arrependimento é necessário para a salvação, Deus idealizou um plano especial de tal maneira para tornar possível a mensagem de arrependimento ao alcance de cada um. O chamado ao arrependimento começou no Novo Testamento com o ministério de João, o Batista:

 

“Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas; apareceu João Batista no deserto, pregando batismo de arrependimento para remissão de pecados” (Marcos 1.3-4).

 

O arrependimento foi a primeira mensagem que Jesus pregou:

 

“Depois de João ter sido preso, foi Jesus para a Galiléia, pregando o evangelho de Deus, dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo; arrependei-vos e crede no evangelho” (Marcos 1.14-15).

 

O arrependimento foi pregado pelos crentes na igreja primitiva:

 

“Então, saindo eles, pregavam ao povo que se arrependesse”

(Marcos 6.12).

 “Testificando tanto a judeus como a gregos o arrependimento para com Deus e a fé em nosso Senhor Jesus Cristo” (Atos 20.21).

 

Hoje, os crentes ainda têm a responsabilidade de pregar a mensagem de arrependimento por todo o mundo. Jesus deu instruções finais a seus seguidores que:

 

“E que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém” (Lucas 24.47).

 

Quando você prega a mensagem de arrependimento aos outros, você está chamando-os a alistar-se no exército de Deus. Você assumirá o compromisso de recrutar outros para este grande exército espiritual?

 

Se você é responsável de compartilhar a mensagem de arrependimento e chamar outros a se alistar no exército de Deus, então você deve saber como os homens são persuadidos a se arrepender. Os homens se arrependem por causa de:

 

A BONDADE DE DEUS:

 

As bênçãos de Deus na vida de uma pessoa não santa não devem ser confundidas com a aprovação de Deus ao seu estilo de vida. A bondade de Deus é uma das maneiras do Senhor apelar aos homens para que se volte a Ele.

 

“Ou desprezas a riqueza da sua bondade, e tolerância, e longanimidade, ignorando que a bondade de Deus é que te conduz ao arrependimento?” (Romanos 2.4).

 

PREGAÇÃO:

A pregação da Palavra de Deus leva os homens ao arrependimento. A pregação de Jonas levou toda a cidade de Nínive ao arrependimento:

 

“Ninivitas se levantarão, no Juízo, com esta geração e a condenarão; porque se arrependeram com a pregação de Jonas. E eis aqui está quem é maior do que Jonas” (Mateus 12.41).

 

O CHAMADO DE CRISTO:

Na medida em que a Palavra de Cristo é pregada, as pessoas escutam e respondem ao chamado de Cristo que os leva ao arrependimento:

 

“Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero e não holocaustos; pois não vim chamar justos, e sim pecadores ao arrependimento” (Mateus 9.13).

 

DEUS, O PAI:

Jesus disse que ninguém poderia vir a Ele a menos que o Pai o trouxesse. Deus leva os homens ao arrependimento:

 

“Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia” (João 6.44).

 

REPREENSÃO:

A repreensão leva os homens ao arrependimento. A repreensão é a correção dada pela Palavra de Deus:

 

“Acautelai-vos. Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; se ele se arrepender, perdoa-lhe” (Lucas 17.3).

 

TRISTEZA SEGUNDO DEUS:

 

Como você aprendeu, o arrependimento pode ser acompanhado de emoções.

Somente emoção natural não é verdadeiro arrependimento, porém a emoção santa leva ao verdadeiro arrependimento:

 

“Porque a tristeza segundo Deus produz arrependimento para a salvação, que a ninguém traz pesar; mas a tristeza do mundo produz morte” (2 Coríntios 7.10).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TREINAMENTO BÁSICO

 

PREPARANDO-NOS PARA A GUERRA

 

 

No mundo natural nenhum soldado é enviado à batalha sem receber primeiro o treinamento básico. Este treinamento o preparará para entrar na zona de guerra.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Capítulo Três

 

O COMANDANTE: O SENHOR DOS EXÉRCITOS

 

 

OBJETIVOS:

Ao concluir este capítulo você será capaz de:

 

q  Escrever o versículo-chave de memória.

q  Identificar as forças espirituais do bem.

q  Identificar as pessoas da Trindade de Deus.

q  Descrever a natureza do Deus Trino.

q  Explicar a função de Deus, o Pai, na guerra espiritual.

q  Sintetizar as funções de Jesus Cristo na guerra espiritual.

q  Sintetizar as funções do Espírito Santo na guerra espiritual.

 

VERSÍCULO-CHAVE DAS CLÁUSULAS DE GUERRA:

 

“Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR” (Deuteronômio 6.4).

 

INTRODUÇÃO

 

No capítulo um você aprendeu sobre uma grande batalha espiritual que está sendo travada entre as forças do bem e do mal. Esta lição e a próxima descrevem as forças espirituais do bem. Estas incluem Deus o Pai, Jesus Cristo o Filho, o Espírito Santo, e os anjos. Eles são poderosas forças espirituais que auxiliam aos crentes na guerra.

 

A TRINDADE DE DEUS

 

Há muitos deuses que são adorados no mundo, porém existe somente um Deus verdadeiro. A Bíblia contém a história deste Deus verdadeiro. Este Deus único se revelou em três distintas personalidades, o Pai, o Filho Jesus Cristo, e o Espírito Santo.

Deus o Pai, Jesus Cristo e o Espírito Santo são descritos na Bíblia em termos de sua natureza. Quando falamos de “natureza” entendemos qualidades básicas que descrevem a Deus. Estas qualidades são conhecidas também como “atributos”, que significam “características”.

A Bíblia revela que Deus é...

 

TRINO:

Deus possui uma natureza trina. Isto quer dizer que Ele tem três personalidades distintas, ainda que seja um só Deus:

 

“Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR” (Deuteronômio 6.4).

 

As três pessoas da trindade de Deus são chamadas de Deus o Pai, Jesus Cristo o Filho, e o Espírito Santo. Há várias Escrituras que confirmam esta natureza trina de Deus. Quando Jesus estava sendo batizado por João, o Batista, no rio Jordão, Deus falou e o Espírito Santo desceu:

 

“Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo” (Mateus 3.16-17).

 

Antes do retorno ao céu depois de Seu ministério na terra, Jesus falou da vinda do Espírito Santo da parte de Deus:

 

“Quando, porém, vier o Consolador, que eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que dele procede, esse dará testemunho de mim” (João 15.26).

 

O Apóstolo Pedro falou desta natureza trina de Deus:

 

“Se, pelo nome de Cristo, sois injuriados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus” (1 Pedro 4.14).

 

O Apóstolo Paulo falou da trindade em seus escritos:

 

“Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da  morte. Porquanto o que fora impossível à lei, no que estava enferma pela carne, isso fez Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa e no tocante ao pecado; e, com efeito, condenou Deus, na carne, o pecado” (Romanos 8.2-3).

 

“A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós”  (2Coríntios 13.14).

 

“Porque, por ele, ambos temos acesso ao Pai em um Espírito”

(Efésios 2.18).

 

O livro de Atos também atesta a natureza trina de Deus:

 

“Exaltado, pois, à destra de Deus, tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vedes e ouvis” (Atos 2.33).

 

ETERNO:

 

A trindade de Deus é eterna, sem princípio nem final:

 

“Senhor, tu tens sido o nosso refúgio, de geração em geração. Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade, tu és Deus” (Salmos 90.1-2).

“Plantou Abraão tamargueiras em Berseba e invocou ali o nome do SENHOR, Deus Eterno” (Gênesis 21.33).

A natureza eterna de Deus é mais bem ilustrada por um círculo. Este círculo não tem um princípio visível ou um ponto final, ainda que exista:

 

A Natureza Eterna de Deus

 

UM ESPÍRITO:

 

Deus é um espírito. Isto significa que não tem carne nem sangue e, portanto, invisível aos olhos naturais do homem.

 

“Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade” (João 4.24).

 

SOBERANO:

 

Deus é o poder soberano (o maior) em todo o universo. Leia Efésios 1 e Romanos 9.

 

ONIPRESENTE:

 

Isto significa que Deus está presente em todas as partes:

 

“Disse aos juízes: Vede o que fazeis, porque não julgais da parte do homem, e sim da parte do SENHOR, e, no julgardes, ele está convosco” (2 Crônicas 16.9). “Os olhos do SENHOR estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons” (Provérbios 15.3).

 

“Para onde me ausentarei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face? Se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também” (Salmos 139.7-8).

 

ONISCIENTE:

 

Isto significa que Deus conhece todas as coisas:

 

“Ainda a palavra me não chegou à língua, e tu, SENHOR, já a conheces toda” (Salmos 139.4). “Pois, se o nosso coração nos acusar, certamente, Deus é maior do que o nosso coração e conhece todas as coisas”  (1 João 3.20). “E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas”(Hebreus 4.13).

 

ONIPOTENTE:

 

Isto significa que Deus é todo-poderoso:

 

“Quando atingiu Abrão a idade de noventa e nove anos, apareceu-lhe o SENHOR e disse-lhe: Eu sou o Deus Todo- Poderoso; anda na minha presença e sê perfeito”

(Gênesis 17. 1).

“Jesus, fitando neles o olhar, disse-lhes: Isto é impossível aos homens, mas para Deus tudo é possível” (Mateus 19.26). “Então, ouvi uma como voz de numerosa multidão, como de muitas águas e como de fortes trovões, dizendo: Aleluia! Pois reina o Senhor, nosso Deus, o Todo-Poderoso” (Apocalipse. 19.6).

“Uma vez falou Deus, duas vezes ouvi isto: Que o poder pertence a Deus” (Salmos 62.11).

 

IMUTÁVEL:

 

Deus não muda Sua pessoa, natureza, propósito ou planos:

 

“Porque eu, o SENHOR, não mudou; por isso, vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos” (Malaquias 3.6). “Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre” (Hebreus 13.8).

 

SANTO:

 

Deus é sem pecado, absolutamente puro:

 

“Fala a toda a congregação dos filhos de Israel e dize-lhes: Santos sereis, porque eu, o SENHOR, vosso Deus, sou santo” (Levítico 19.2).

 

JUSTO:

 

Deus é justo e imparcial em juízo:

 

“Eis a Rocha! Suas obras são perfeitas, porque todos os seus caminhos são juízo; Deus é fidelidade, e não há nele injustiça; é justo e reto” (Deuteronômio 32.4).

 

FIEL:

 

Deus mantém suas promessas e é absolutamente digno de confiança.

 

“Se somos infiéis, ele permanece fiel, pois de maneira nenhuma pode negar-se a si mesmo” (2 Timóteo 2.13).

 

BENEVOLENTE:

 

Deus é bom, amável e deseja teu bem:

 

“O SENHOR é bom para todos, e as suas ternas misericórdias permeiam todas as suas obras” (Salmos 145.9).

 

MISERICORDIOSO:

 

Deus mostra misericórdia à humanidade pecadora:

 

“E, passando o SENHOR por diante dele, clamou: SENHOR, SENHOR Deus compassivo, clemente e longânimo e grande em misericórdia e fidelidade; que guarda a misericórdia em mil gerações, que perdoa a iniqüidade, a transgressão e o pecado, ainda que não inocenta o culpado, e visita a iniqüidade dos pais nos filhos e nos filhos dos filhos, até à terceira e quarta geração!” (Êxodo 34.6-7).

 

GRAÇA:

 

Deus mostra bondade imerecida ao homem pecador:

 

“Porque é com ela que se cobre, é a veste do seu corpo; em que se deitaria? Será, pois, que, quando clamar a mim, eu o ouvirei, porque sou misericordioso” (Êxodo 22.27). “Benigno e misericordioso é o SENHOR, tardio em irar-se e de grande clemência” (Salmos 145.8).

 

AMOR:

 

Deus é amor:

 

“Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor” (1 João 4.8).

 

SÁBIO:

 

Deus possui um profundo entendimento e um agudo discernimento.

 

“O SENHOR com sabedoria fundou a terra, com inteligência estabeleceu os céus” (Provérbios 3.19).

 

INFINITO:

 

Deus não está sujeito às limitações naturais nem humanas. Não está sujeito às limitações do espaço:

 

“Mas, de fato, habitaria Deus na terra? Eis que os céus e até o céu dos céus não te podem conter, quanto menos esta casa que eu edifiquei” (1 Reis 8.27).

 

Não está sujeito às limitações do tempo:

 

“O SENHOR reinará por todo o sempre” (Êxodo 15.18).

 

DEUS O PAI

 

Deus o Pai é o comandante das forças espirituais do bem que se opõem às forças espirituais do m al. Esta é a Sua função especial no reino da guerra espiritual.

 

 

 

 

ONDE ESTÁ DEUS:

 

Você aprendeu que Deus é onipresente, o que significa que Ele está em todas as partes do universo. O trono de Deus está em um lugar chamado céu, porém Ele é onipresente.

 

“Assim diz o SENHOR: O céu é o meu trono, e a terra, o estrado dos meus pés; que casa me edificareis vós? E qual é o lugar do meu repouso?” (Isaías 66.1).

 

NOMES DE DEUS:

 

A Bíblia nos dá outros nomes para Deus que lhe revelam Seu ministério enquanto você está comprometido com este grande conflito espiritual. Os nomes de Deus incluem:

 

1.            Jeová:

Significa Senhor. A Bíblia combina isto com outros nomes para Deus:

 

q  Jeová-Rafá: O Senhor que te cura: Ex 15.26.

q  Jeová-Nissi: O Senhor nossa bandeira: Êxodo 17.8-15.

q  Jeová-Shalom: O Senhor nossa paz: Juízes 6.24.

q  Jeová-Ra’ah: O Senhor é meu pastor: Salmos 23.1.

q  Jerová-Tsidqenuw: O Senhor, Justiça nossa: Jeremias 23.6.

q  Jeová-Yireh: O Senhor que provê: Gênesis 22.14.

q  Jeová-Shammah: O Senhor está ali: Ezequiel 4.3

 

2.            Elohim:

Que significa Deus; usado onde o poder criativo de Deus está implícito:

 

3.                        Pai:

Atos 17.28; João 1.12-13.

 

4.                        Adonai:

5.            Significa “Senhor” ou amo: Êxodo 23.17; Isaías 10.16, 33.

 

6.            El:

Este se usa freqüentemente em combinação com outras palavras para Deus:

 

q  El-Shaddai: O Deus que é suficiente para as necessidades de Seu povo: Êxodo 6.3.

q  Eloham: O Deus eterno: Gênesis 21.33.

q  El-Eliom: Deus altíssimo, exaltado sobre todos os outros deuses: Gênesis 14.18-20.

 

7.            Yahweh:

No idioma hebraico no qual o Antigo Testamento foi escrito, a palavra “Yahweh” quer dizer Deus. Esta palavra é combinada com outras palavras para revelar mais sobre o caráter de Deus. Deus é chamado de:

 

q  Yahweh-JYireh: O Senhor que provê: Gn 22.14.

q  Yahweh-Nissi: O Senhor é minha bandeira: Ex 17.15.

q  Yahweh-Shalom: O Senhor é paz: Juízes 6.24.

q  Yahweh-Sabaó: O Senhor dos Exércitos: 1 Sm 1.3.

q  Yahweh-Qadash: O Senhor que santifica: Ex 31.13.

q  Yahweh-Ra’ah: O Senho é meu pastor: Salmos 23.1.

q  Yahweh-tsidqenuw: O Senhor nossa justiça: Jr 23.6.

q  Yahweh-Shammah: O Senhor está ali: Ez 48.35.

q  Yahweh-Elohim Israel: O Senhor Deus de Israel: Jz 5.3

q  Qadosh Israel: O Santo de Israel: Is 1.4.

 

8.            O Senhor dos Exércitos:

No registro bíblico, estes diferentes nomes de Deus foram usados para solicitar a Deus que Ele se movesse de uma maneira específica a favor de Seu povo. Por exemplo, o nome Jeová-Rafá, que significa

 

“O Senhor que cura” quando se buscava a cura, foi usado.

 

O nome específico de Deus que será usado na guerra espiritual é “Yahweh Sabaot”, o qual é traduzido como “O Senhor dos Exércitos” em nossas versões da Bíblia. Quando você clama a esse nome na guerra, a batalha pertence ao Senhor e todos os exércitos do céu vêm em sua ajuda.

 

 

 

DEUS O FILHO, JESUS CRISTO

 

 

Deus o Filho, Jesus Cristo, combina a natureza divina e a humana em uma só união. Deus o Pai enviou a Jesus Cristo a terra na forma humana enquanto proporciona Sua natureza divina. Jesus foi enviado por Deus à terra de tal maneira que o homem pudesse ser perdoado por seu pecado:

 

“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porquanto Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (João 3.16-18).

 

A história de Jesus Cristo, o Filho, está registrada nos livros de Mateus, Marcos, Lucas e João. Estes livros proporcionam um registro detalhado do nascimento, morte, ressurreição, ensinamentos e ministério de Jesus Cristo.

 

Como parte do plano de Deus, Jesus veio a terra em forma humana, ministrou entre os homens, morreu pelos pecados do homem, foi ressuscitado dentre os mortos e comissionou a seus seguidores para levar o Evangelho às nações do mundo.

 

ONDE ESTÁ JESUS?

 

Após a Sua ressurreição dentre os mortos, Jesus apareceu a muita pessoas, comissionou a Seus seguidores e depois voltou ao céu. Porém, relembre... Ainda que Ele esteja no céu, Ele é onipresente... Sua presença está em todas as partes.

 

FUNÇÕES ESPECIAIS:

 

As funções especiais de Jesus em relação à guerra espiritual incluem as seguintes:

 

1. Redimir o homem do pecado: é mediante a morte de Cristo que você é libertado do jugo do pecado no qual o inimigo havia lhe aprisionado:

 

“Prometendo-lhes liberdade, quando eles mesmos são escravos da corrupção, pois aquele que é vencido fica escravo do vencedor” (2 Pedro 2.19).

“Na esperança de que a própria criação será redimida do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus” (Romanos 8.21). “Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão” (Gálatas 5.1).

 

2.    Autoridade sobre as forças do inimigo: você estudará isto em detalhe mais adiante neste curso. A morte de Jesus não somente libertou o ser humano do pecado, se não que também resultou em triunfo sobre as forças do mal. Por causa disso, você tem autoridade sobre o inimigo:

 

“Tendo Jesus convocado os doze, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para efetuarem curas” (Lucas 9.1).

 

3.    Destruir as obras do diabo:

 

“Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo” (1 João 3.8).

 

4.         Intercessão pelos crentes: no céu Jesus está à direita de Deus o Pai intercedendo pelos crentes comprometidos com a guerra espiritual. Isto significa que Ele está falando com o Pai em teu favor:

 

“E aquele que esquadrinha os corações sabe qual é a intenção do Espírito: que ele, segundo a vontade de Deus, intercede pelos santos.”

(Romanos 8.27).

 

OS NOMES DE JESUS:

 

O nome de “Jesus” significa “Salvador” ou Libertador (Mateus 1.21). O nome “Cristo” significa “O Ungido” (João 4.25-26).

 

 

Nomes adicionais dados a Jesus Cristo na Bíblia incluem:

 

Adão (o segundo) - 1 Coríntios 15.45-47

Advogado - 1 João 2.1

Todo-poderoso - Ap 1.8

Alfa e Ômega - Ap 21.6

Amém - Ap 3.14

Ancião de Dias - Dn 7.9

Anjo de Sua Presença - Is 63.9

Ungido acima de Seus companheiros - Sl 45.7

Ungido - Sl 2.2

Apóstolo de nossa confissão - Hebreus 3.1

Braço do Senhor - Is 51.9-10

Autor e consolador da fé - B 12.2

Autor de Eterna Salvação - Hb 5.9

Nascido de Deus - 1 Jo 5.18

Amado - Efésios 1.6

Bispo das almas - 1 Pedro 2.25

Bem-aventurado e único soberano - 1 Timóteo 6.15

Renovo - Zacarias 3.8

Renovo Justo - Jeremias 33.15

Renovo da Raiz de Jessé - Isaías 1.1

Pão de vida - João 6.48

Estrela resplandecente da manhã - Apocalipse 22.16

Capitão dos exércitos do Senhor - Josué 5.15

Filho do Carpinteiro - Mateus 13.55

Pedra Angular - 1 Pd 2.6

O mais distinguido entre 10 mil - Cântico dos Cânticos 5.10

O Cristo - João 1.41

Cristo, o Senhor - Lc 2.11

Jesus Cristo, nosso Senhor - Rm 8.39

Cristo, poder de Deus - 1 Coríntios 1.24

Conselheiro - Is 9.6

Mediador da Aliança - Is 42.6

O Sol Nascente das Alturas - Lucas 1.78

Estrela da alva - 2 Pe 1.19

Libertador - Romanos 11.26

Porta - João 10.9

Escolhido - Isaías 42.11

Emanuel - Mateus 1.23

Vida eterna - 1 João 5.20

Pai Eterno - Isaías 9.6

Fiel e Verdadeiro - Apocalipse 19.11

Testemunha Fiel - Ap 1.5

Primogênito - Hb 1.6; Sl 89.27

Primogênito entre muitos irmãos - Romanos 8.29

Primícias - 1 Co 15.23

Primeiro e Último - Apocalipse 22.13

Pedra solidamente assentada em Sião - Isaías 28.16

Glorioso Senhor - Isaías 33.21

Deus de Israel - Isaías 45.15

Deus conosco - Mateus 1.23

Grande Deus - Tito 2.13

Grande Sumo Sacerdote - Hebreus 4.14

Cabeça do Corpo - Colossenses 1.18

Cabeça de todas as coisas - Efésios 1.22

Pedra Angular- Salmo 118.22

Herdeiro de todas as coisas - Hebreus 1.2

Santo de Israel - Isaías 41.14

Esperança de glória - Colossenses 1.27

Eu sou - João 8.58

Imagem do Deus invisível - Colossenses 1.15

Emanuel - Isaías 7.14

Jesus Cristo nosso Senhor - Romanos 1.3

Juiz de Israel - Miquéias 5.1

Rei da Glória - Salmos 24.7

Rei - Zacarias 9.9

Rei de toda a terra - Zacarias 14.9

Cordeiro de Deus - João 1.29

Luz do mundo - João 8.12

Lírio dos vales - Cântico dos Cânticos 2.1

Pão Vivo - João 6.51

Senhor Deus Todo-poderoso - Apocalipse 4.8

Senhor e Salvador - 2 Pedro 2.20

Senhor de tudo - Atos 10.36

Senhor, nosso Justiça - Jeremias 23.6

Senhor, Teu Redentor - Isaías 43.14

Amor - 1 João 4:8

Varão de dores - Isaías 53:3

Guia - Mateus 23.10

Messias - Daniel 9:25

Poderoso Deus - Isaías 9.6

Poderoso de Jacó - Isaías 60.16

Santo dos Santos - Daniel 9:24

Herói - Salmo 45.3

Nazareno - Mateus 2.23

Único e Sábio Deus - 1 Timóteo 1.17

Nossa Páscoa - 1 Coríntios 5.7

Médico - Lucas 4.23

Príncipe da Paz - Isaías 9.6

Príncipe dos Reis da terra - Apocalipse 1.5

Profeta - Deuteronômio 18.15-18

Propiciação - Romanos 3.25

Rabi - João 1.49

Redentor - Isaías 59.20

Ressurreição - João 11.25

Servo Justo - Isaías 53.11

Rocha - 1 Coríntios 10.4

Raiz de Jessé - Isaías 11.10

Rosa de Sarom - Cântico dos Cânticos 2.1

Salvador do mundo - 1 João 4.14

Semente de Davi - João 7.42

Semente da mulher - Gênesis 3.15

Pastor - João 10.11

Filho de Deus - Romanos 1.4

Filho do Homem - Atos 7.56

Filho de Maria - Marcos 6.3

Filho do Altíssimo - Lucas 1.32

Estrela de Jacó - Números 24.17

Pedra - Mateus 21.42

Sol da justiça - Malaquias 4.2

Pedra já provada, preciosa - Isaías 28.16

Mestre - João 3.2

Verdade - João 14.6

Dom inefável - 2 Coríntios 9.15

Videira - João 15.1

Caminho - João 14.6

Admirável - Isaías 9.6

Verbo - João 1.14

Palavra de Deus - Apocalipse 19.13

 

 

DEUS ESPÍRITO SANTO

 

 

O Espírito Santo é parte da natureza trina de Deus, porém o Espírito Santo também tem uma personalidade individual. O tema do Espírito Santo é tão vasto que um curso inteiro do Instituto Tempo de Colheita é oferecido sobre o tem a - “O Ministério do Espírito Santo”. Este curso é recomendado para um estudo mais detalhado do Espírito Santo.

 

PERSONALIDADE DO ESPÍRITO SANTO:

 

A Bíblia revela que o Espírito Santo:

 

Tem uma mente:

 

“E aquele que sonda os corações sabe qual é a mente do Espírito, porque segundo a vontade de Deus é que ele intercede pelos santos” (Romanos 8.27).

 

Esquadrinha a mente humana:

 

“Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito; porque o Espírito a todas as coisas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus” (1 Coríntios 2.10).

 

Tem Vontade:

 

“Mas um só e o mesmo Espírito realiza todas estas coisas, distribuindo-as, como lhe apraz, a cada um, individualmente” (1 Coríntios 12.11).

 

A vontade do Espírito Santo guia os crentes ao negar-lhes a permissão para certas ações:

 

“E, percorrendo a região frígio-gálata, tendo sido impedidos pelo Espírito Santo de pregar a palavra na Ásia, defrontando Mísia, tentavam ir para Bitínia, mas o Espírito de Jesus não o permitiu” (Atos 16.6-7).

 

A vontade do Espírito Santo também guia aos crentes ao conceder-lhes permissão:

 

“Assim que teve a visão, imediatamente, procuramos partir para aquele destino, concluindo que Deus nos havia chamado para lhes anunciar o evangelho” (Atos 16.10).

 

Fala:

 

“Então, disse o Espírito a Filipe: Aproxima-te desse carro e acompanha-o” (Atos 8.29).

 

Ama:

 

“Rogo-vos, pois, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo e também pelo amor do Espírito, que luteis juntamente comigo nas orações a Deus a meu favor” (Romanos 15.30).

Intercede:

 

O Espírito Santo intercede (ora a Deus) em favor dos crentes:

 

“Também o Espírito, semelhantemente, nos assiste em nossa fraqueza; porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós sobremaneira, com gemidos inexprimíveis” (Romanos 8.26).

 

Desta lista de características da personalidade você pode imediatamente reconhecer importantes funções do Espírito Santo na guerra espiritual. O Espírito Santo guia a sua guerra. Revela as coisas espirituais que não podem ser conhecidas naturalmente.

 

O Espírito Santo fala a vontade e as palavras de Deus para você. Também intercede por você quando em batalhas espirituais.

 

O BATISMO NO ESPÍRITO SANTO:

 

Existe uma experiência espiritual chamada de “o batismo no Espírito Santo” o qual envolve o sinal de falar em línguas (Atos 2) e a evidência do poder necessário para tornar-se uma efetiva testemunha do evangelho (Atos 1.8).

 

Para travar a guerra espiritual efetiva, é importante que você experimente o batismo no Espírito Santo. Esta é uma fonte de poder para as batalhas espirituais. O batismo no Espírito Santo é discutido no curso “O Ministério do Espírito Santo”.

 

DONS DO ESPÍRITO SANTO:

 

O Espírito Santo dá dons espirituais especiais aos crentes. Estes dons espirituais são abordados em detalhe no curso sobre o Espírito Santo.

 

 

As principais referências que listam os dons do Espírito Santo são:

 

q  Romanos 12.1-8

q  1 Coríntios 12.1-31

q  Efésios 4.1-16

q  1 Pedro 4.7-11

 

Os dons do Espírito Santo são necessários para equipar aos crentes para o combate com as forças do mal.

 

Os dons do Espírito Santo incluem os seguintes:

 

q  Dons especiais para equipar o povo de Deus:

 

q  Apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres.

 

q  Dons verbais para explicar a verdade de Deus:

 

q  Profecia, ensino, exortação, palavra de sabedoria, palavra de conhecimento.

 

q  Dons de serviço para a obra de Deus:

Ministério de ajuda, liderança, administração, contribuição, misericórdia, discernimento de espíritos, fé, hospitalidade.

 

q  Dons de sinais para estabelecer a autoridade de Deus: Línguas, interpretação, milagres, curas.

 

FRUTO DO ESPÍRITO SANTO:

 

O Espírito Santo também desenvolve o fruto espiritual na vida dos crentes. O “Fruto do Espírito Santo” se refere à natureza do Espírito revelada na vida do crente. São qualidades espirituais que devem ser evidentes nas vidas de todos os cristãos. Os dons do Espírito Santo são para poder. O fruto do Espírito Santo é para o caráter na vida do crente. Se você não desenvolve os traços do caráter de Cristo  então  você  se tornará vítima  das  forças do  mal.  O  fruto espiritual é evidência de maturidade espiritual. Como o fruto no mundo natural, ele é um produto que resulta de um processo de vida.

 

Há dois tipos de fruto espiritual. Existe um fruto espiritual de reprodução:

 

“Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda”  (João 15.16).

 

Existe também um fruto interno de características de Cristo. Estas qualidades são completamente opostas às da natureza carnal do homem:

“Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizade, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções” (Gálatas 5.19-20).

 

Ainda que o poder da carne tenha sido derrotado na cruz, como crente você só experimenta isso na medida em que você exerce fé na obra consumada de Jesus. Portanto, para ser efetivo em negar o pode da natureza pecaminosa da carne, é necessário desenvolver ou se “vestir” do fruto do Espírito Santo.

 

ONDE ESTÁ O ESPÍRITO SANTO:

 

Jesus prometeu a Seus seguidores que depois de Seu retorno ao céu, Ele enviaria o Espírito Santo a terra para consolá-los:

 

“E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós” (João 14.16-17).

 

Uma das funções principais do Espírito Santo é dirigir a atenção a Jesus Cristo:

 

“Quando, porém, vier o Consolador, que eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que dele procede, esse dará testemunho de mim” (João 15.26).

 

Deus o Espírito Santo, em forma espiritual e invisível para os olhos naturais do homem, está no mundo hoje. Está ativo convencendo os homens de pecado, atraindo os homens a Jesus Cristo, equipando os crentes com poder para a guerra espiritual, guiando-os e testificando de Jesus.

 

O Espírito Santo ministra de muitas outras formas no mundo. Estas são tratadas em detalhes no curso de o Instituto Tempo de Colheita chamado “Ministério do Espírito Santo”.

 

A SENSIBILIDADE DO ESPÍRITO SANTO:

 

O Espírito Santo tem uma natureza sensível. Isto significa que Ele tem sentimentos que podem ser afetados pelas ações do homem. Devido a esta natureza sensível do Espírito Santo a Bíblia nos adverte de que:

 

q  Não  devemos mentir ao Espírito Santo (Atos 5.3-4)

q  Resistir ao Espírito (Atos 7.51)

q  Apagar o Espírito (1 Tessalonicenses 5.19)

q  Entristecer o Espírito (Salmos 78.40 e Efésios 4.30)

q  Insultar o Espírito (Hebreus 6.4-6)

q  Blasfemar o Espírito (Mateus 12.32-32)

q  Rebelar-se contra o Espírito Santo (Isaías 63.10)

 

Estas ações são discutidas em detalhe no curso do Instituto Tempo de Colheita intitulado “O Ministério do Espírito Santo”. É importante que você não ofenda a natureza sensível do Espírito Santo. Se o Espírito Santo é ofendido por suas ações, a presença Dele se retirará. Você não pode travar a guerra espiritual de maneira efetiva sem o poder do Espírito Santo.

 

TÍTULOS DO ESPÍRITO SANTO:

 

Há vários títulos usados na Bíblia para descrever o Espírito Santo. Um título é uma frase descritiva que explica a posição e/ou função de uma pessoa. É importante que você conheça a função do Espírito Santo na medida em que entra na guerra espiritual. Busque as seguintes referências em sua Bíblia para estudar os títulos dados ao Espírito Santo.

 

O Espírito Santo é chamado:

 

q  O Espírito de Deus - 1 Coríntios 3.16.

q  O Espírito de Cristo - Romanos 8.9.

q  Espírito Eterno - Hebreus 9.14.

q  Espírito da Verdade - João 16.13.

q  Espírito de Graça - Hebreus 10.29.

q  Espírito de Vida - Romanos 8.2.

q  Espírito de Glória - 1 Pedro 4.14.

q  Espírito de Sabedoria e Revelação - Efésios 1.17.

q  Consolador - João 14.26.

q  O Espírito da Promessa - Atos 1.4-5.

q  Espírito de Santidade - Romanos 1.4.

q  Espírito de Fé - 2 Coríntios 4.13.

q  Espírito de Adoção - Romanos 8.15.

 

SÍMBOLOS DO ESPÍRITO SANTO:

 

A Bíblia usa vários símbolos para representar o Espírito Santo. Um símbolo representa algo. É um símbolo que tem um significado especial. Busque as seguintes referências em sua Bíblia. Cada uma delas tem emblemas que representam o Espírito Santo:

 

q  Pomba: João 1.32; Cânticos dos Cânticos 6.9.

q  Azeite: Lucas 4.18, atos 10.38; Hebreus 1.9.

q  Água: João 7.37-39; Isaías 44.3.

q  Selo: Efésios 1.13; 4.30; 2 Coríntios 1.22.

q  Vento: João 3.8; Atos 2.1-2.

q  Fogo: Êxodo 3.2; 13.21; Levítico 9.24; Atos 2.3.

 

O significado de cada um destes símbolos do Espírito Santo é explicado no curso “O Ministério do Espírito Santo”.

 

RESUMO

 

Neste capítulo você aprendeu sobre a natureza trina de Deus e estudou sobre Deus o Pai, o Filho Jesus Cristo, e o Espírito Santo. Com suas funções combinadas no reino da guerra espiritual eles são uma poderosa força do bem no universo.

 

Porém, não é suficiente que as forças espirituais do bem existam. A Bíblia diz: “Crês, tu, que Deus é um só? Fazes bem. Até os demônios crêem e tremem” (Tiago 2.19).

 

As forças espirituais do mal creem em Deus e tremem, porém ainda assim elas são malignas. Crer simplesmente em Deus não é suficiente. Você deve reconhecê-lo como Senhor de sua vida. Você deve aceitar o sacrifício de Jesus Cristo pelo pecado, arrepender-se, pedir perdão e converter-se em uma nova criatura em Cristo. Você ainda não completou seu estudo das forças espirituais do bem. O próximo capítulo trata de uma poderosa hoste de seres espirituais conhecida como anjos e descreve sua função na guerra espiritual.

 

 

INSPEÇÃO

 

 

 

1. Escreva o versículo-chave das cláusulas de guerra.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

2. Enumere as forças espirituais do bem.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

3. Cite as três personalidades da trindade de Deus:

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

4. Resuma a função especial de Deus no reino da guerra espiritual.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

5. Resuma as funções de Jesus Cristo na guerra espiritual.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

6. Resuma as funções do Espírito Santo na guerra espiritual.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

As definições destes atributos, porém não se encontram na ordem correta.

 

Olhe cada um dos atributos na coluna um. Depois encontre a definição correta na coluna dois. Escreva o número da definição correta no espaço em branco proporcionado. A primeira está feita como um exemplo para seguir.

 

Coluna Um                                                 Coluna Dois

1. ___H___ Eterno                               a) Sem carne nem sangue.

2. _______ Soberano                           b) Presente em todas as partes.

3. _______ Onipresente                       c) Bom, bondoso.

4. _______ Santo                                 d) Excelso, poder supremo.

5. _______ Infinito                                e) Todo-poderoso

6. _______ Imutável                              f) Conhece todas as coisas

7. _______ Benevolente                       g) Sem pecado

8. _______ Espírito                               h) Sem princípio nem fim

9. _______ Onisciente                           i) Sem mudança

10. ______ Onipotente                           j) Correto e imparcial em juízo

11. ______ Justo                                        l) Mostra  misericórdia aos pecadores

12. ______ Misericordioso                     m) Não sujeito à s l imitações naturais

 

8. Qual é o nome de Deus para ser usado na guerra espiritual?

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MANOBRAS TÁTICAS

 

1.         Se você está estudando os cursos do Instituto Tempo de Colheita em sua ordem sugerida, você estudará o “Ministério do Espírito Santo” depois da conclusão deste curso. O primeiro capítulo do “Ministério do Espírito Santo” inclui diretrizes para estudos adicionais sobre Deus o Pai e Jesus Cristo, Seu Filho. Se você não está matriculado no programa completo do Instituto, sugerimos que você obtenha o curso intitulado “O Ministério do Espírito Santo” ao concluir este curso.

2.         Estudos adicionais sobre a vida, ministério e ensinos de Jesus Cristo são proporcionados nos cursos do Instituto Tempo de Colheita intitulados “Vivendo no Reino” e “Táticas de Ensino”.

3.         Você está atualmente em uma batalha espiritual? Enquanto você ora por seus problemas, clame pelo nome do Senhor dos Exércitos.

4.         Pense em uma batalha que você está atualmente enfrentando e estude novamente as funções de Deus o Pai, Jesus Cristo, e o Espírito Santo na guerra. Como Deus pode ajudá-lo em sua batalha pessoal? Como Jesus pode ajudá-lo? Qual é a função do Espírito Santo no problema que você está enfrentando?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Capítulo Quatro

 

AS ESPIRITUAIS DO BEM: ANJOS

 

 

OBJETIVOS:

 

Ao concluir este capítulo você será capaz de:

 

q  Escrever o versículo-chave de memória.

q  Proporcionar uma referência que explique o que os anjos são.

q  Contar como se originaram os anjos.

q  Identificar os dois tipos de anjos.

q  Identificar sua esfera de atividade.

q  Resumir o ministério dos anjos na guerra espiritual.

q  Identificar atributos dos anjos.

q  Dar uma referência bíblica que explique a organização das hostes angelicais.

 

VERSÍCULO-CHAVE DAS CLÁUSULAS DE GUERRA:

 

“O anjo do SENHOR acampa-se ao redor dos que o temem e os livra” (Salmos 34.7).

 

INTRODUÇÃO

 

No último capítulo você aprendeu sobre a trindade que inclui Deus o Pai, Deus o Filho - Jesus Cristo - e Deus, o Espírito Santo. Você aprendeu sobre sua origem, atributos, e funções na guerra espiritual. Este capítulo continua o estudo das forças espirituais do bem. Explica a origem, os atributos, esfera de atividade, classificação e organização dos anjos, também explica seu ministério na guerra espiritual.

 

QUEM SÃO OS ANJOS?

 

Os anjos são espíritos ministradores enviados por Deus para fazer Sua vontade:

 

“Não são todos eles espíritos ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?” (Hebreus 1.14).

 

O título anjo significa “mensageiro”.

 

A ORIGEM DOS ANJOS

 

Os anjos foram criados por Deus:

 

“Louvai-o, todos os seus anjos; louvai-o, todas as suas legiões celestes... Louvem o nome do SENHOR, pois mandou ele, e foram criados” (Salmos 148.2, 5).

“Pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele” (Colossenses 1.16).

 

Todos os anjos eram justos e santos quando foram originalmente criados. Eles adoravam e serviam ao único Deus verdadeiro. Depois, alguns anjos se rebelaram contra Deus e perderam sua posição como anjos. Eles se converteram em uma força do mal chamado de “demônios”.

 

Existem agora duas classes de anjos: anjos bons, que são o tema deste capítulo, e os anjos malignos (demônios) os quais serão tratados no capítulo seis deste curso.

 

A ORGANIZAÇÃO DOS ANJOS

 

Os anjos do bem têm sido organizados por Deus em uma ordem especial. A Bíblia não revela os detalhes dessa ordem, porém indica essa organização:

 

“Pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele” (Colossenses 1.16. Ver também Efésios 3.10).

 

A organização do mundo invisível é descrita aqui em termos de tronos, domínios, principados e potestades. Não nos são dados detalhes desta estrutura. Você aprenderá depois como Satanás tem imitado esta organização em sua própria estrutura de forças malignas

 

A CLASSIFICAÇÃO DOS ANJOS

 

Existem literalmente multidões de anjos (Lucas 2.13-15) os quais são aparentemente classificados conforme os deveres que cumprem. Estas são as principais classificações de anjos:

 

MENSAGEIROS:

 

Este tipo de anjo é provavelmente maior número. Estes são os que compõem o grupo inumerável visualizado por Daniel (Daniel 7.10), que levam adiante a vontade de Deus no céu e na terra. Este é o grupo que normalmente se relaciona com o crente em termos da guerra espiritual. Eles interpretam a vontade de Deus, protegem, proporciona direção, traz respostas à oração, anunciam, advertem, instruem, levam juízo, animam, sustentam, libertam e intercedem a favor dos crentes.

 

ANJOS ELEITOS:

 

Somente uma referência é dada para os anjos eleitos em 1 Timóteo 5.21. Não existe informação adicional dada sobre este grupo.

 

 

QUERUBINS:

 

Esta classe de anjos aparece pela primeira vez em Gênesis 3.24. São também mencionados como parte da arca da aliança (Êxodo 25.18-22). Ezequiel menciona estes seres e os descreve como tendo quatro aparências: rosto de leão, de boi, de homem e de águia (Ezequiel 1:3-28; 10.22). O simbolismo do querubim sugere que eles são seres viventes que rodeiam o trono de Deus em Apocalipse 4.6. Parecem que eles são a ordem mais alta dos anjos, os guardiões de Deus.

 

SERAFINS:

 

Este grupo é mencionado em Isaías 6.2, 6. Sua posição é por cima do trono de Deus em contraste com a posição dos querubins que rodeiam Seu trono. O dever destes anjos parecem ser liderar a adoração a Deus no céu.

 

SERES VIVENTES:

 

Este grupo de anjos é mencionado em Apocalipse 4.6, 8; 5.6. Este título apresenta estes anjos como manifestando a plenitude da vida divina, cujo ministério principal parece ser à adoração a Deus.

 

ANJOS INDIVIDUAIS:

 

Em adição às diferentes classificações de anjos, existem alguns anjos individuais mencionados por seu nome na Bíblia:

 

MIGUEL:

 

Miguel, o arcanjo, é mencionado por seu nome em Daniel 10.13, 21; 12.1; Judas 9; e Apocalipse 12.7. Ele é o único anjo chamado de arcanjo. É apresentado como tendo comando sobre um exército de anjos em Apocalipse 12.7 e é dito que ele é o príncipe do povo de Israel em Daniel 10.13, 21; 12.1.

 

GABRIEL:

 

O significado de seu nome é “poderoso”. É mencionado em Daniel 8.16, 9.21, e em Lucas 1.19, 26. Ele sempre é comissionado para entregar uma mensagem importante da parte de Deus. Foi Gabriel quem interpretou a visão de Daniel em 8.16 e 9.21, e quem anunciou o nascimento de João e o de Jesus em Lucas 1.19, 26.

 

GRUPOS ESPECIAIS DE ANJOS:

 

A Bíblia menciona grupos especiais de anjos além desses acima, que incluem:

 

q  Anjos das sete igrejas: Apocalipse 1.20.

q  Quatro anjos que controlam os ventos: Apocalipse 1.7.

q  Sete anjos que estão diante de Deus: Apocalipse 8.2.

q  Sete anjos que administram as sete últimas pragas: Apocalipse 15.1, 7.

q  24 anciãos (estes podem ser seres angelicais): Apocalipse 4 e 5.

 

OS ATRIBUTOS DOS ANJOS

 

Você recordará do capítulo anterior que os atributos são características da personalidade ou as características de um indivíduo. Os anjos:

 

q  São espíritos: Hebreus 1.14.

q  Não possuem sexo: Lucas 20.34-36.

q  São imortais: Mateus 22.28-30.

q  Possuem tanto formas visíveis como invisíveis: Números 22.22-35.

q  Aparecem com a semelhança da forma humana: Gênesis 19.1-22; 18.2, 4, 8.

q  Possuem emoções: Lucas 15.1-10 (anjos se alegrando).

q  Possuem apetite: Gênesis 18.8.

q  São seres glorificados: Lucas 9.26.

q  São inteligentes: 2 Samuel 14.20.

q  São dóceis: Judas 9.

q  São poderosos: Salmos 103.20; 2 Pedro 2.11.

q  Não têm necessidade de descansar: Apocalipse 4.8.

q  Viajam a velocidades incríveis: Apocalipse 8.13; 9.1.

q  Falam em idiomas: 1 Coríntios 13.1.

q  São inumeráveis: Lucas 2.13; Hebreus 12.22; Salmos 68.17; Marcos 1.13; Apocalipse 5.19.

q  São imortais: Lucas 20.34-36.

q  Não se casam e nem têm filhos: Lucas 20.34-26.

q  São obedientes: Salmos 103.20.

q  São santos: Apocalipse 14.10; Marcos 8.38.

q  São reverentes: sua atividade mais importante é adorar a Deus: Neemias 9.6; Filipenses 2.9-11; Hebreus 1.6.

 

SUA ESFERA DE ATIVIDADE

 

Os anjos são ativos tanto no céu como na terra. A fonte de seu poder está garantida por Deus e governada por Ele. Ele tem acesso à presença de Deus no céu:

 

“Vede, não desprezeis a qualquer destes pequeninos; porque eu vos afirmo que os seus anjos nos céus vêem incessantemente a face de m eu Pai celeste” (Mateus 18.10).

 

Também são ativos na aterra. Isto está documentado pelos variados ministérios e aparições de anjos a pessoas que estão registrados na Bíblia.

 

O MINISTÉRIO DOS ANJOS

 

Os anjos ministram em muitas formas tanto no céu como na terra. Busque cada uma das seguintes referências em sua Bíblia. Na medida em que você estuda estes versículos você entenderá a importância dos anjos na guerra espiritual.

 

O MINISTÉRIO DOS ANJOS NO CÉU INCLUI:

 

q  Adoração: Apocalipse 4.8; 5.11; Isaías 6:3; Salmos 103:20; 148:1-2

q  Permanecer prontos para fazer a vontade de Deus: Salmos 103:20-21

q  Ministrar aos santos que morrem em Cristo Jesus: Judas 9: Lucas 16:22

q  Representar as crianças de uma maneira especial: Mateus 18:10

q  Regozijar-se por aqueles que aceitam o evangelho: Lucas 15:10

 

O MINISTÉRIO DOS ANJOS NA TERRA INCLUI:

 

q  Governar nações: Daniel 10.

q  Ministrar aos crentes nas tentações: Mateus 4.11

q  Fortalecer aos crentes: Lucas 22.43

q  Interpretar a vontade de Deus para os homens: Zacarias 1.9; Daniel 7.16.

q  Guiar aos crentes: Atos 8.26

q  Trazer juízo sobre indivíduos ou nações: Atos 12.23; Gênesis 19.3; 2 Samuel 24.16: Apocalipse 16:1.

q  Trazer respostas à oração: Daniel 9.21-22

q  Anunciar: Lucas 1.11-20; Mateus 1.20, 21.

q  Advertir: Mateus 2.13.

q  Instruir: Mateus 28.2-6; Atos 10.3-6; Daniel 4.13-17.

q  Animar: Atos 27.23; Gênesis 28.12.

q  Revelar: Atos 7.53; Gálatas 3.19; Hebreus 2.2; Daniel 9.21-27; Apocalipse 1.1.

q  Sustentar: Mateus 4.11; Lucas 22.43.

q  Preservar: Gênesis 16.7; 24.7; Êxodo 23.20; Apocalipse 7.1.

q  Proteger: Salmos 91.11

q  Libertar: Números 20.16; Salmos 34.7; Isaías 63.9; Daniel 3.28; 6.22; Gênesis 48.16; Mateus 26.53; Atos 12.1-19

q  Destruir: Atos 12.20-23

q  Interceder: Zacarias 1.12; Apocalipse 8.3, 4.

 

AS ATIVIDADES FUTURAS DOS ANJOS INCLUIRÃO:

 

q  Participar da vinda de Jesus: 1 Tessalonicenses 4.16

q  Reunir os escolhidos: Mateus 24.31

q  Advertir e pregar durante a tribulação: Apocalipse 14.6-9

q  Separar aos justos dos injustos: Mateus 13.39 e 49

q  Atar a Satanás: Apocalipse 20

 

OS ANJOS E A GUERRA ESPIRITUAL

 

Os anjos mensageiros são os que usualmente se relacionam com o crente em termos da guerra espiritual. Eles interpretam a vontade de Deus, protegem, proveem direção, trazem respostas às orações, anunciam, advertem, instruem, trazem juízo, animam, sustentam, libertam e intercedem a favor dos crentes na batalha. Muitos crentes não têm se aproveitado da ajuda disponível da parte dos anjos porque não têm sido ensinados com relação a sua função na guerra espiritual.

Eles são “espíritos ministradores” e podem ministrar para você assim como por você. Você pode pedir a Deus que envie anjos para ajudá-lo na batalha. O Rei Davi fez isso. Ele orou...

 

“Sejam como a palha ao léu do vento, impelindo-os o anjo do SENHOR. Torne-se-lhes o  caminho tenebroso e escorregadio, e o anjo do SENHOR os persiga” (Salmos 35.5-6).

 

Leia os seguintes registros bíblicos da participação dos anjos na guerra conta o inimigo: 2 Reis 19.35; 2 Crônicas 32.21; Isaías 37.36; Apocalipse 12.7.

 

ADVERTÊNCIAS IMPORTANTES

 

Os anjos são seres santos com importantes ministérios a favor dos crentes. Eles são parte das forças espirituais do bem assim como a Trindade de Deus. Mas a Bíblia nos dá algumas advertências com respeito aos anjos:

 

NÃO ADORÁ-LOS:

 

Você não deve adorar aos anjos:

 

“Ninguém se faça árbitro contra vós outros, pretextando humildade e culto dos anjos, baseando-se em visões, enfatuado, sem motivo algum, na sua mente carnal” (Colossenses 2.18).

 

“Eu, João, sou quem ouviu e viu estas coisas. E, quando as ouvi e vi, prostrei-me ante os pés do anjo que me mostrou essas coisas, para adorá-lo. Então, ele me disse: Vê, não faças isso; eu sou conservo teu, dos teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus” (Apocalipse 22.8-9).

 

REJEITAR OS ANJOS QUE PREGAM “OUTRO EVANGELHO”:

 

Algumas pessoas têm declarado que já viram anjos que lhe deram “novas revelações”, contrárias à Palavra escrita de Deus. Movimentos religiosos inteiros têm sido fundados com base em tais revelações falsas. A Bíblia adverte:

 

“Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema” (Gálatas 1.8).

 

Você não tem que escutar um homem, um anjo ou qualquer outro ser que lhe guie em sentido contrário à Palavra de Deus. Como você aprenderá logo neste curso, uma das principais estratégias de Satanás é o engano. A Bíblia adverte:

 

“E não é de admirar, porque o próprio Satanás se transforma em anjo de luz” (2 Coríntios 11.14).

 

 

 

 

NÃO PROVOCAR OS ANJOS:

 

 Leia a história de Balaão em Números 22, um profeta que atuou em desobediência a Deus. Você notará que o anjo do Senhor se opôs a ele. Quando você é desobediente a Deus, os anjos podem se opuser a você. Você está pelejando na luta, mas não será guerra contra o inimigo. Seja cuidadoso para não provocar os anjos de Deus (Eclesiastes 5.1-6).

 

INSPEÇÃO

 

1. Escreva o versículo-chave das cláusulas de guerra.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________

 

2. Anjos ministram tanto _________________________ como _______________________.

 

3. Como surgiram os anjos?

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

4. Resuma o ministério dos anjos com respeito à guerra espiritual.           

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

5. Enumere tantos atributos dos anjos quanto você possa se recordar dos que foram citados neste capítulo.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

6. Dê uma referência bíblica que explique o que são os anjos.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

7. Esta declaração é verdadeira ou falsa? “Você não tem que adorar aos anjos”.

A declaração é _______________

 

8. Esta declaração é verdadeira ou falsa? “Se um anjo aparece e revela algo que não está de acordo com a Palavra escrita de Deus, você deve escutá-lo porque é um mensageiro direto do Senhor”. A declaração é _________________

 

9. Use as palavras abaixo para completar os parágrafos. Use cada palavra somente uma vez. (Mensageiros, Anjos escolhidos, Querubins, Serafins, Seres viventes)

 

_____________________________ Somente uma referência é feita com respeito a este grupo de anjos (1 Timóteo 5.21). Na Bíblia não se dá nenhuma informação adicional sobre este grupo.

_____________________________ Este grupo de anjos é mais ativo em termos da guerra espiritual e provavelmente constitui o de maior número.

 

_____________________________ Este grupo de anjos parece ser o de maior ordem, guardiões de Deus. Rodeiam o trono de Deus.

 

______________________________ Seu ministério principal é adorar a Deus.

 

______________________________ Sua posição é por cima do trono de Deus. Guiam o céu na adoração a Deus.

 

10. Existem dois tipos de anjos. Estes são os anjos ________________________e os anjos ________________________ que são chamados de demônios.

 

11. Que versículo revela que Deus tem uma organização de várias classes de anjos?

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

MANOBRAS TÁTICAS

 

1.         Use o seguinte guia para estudar adicionalmente sobre os anjos:

 

Os anjos no Antigo Testamento:

 

Resgataram Hagar: Gênesis 16.7-12

Anunciaram o nascimento de Isaque: Gênesis 18.1-15

Anunciaram a destruição de Sodoma: Gênesis 18.16-33.

Destruíram Sodoma e resgataram a Ló: Gênesis 22.11-12.

Evitaram o sacrifício de Isaque: Gênesis 22.11-12.

Guardaram a Jacó: Gênesis 28.12; 31.11; 32.1; 48.16.

Comissionaram a Moisés: Êxodo 3.2.

Guiaram a Israel: Êxodo 14.19; 23.20-23; 32.34.

Arranjaram o matrimonio de Isaque e Rebeca: Gênesis 24.7.

Entregaram a Lei: Atos 7.38; Gálatas 3,19; Hebreus 2.2.

Repreenderam a Balaão: Números 22.31-35.

Apareceram a Josué: Josué 5.13-15.

Repreenderam a Israel pela Idolatria: Juízes 2.1-5.

Comissionaram Gideão: Juízes 6.11-40.

Anunciaram o nascimento de Sansão: Juízes 13.

Castigaram a Israel: 1 Reis 19.5-8.

Resgataram a Elias: 1 Reis 19.5-8.

Rodearam a Eliseu: 2 Reis 6.14-17.

Salvaram Daniel dos leões: Daniel 6.22.

Conquistaram o exército Assírio: 2 Reis 19.35 e Isaías 37.36.

Acampam ao redor do povo de Deus: Salmos 34.7; 91.11.

Mencionados frequentemente como mensageiros aos profetas da parte de Deus.

 

ANJOS NA VIDA DE JESUS:

 

Anunciaram o nascimento de João: Lucas 1.11-17.

Deram-lhe o nome: Lucas 1.13.

Anunciaram o nascimento de Jesus a Maria: Lucas 1.26-37

Anunciaram o nascimento de Jesus a José: Mateus 1.20-21

Anunciaram o nome de Jesus: Mateus 1.21

Anunciaram o nascimento de Jesus aos pastores: Lucas 2.8-15

Cantaram: Lucas 2.13-14

Dirigiram a fuga ao Egito: Mateus 2.13, 20

Ministraram a Jesus durante a tentação: Mateus 4.11

Vieram a Jesus no Getsêmani: Lucas 22.43

Retiraram a pedra de Seu túmulo: Mateus 28.2

Anunciaram Sua ressurreição: Mateus 28.5-7

Apresentaram a Maria Madalena: João 20.11-14

Subir e descer sobre o Filho do Homem: João 1.51

Poderia ter doze legiões de anjos: Mateus 26.53

Os anjos virão com Ele quando Jesus retornar a terra: Mateus 25.31; 16.27; Marcos 8.38; Lucas 9.26.

Anjos serão os ceifeiros: Mateus 13.39

Reunirão os escolhidos: Mateus 24.31

Dividirão os justos dos injustos: Mateus 13.41,49

Levaram o mendigo a Abrão: Lucas 16.22

Regozijam-se pelos pecadores que se arrependem: Lucas 15.10.

Representam as crianças pequenas: Mateus 18.10

Confessará a Seu povo diante dos anjos: Lucas 12.8.

Não têm sexo nem podem morrer: Lucas 20.35-36

O diabo tem anjos malvados: Mateus 25.41

 

ANJOS NO LIVRO DE ATOS:

 

Abriram a porta da prisão: 5.19

Dirigiram Felipe ao etíope: 8.26

Levaram Cornélio a buscar por Pedro: capítulo 10

Libertaram Pedro da prisão: 12.7-19

Infligiram a morte a Herodes: 12.23

Com Paulo durante a tormenta: 27.23

Também mencionados em: 6.15; 7.30, 35,38, 53; 11.13; 23.8-9

 

ANJOS NAS EPÍSTOLAS:

 

Anjos escolhidos: 1 Timóteo 5.21

Inumeráveis: Hebreus 12.22

Ministram aos herdeiros da salvação: Hebreus 1.13-14

Regressarão com Jesus: 2 Tessalonicenses 1.7

Não devemos adorar aos anjos: Colossenses 2.18

ANJOS NO LIVRO DE APOCALIPSE:

 

Ditaram o livro a João: 1.1-2; 22.16

Presidem as sete igrejas: capítulos 1-2

Interessados no livro selado: 5.2

Cantaram louvores ao Cordeiro: 5.11-12

Foi dado a eles poder especial sobre a terra: 7.1-4

Selaram os escolhidos: 7.1-4

Prostram-se diante de Deus: 7.11

Usados para responder orações dos santos: 8.3-5

Soaram as sete trombetas: 8.6

Governam o exército de gafanhotos: 9.11

Liberaram os 200 milhões das tropas da cavalaria: 9.15-16

Anunciaram o fim do tempo: 10.1, 2, 6

Combateram o dragão e seus anjos: 12.7

Proclamaram o evangelho às nações: 14.6

Proclamaram a queda da Babilônia: 14.8; 18.2

Proclamaram o juízo dos seguidores da besta: 14.9-10

Anunciaram a colheita da terra: 14.15-18

Têm as últimas sete pragas: 15.1

Anunciaram o juízo a Babilônia: 17.1, 5

Participaram na destruição de Babilônia: 18.21

Mostraram a João a Nova Jerusalém: 21.9

Proibiu João de adorá-lo: 22.8-9

 

2. Estude a aparição do anjo em Juízes 13. Leve em conta que o anjo regressa ao céu através da adoração, a qual aparentemente abre o caminho através da “atmosfera satânica” ao nosso redor para permitir aos anjos operar em nosso favor. Reveja a história de Daniel e considere que o obstáculo do príncipe da Pérsia (um poder satânico) foi quebrado pela oração e jejum.

 

3. Não há apoio bíblico para quem um crente possa ordenar a seu anjo a fazer o que ele deseja, mas pode-se pedir a Deus que os envie em seu favor. Pense em uma batalha que você esteja enfrentando e peça a Deus que envie Seus “espíritos ministradores” para operar nessa situação.

 

4.Leia os Salmos 78.36, 40 e Eclesiastes 5.6. Israel tinha um anjo especial velando pelo povo até que eles O provocaram no deserto. Se Deus envia um anjo para ajudá-lo e você o provoca por meio do pecado ou incredulidade, ele pode se afastar de você. É bom prestar atenção ao que dito em Êxodo 23.20-22. Você pode inclusive receber um anjo e não estar consciente disso... Olhe em Hebreus 13.2.

 

 

 

 

 

 

 

 

CAPÍTULO CINCO

 

O INIMIGO: SATANÁS

 

OBJETIVOS:

 

Ao concluir este capítulo você será capaz de:

 

q  Escrever o versículo-chave de memória.

q  Identificar a Satanás como seu inimigo espiritual.

q  Explicar como Satanás se originou.

q  Descrever a posição anterior de Satanás.

q  Explicar como Satanás caiu de sua posição anterior.

q  Identificar os resultados do pecado de Satanás.

q  Enumerar os atributos de sua natureza.

q  Identificar sua esfera de atividade.

q  Resumir as atividades de Satanás.

 

VERSÍCULO-CHAVE DAS CLÁUSULAS DE GUERRA:

 

“Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” (1 Pedro 5.8).

 

INTRODUÇÃO

 

Nos capítulos anteriores você aprendeu sobre uma guerra invisível e que está comprometido nesta guerra. Estas incluem a Deus o Pai, o Filho, o Espírito e os anjos.

 

Este capítulo apresenta seu inimigo espiritual, uma força espiritual poderosa do mal conhecido como Satanás. Você aprenderá sobre sua origem, sua posição anterior, como caiu dela, e daqueles que ele levou juntamente com ele em sua queda. Você aprenderá sobre os atributos de sua natureza, sua esfera de atividade, e receberás uma introdução a suas estratégias. Nos seguintes dois capítulos você continuará estudando sobre as forças espirituais do mal ao aprender dos demônios, o mundo e a carne.

 

Na guerra em o mundo natural, um soldado deve primeiro identificar a seu inimigo antes de entrar no campo de batalha. Você deve estudar toda a informação que esteja disponível sobre seu inimigo, sua natureza, e estratégias. Esta é a razão pela qual as forças militares passam muito tempo reunindo informação da inteligência sobre o inimigo.

 

O mesmo é verdade no mundo espiritual. Você só pode batalhar efetivamente se você identificar a seu inimigo, entender a sua natureza e reconhece suas estratégias. Como você aprendeu, as forças espirituais que você enfrenta não são da carne. São espirituais do mal.

 

 

A ORIGEM DE SATANÁS

 

Satanás foi originalmente criado por Deus:

 

“Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez” (João 1.3). “Pois, nele, foram criadas   as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele” (Colossenses 1.16).

 

Deus não criou o mal. Satanás era perfeito quando foi originalmente criado por Deus, porém ele recebeu uma vontade livre para escolher o bem e o mal:

 

“Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado até que se achou iniquidade em ti” (Ezequiel 28.15).

 

A POSIÇÃO ANTERIOR DE SATANÁS

 

A Bíblia descreve a posição original de Satanás em Ezequiel 28.12-17. Leia esta passagem em sua Bíblia antes de proceder com esta lição. Quando Satanás foi originalmente criado, ele era um anjo de Deus.

 

Era um integrante da classe dos querubins, santo, sábio, formoso e perfeito. Ele foi um líder entre os querubins e é chamado “guardião” ou querubim “protetor”. Seu nome original era Lúcifer, que significa “portador da luz” (Isaías 14.12). Ele foi ataviado com pedras preciosa engastadas em ouro (Ezequiel 28.13; Êxodo 28.11-15). A ele foi dada uma posição na montanha sagrada de Deus e aparentemente guiava a adoração (Ezequiel 28.13).

 

Quão brilhante e formoso quadro de Satanás em sua posição original é dado na Palavra de Deus. É descrito como uma pedra preciosa. Porém uma pedra não tem luz por si mesma. Não é formoso em quarto escuro. Sua beleza reside em sua habilidade para refletir a luz do exterior.

 

Quando Deus criou Lúcifer, Ele o fez com a capacidade de refletir a glória de Deus em um grau maior do que qualquer outro ser criado. Deus era a luz que fazia Lúcifer radiar de beleza.

 

A QUEDA DE SATANÁS

 

Porém Satanás não reteve sua gloriosa posição. A Bíblia descreve sua rebelião e queda:

 

“Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo. Contudo, serás precipitado para o reino dos mortos, no mais profundo do abismo” (Isaías 14.12-15).

“Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor; lancei-te por terra, diante dos reis te pus, para que te contemplem” (Ezequiel 28.17).

 

A queda de Satanás de sua posição angelical ocorreu por causa do orgulho e a rebelião demonstrada em cinco atitudes equivocadas. Satanás disse:

 

SUBIREI ao céu: deseja ocupar a morada de Deus, o céu, esperando um reconhecimento semelhante.

 

LEVANTAREI meu trono acima das estrelas (anjos) de Deus: Não somente deseja ocupar a morada de Deus, se não que também seu governo sobre as hostes angelicais.

 

ASSENTAR-ME-EI no monte da congregação: conforme a Isaías 2.2 e o Salmo 48.2, este é o centro do governo terreno de Deus. Satanás deseja governar a terra igual aos anjos.

 

SUBIREI acima das altas nuvens: as nuvens nos falam da glória de Deus. Satanás queria a glória de Deus para si mesmo (os seguintes versículos documentam as nuvens em relação com a glória de Deus. Êxodo 13.21; 40.28-34; Jó 37.15-16; Mateus 26.64; Apocalipse 14.14-16).

 

SEREI semelhante ao Altíssimo: como aprendemos no capitulo três deste curso, Deus tem muitos nomes pelos quais Ele é chamado. Por que Satanás escolheu este nome em particular? Selecionou este título porque reflete a Deus como “possuidor do céu e da terra”.

 

RESULTADOS DO PECADO DE SATANÁS

 

Aqui estão os terríveis resultados do pecado de Satanás:

 

1.EXPULSÃO DO CÉU:

Por causa de sua rebelião, Satanás foi atirado do céu por Deus:

 

“... pelo que te lançarei, profanado, fora do monte de Deus. lancei-te por terra” (Ezequiel 28.16-17).

 

2.CORRUPÇÃO DE CARÁTER:

 

Lúcifer, uma vez criado para a glória de Deus, se tornou em Satanás com um caráter que se opunha a tudo o que Deus é e faz.

 

3. PERVERSÃO DE PODER:

 

O poder de Satanás foi uma vez usado para a glória de Deus. Agora ele tem se inclinado a propósitos desorganizados e destrutivos. De acordo com Isaías 14, ele debilita as nações (versículo 12), provoca a terra e os governos também (versículo 16), e aqueles tomados como prisioneiros não possuem alívio (versículo 17).

4. DESTINADO AO LAGO DE FOGO:

 

Satanás foi destinado ao lago de fogo (Isaías 14.15).

 

5.AFETOU A OUTROS ANJOS DE DEUS:

 

Quando Satanás caiu do céu não caiu sozinho. Levou consigo uma porção dos anjos do céu que participaram em sua rebelião contra Deus. Este grupo de anjos é parte agora de uma força do mal, os demônios, sobre os quais você estudará no capítulo seguinte.

 

6. ENTRADA DO PECADO NO UNIVERSO:

 

Quando Satanás se rebelou com o pecado no universo. Como resultado, havia duas ações que Deus poderia ter tomado:

 

A.        Poderia ter vencido e eliminado a Satanás. Porém, se Deus tivesse eliminado o primeiro inimigo desta maneira, poderia ter havido sempre a possibilidade de outra rebelião. A história do céu poderia ter sido perturbada sempre com estes desastres.

 

B.        . A outra ação aberta para Deus era aquele que a Bíblia indica que aconteceu. As aspirações de Satanás ao poder supremo teriam seu juízo completo sobre a terra no período da eternidade que chamam os tempos. Quando Deus criou o primeiro homem e a primeira mulher, o juízo sobre a terra começou. Você pode ler a história da tentação de Adão e Eva por Satanás e sua queda no pecado em Gênesis 3. Você estudará mais a respeito quando analisar as estratégias de Satanás depois neste curso.

 

A batalha ainda está em progresso sobre a terra. É sobre isso que trata a guerra espiritual. Satanás ainda está buscando poder, posição, adoração. Porém, como você aprenderá depois neste curso, ele já é um inimigo derrotado. Jesus venceu o poder de Satanás mediante Sua morte e ressurreição. O destino final de Satanás já está revelado na Bíblia.

 

ONDE ESTÁ SATANÁS?

 

Satanás, em forma de espírito, está presente no mundo:

 

“Então, perguntou o SENHOR a Satanás: Donde vens? Satanás respondeu ao SENHOR e disse: De rodear a terra e passear por ela” (Jó 1.7).

 

“Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” (1 Pedro 5.8).

 

Ainda que Satanás esteja presente no mundo, ele não é onipresente, o que significa que ele não pode estar em todos os lugares do mundo ao mesmo tempo como Deus pode fazê-lo. Esta é a razão pela qual ele emprega uma hoste de demônios para cumprir seus planos.

 

ATIVIDADES DE SATANÁS

 

Satanás tem acesso à presença de Deus e opera sobre a terra, incluindo o “ar” ou a região acima da terra:

 

“Num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, veio também Satanás entre eles. Então, perguntou o SENHOR a Satanás: Donde vens? Satanás respondeu ao SENHOR e disse: De rodear a terra e passear por ela” (Jó 1.6-7).

 

“Nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência” (Efésios 2.2).

 

Podemos resumir as atividades de Satanás assegurando que sempre elas são dirigidas contra Deus, Seu plano e Seu povo. Ele lhe atacará nas áreas de adoração a Deus, a Palavra de Deus, seu caminhar cristão, e seu trabalho para Deus. Mais atividades específicas serão abordadas em futuras lições.

 

OS ATRIBUTOS DE SATANÁS

 

Como você já aprendeu, Satanás é um espírito, porém também tem atributos de uma personalidade real. A Bíblia ensina que ele:

 

É INTELIGENTE E ASTUTO:

 

“Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também seja corrompida a vossa mente e se aparte da simplicidade e pureza devidas a Cristo” (2 Coríntios 11.3).

 

TEM EMOÇÕES:

 

“Irou-se o dragão contra a mulher e foi pelejar com os restantes da sua descendência, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus; e se pôs em pé sobre a areia do mar” (Apocalipse 12.17).

 

TEM VONTADE PRÓPRIA:

 

“Mas também o retorno à sensatez, livrando-se eles dos laços do diabo, tendo sido feitos cativos por ele para cumprirem a sua vontade” (2 Timóteo 2.26).

 

PODEROSO:

 

“Nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência” (Efésios 2.2).

 

 

ENGANOSO:

 

“Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo” (Efésios 6.11).

 

RUGE E É CRUEL:

 

“Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” (1 Pedro 5.8).

 

MENTIROSO:

 

“E não é de admirar, porque o próprio Satanás se transforma em anjo de luz” (2 Coríntios 11.14).

 

OS NOMES DE SATANÁS

 

A Bíblia dá muitos nomes ao diabo, nomes que revelam mais sobre a sua natureza e atividades. Como você aprendeu anteriormente, Satanás foi originalmente chamado de “querubim ungido” e “Lúcifer” antes de sua rebelião. Outros nomes de Satanás são:

 

Abadom: (palavra hebraica para “anjo da destruição”) - Apocalipse 9.11.

Acusador dos irmãos: Ap 12.10.

Anjo do abismo: Ap 9.11

Anjo de luz: 2 Co 11.4.

Apoliom: (palavra grega para “destruidor”) - Ap 9.11.

Belzebu: Mateus 12.24; Lucas 11.15; Marcos 3.22.

Belial: 2 Co 6.15.

Enganador: Apocalipse 12.9; 20.3.

Destruidor: Ap 9.11; 1 Co 10.10.

Diabo: (significa ‘caluniador’) - 1 Pedro 5.8; Mateus 4.1.

Dragão: Apocalipse 12.3.

Inimigo: Mateus 13.39.

Maligno: 1 João 5.19.

Deus deste mundo: 2 Co 4.4.

Rei de Tiro: Ezequiel 28.12-15.

Mentiroso - pai da mentira: João 8.44.

Assassino: João 8.44.

Príncipe dos demônios: Mateus 12.24.

Príncipe deste mundo: João 12.31; 14.30; 16.11.

Príncipe da potestade do ar: Efésios 2.2.

Satanás: (significa adversário, opositor) - João 13.27.

Serpente: Apocalipse 12.9; 2 Coríntios 1.3.

Tentador: Mateus 4.3; 1 Tessalonicenses 3.5.

Leão que ruge: 1 Pedro 5.8.

Governante das trevas: Efésios 6.12.

Espírito que opera nos filhos da desobediência: Efésios 2.2.

 

Você pode reconhecer o poder de Satanás a partir de seus atributos e nomes. Devido ao fato de ele ser um enganador e um poderoso inimigo, a Bíblia adverte:

 

“Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” (1 Pedro 5.8).

 

“Nem deis lugar ao diabo” (Efésios 4.27).

 

SATANÁS NÃO É...

 

Diferentemente de Deus, Satanás não é onisciente (conhecedor de todas as coisas). Se Satanás pudesse ver o futuro nunca ele teria permitido que Jesus morresse na cruz. Ele teria conhecido que a morte de Jesus derrotaria seu poder e proporcionaria uma via de escape do jugo do pecado para o ser humano.

 

Satanás não é onipotente (todo poderoso). Jesus disse que o poder de Deus dentro de você é maior do que o poder de Satanás. Para aqueles que crêem em Jesus, Satanás já é um inimigo derrotado (João 12.31). Ele é forte somente com aqueles que se rendem a ele. Seu poder está limitado ao poder de Deus (Jó 1.10-12) e só é capaz de vencer um crente na medida em que o cristão lhe dá o controle.

 

Visto que Satanás não é onipresente (presente em todas as partes), ele envia uma hoste de demônios por toda a terra, para fazer sua vontade e cumprir seus propósitos. Você aprenderá mais sobre eles no capítulo seguinte.

 

INSPEÇÃO

 

1. Escreva o versículo-chave das cláusulas de guerra.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

2. Como surgiu Satanás?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

3. Qual era sua posição anterior?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

4. O que causou a queda de Satanás?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

5. Quais foram os resultados do pecado de Satanás?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

6. Qual é a esfera de atividade de Satanás?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

7. Quais são as atividades gerais de Satanás?

_________________________________________________________________

_________________________________________________________________

 

8. Enumere tantos atributos de Satanás quantos você possa se recordar.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

 

MANOBRAS TÁTICAS

 

1.    Estude o registro bíblico das palavras de Satanás. Suas palavras servem como uma introdução adicional às suas estratégias: Gênesis 3.1, 4, 5; Jó 1.7-12; 2.1-6; Mateus 4.1-11; Lucas 4.1-13.

 

2.    Satanás é um oposto exato ao Espírito Santo. O Espírito foi enviado por Deus para aproximar os homens Dele. Satanás está comprometido em afastar os homens de Deus.

 

Espírito Santo                                  Satanás                         Referências

Espírito da Verdade                                   Espírito do erro                    1 Jo. 4.6

Verdadeiro                           Mentiroso João                    14.17; 8.44

Doador da vida                   Assassino                            1 Cor. 15.4; Jô. 8.44

Santo                                    Malvado                                Rom. 1.4; Mt. 6.13

Como pomba                       Serpente                  Mat. 3.16; Ap. 12.9

Ajudador                                           Adversário                            Rom. 8.26;1 Pe.. 5.8

Concede expressão                       Faz os homens se calar   Atos 2.4; Mar. 9.17

Advogado                                         Caluniador                           Jo. 14.16; Jó 1.9-11

Mais forte que Satanás                 Homem forte                        Lucas 11.21-22

 

Jesus disse que Satanás:

 

É um inimigo: Mateus 13.39.

É malvado: Mateus 13.38.

É o príncipe deste mundo: João 12.31; 14.30.

É um mentiroso e o pai da mentira: João 8.44.

É um assassino: João 8.44.

Caiu do céu: Lucas 10.18.

Tem um reino: Mateus 12.26.

Semeia o joio entre o trigo: Mateus 13.38-39.

Arrebata a Palavra de Deus dos ouvintes: Mateus 13.19; Marcos 4.15; Lucas 8.12.

Atou uma mulher durante 18 anos: Lucas 13.16.

Desejava ter a Pedro: Lucas 22.31.

Tem anjos: Mateus 25.41.

Está preparado para o fogo eterno: Mateus 25.41.

1.         Ao estudar esta lição sobre Satanás, você tem identificado áreas nas quais o inimigo está ativo em sua vida? Você tem enganado e mentido? Ele tem entrada sorrateiramente em sua vida para destruí-lo e roubar-lhe o gozo, a paz, ou seu testemunho cristão? É importante determinar isso, porque as áreas em que Satanás está ativo em sua vida são campos de batalha em que você aplicará as estratégias que aprenderá neste curso.

 

2.         Satanás é comparado a uma víbora ou serpente no mundo natural. Considere a aplicação espiritual dos seguintes princípios naturais:

           

O veneno das serpentes peçonhentas está dentro de três categorias:

 

1.    Neurotóxico: afeta os nervos.

2.    Hemotóxico: afetam o sangue.

3.    Cardiotóxico: afetam o coração.

 

Satanás tenta afetar seus nervos (coragem), seu coração (ataca sua adoração e serviço a Deus), e trata de evitar a obra do sangue de Jesus (salvação, libertação, cura) em sua vida.

 

As serpentes se protegem mediante:

 

Disfarce: algumas serpentes são muito difíceis de ver porque parecem como o pó ou as árvores nas quais se encontram.

 

Imitação: algumas serpentes se protegem mediante a imitação. Um exemplo disso é a víbora de árvore africana que se “congela” e coloca seu corpo como o galho de uma árvore.

 

Tamanho: a víbora aspiradora se protege inflando-se para aumentar seu tamanho o quanto for possível.

 

Sons Atemorizantes: algumas serpentes sibilam ou chocalham, produzindo sons que assustam. Seu inimigo espiritual vem disfarçado como um “anjo de luz” e imita as coisas de Deus. Também trata de assustá-lo parecendo maior e mais ameaçador do que realmente é.

 

As serpentes capturam sua comida de quatro maneiras diferentes:

 

q  Golpe: um ataque rápido.

q  Contração: quando a serpente se envolve ao redor do objetivo e lentamente exprime sua vida.

q  Lançando peso sobre a presa para vencê-la.

q  Mordendo e mantendo a presa em seus caninos enquanto o veneno a paralisa.

 

 Algumas vezes os dentes da serpente se quebram na batalha, porém as serpentes estão constantemente desenvolvendo novos dentes. A parte mais perigosa da serpente é sua boca. Possui veneno suficiente para paralisar e depois devorar a sua presa.

Você vê como estes métodos são paralelos àqueles usados nos ataques de Satanás? Às vezes ataca com golpes rápidos e mortais. Outras vezes oprime sua vida espiritual com as preocupações do mundo e enredos pecaminosos. Sempre está tratando de “lançar peso” para lhe atemorizar e adora mantê-lo sob jugo enquanto lhe paralisa com seu veneno.

 

As serpentes localizam sua presa colocando pó sobre sua língua, que leva informação ao cérebro. Se você permanecer tranquilo, uma serpente não pode localizá-lo. Satanás lhe vê melhor quando o pó se revolve e você está correndo em confusão e temor. Quando o pó se assenta e você se levanta contra ele sem temor, assim como a serpente, ele não pode golpear-lhe. Esta é a razão pela qual a Bíblia diz “permanecei firmes”, “permaneçam de pé”.

 

Em uma situação de pânico, uma serpente disparará todo o seu veneno de uma vez, ficando indefesa por um tempo até produzir mais veneno. É possível que isto seja o que ocorreu na tentação no deserto quando Jesus usou a Palavra de Deus contra os ataques de Satanás e o levou a “afastar-se por um tempo”.

 

Aqui estão algumas maneiras de evitar a picada de serpente no mundo natural. Considere que elas também são aplicáveis no mundo natural:

 

q  Reconhecer as serpentes venenosas (conhecer seu inimigo).

q  Usar roupa protetora (sua armadura espiritual).

q  Evitar o território das serpentes (não ir às áreas da tentação conhecida ou da atividade satânica).

q  Ter um amigo com você (isto ilustra a importância de ser parte do corpo de Cristo).

q  Evitar caminhar depois do anoitecer ou nas áreas escuras. As serpentes evitam a luz direta do sol (como crentes já não caminhamos como filhos da escuridão, se não como filhos da luz).

q  Não coloque suas mãos ou seus pés em lugares nos quais você não possa ver (guarda seus sentidos humanos).

q  Não se sente sem olhar ao seu redor cuidadosamente (alvos estáticos são mais fáceis de ferir do que alvos móveis).

q  Não saia de seu caminho para matar um a serpente. Milhares de pessoas são picadas a cada ano porque tentam matá-las sem conhecimento de seus hábitos ou habitat (temos de resistir ao inimigo quando o encontramos não andar buscando-o).

q  Saber o que fazer em caso de mordida (guerra defensiva).

q  Em caso de mordida, a primeira coisa que se faz no mundo natural é um corte em forma de cruz (+) sobre cada marca de picada e depois sugar o veneno. Que ilustração da obra da cruz de Jesus Cristo em libertar-nos do “veneno” do pecado.

 

Temos autoridade sobre as serpentes. Em Gênesis 3, Deus pronunciou uma maldição sobre a serpente (Satanás). Disse que sua cabeça seria ferida pela semente da mulher (Jesus) e que o calcanhar da semente (Jesus) seria ferido pela serpente.

 

A “ferida” no “calcanhar” de Jesus nos fala da pressão resultante de ferir a cabeça de Satanás na cruz do Calvário. Quando Jesus feriu a cabeça de Satanás, foi como pisar a cabeça da serpente venenosa no mundo natural. A cabeça de uma serpente pode ser separada de seu corpo, porém ela ainda pode morder horas após. O coração pode manter-se batendo por dois dias e o corpo da serpente pode continuar se movimentando.

 

Jesus separou a cabeça da “serpente” no Calvário, porém a serpente ainda tem vida. Ainda está ativa no mundo de hoje e ainda tem poder. Porém Satanás não tem autoridade. A única autoridade que tem em sua vida é a que você pode dar e o poder e a autoridade dentro de você (Jesus) é maior que seu poder

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CAPITULO SEIS

 

AS FORÇAS ESPIRITUAIS DO MAL:

 

OS DEMÔNIOS

 

 

OBJETIVOS:

 

Ao concluir este capítulo você será capaz de:

 

q  Escrever o versículo-chave de memória.

q  Mostrar a origem dos demônios.

q  Explicar sua posição original.

q  Identificar sua esfera de atividade.

q  Identificar os atributos dos demônios.

q  Explicar como as forças dos demônios estão organizadas.

 

VERSÍCULO-CHAVE DAS CLÁUSULAS DE GUERRA:

 

“Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios” (1 Timóteo 4.1).

 

INTRODUÇÃO

 

Nos capítulos anteriores você aprendeu sobre Satanás. Neste capítulo você aprenderá sobre as “tropas” conhecidas como demônios, que estão sob o comando de Satanás. Alguns ignoram o assunto dos demônios completamente. Outros têm um interesse compulsivo neles. Você não deve minimizar o poder dos espíritos demoníacos no mundo de hoje, porém, tampouco deve estar tão preocupado com eles que você veja demônios em todas as coisas que acontecem e em todos ao redor. Você deve ter livros seculares sobre tais poderes do mal. Suas únicas fontes de estudo nestas áreas devem ser a Palavra de Deus ou boa literatura cristã.

 

A ORIGEM DOS DEMÔNIOS

 

Deus originalmente criou todos os anjos, alguns dos quais depois se tornariam demônios:

 

“Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez” (João 1.3).

 

“Pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele” (Colossenses 1.16).

 

SUA POSIÇÃO ORIGINAL E QUEDA

 

Os demônios eram originalmente como os outros anjos de Deus com a mesma posição e atributos iguais aos anjos bons descritos no capítulo quatro deste curso. Quando Satanás se rebelou contra Deus, uma porção dos anjos participou em sua rebelião. Deus os expulsou do céu junto com Satanás. Eles não foram mais seres espirituais do bem (anjos). Eles se tornaram seres espirituais do mal (demônios):

 

“Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos; todavia, não prevaleceram; nem mais se achou no céu o lugar deles. E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim , foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos”  (Apocalipse 12.7-9).

 

Se os demônios não são anjos “caídos”, então não tem outra explicação bíblica para sua existência. Satanás não pode criar suas próprias forças, porque todas as coisas foram criadas por Deus. Existem dois grupos destes anjos caídos. Um grupo está ativamente oposto a Deus e Seu povo sobre a terra. Outro está confinado em cadeias:

 

“Ora, se Deus não poupou anjos quando pecaram, antes, precipitando-os no inferno, os entregou a abismos de trevas, reservando-os para juízo” (2 Pedro 2.4).

 

“E a anjos, os que não guardaram o seu estado original, mas abandonaram o seu próprio domicílio, ele tem guardado sob trevas, em algemas eternas, para o juízo do grande Dia” (Judas 6).

 

Existem demônios confinados e demônios ativos. O líder de ambos os grupos é

Satanás, quem é chamado de o Príncipe dos demônios (Mateus 12.24). O inferno está preparado para o diabo e seus anjos. Será seu destino final:

 

“Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos” (Mateus 25.41).

 

Quando Jesus confrontou dois homens possuídos por demônios, sua resposta foi:

 

“E eis que gritaram: Que temos nós contigo, ó Filho de Deus! Vieste aqui atormentar-nos antes de tempo?”(Mateus 8.29).

 

Os demônios nos homens possuídos sabiam que seu destino final era um lugar de tormento eterno. Visto que o inferno é um lugar de tormento e foi preparado para Satanás e seus anjos, logo, os demônios devem ser os anjos caídos.

 

SUA ESFERA DE ATIVIDADE

 

Através de toda a Bíblia, os demônios são mostrados ativos sobre a terra. Visto que Satanás não é onipresente (presente em todas as partes), ele usa os demônios para fazer sua vontade e cumprir seus propósitos em todo o mundo. Eles constituem as “potestades do ar” (Efésios 2.2) e o “império das trevas” (Colossenses 1.13) e estão todos sob o controle de Satanás.

 

OS ATRIBUTOS DOS DEMÔNIOS

 

Em sua condição original livre do pecado, os demônios tinham os mesmos atributos que os anjos do bem. Em seu estado de maldade presente os demônios:

 

q  São espíritos: Mateus 8.16; Lucas 10.17, 20.

q  Podem aparecer visivelmente: Gênesis 3.1; Zacarias 3.1; Mateus 4.9-10.

q  Podem falar: Marcos 5:9, 12; Lucas 8.28; Mateus 8.31.

q  Crêem: Tiago 2.19.

q  Exercitam sua vontade: Lucas 11.24; 8.32.

q  Demonstram inteligência: Marcos 1.24.

q  Têm emoções: Lucas 8.28; Tiago 2.19.

q  Reconhecem: Atos 19.15.

q  Possuem força sobrenatural: Daniel 9.21-23.

q  São eternos: Mateus 25.41.

q  Possuem sua própria doutrina: 1 Timóteo 4.1-3.

q  São malignos: Mateus 10.1; Marcos 1.27; 3.11.

 

OS NOMES DOS DEMÔNIOS

 

Os demônios são chamados espírito(s) maligno(s) 12 vezes e espírito(s) imundo(s) 24 vezes no Novo Testamento. Também são chamados de demônios (Marcos 1.32), e anjos do diabo (Mateus 25.41).

 

A ORGANIZAÇÃO DAS FORÇAS DEMONÍACAS

 

Vamos rever como Deus organizou suas forças angelicais...

 

“Pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele” (Colossenses 1.16).

 

Satanás é um imitador, não um criador. Ele tem organizado seus demônios em uma estrutura semelhante à das forças de Deus:

 

“Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Efésios 6.12).

 

Satanás tem organizado suas forças em:

 

Principados:

 

Satanás aparentemente dividiu o mundo em principados. Um principado é o território de jurisprudência de um príncipe. Satanás tem colocado um príncipe sobre cada principado. O príncipe da pérsia é mencionado em Daniel capítulo 10. Esta é a maneira pela qual Satanás opera no plano nacional influenciando governos e nações.

 

Potestades e dominadores deste mundo tenebroso:

 

Estas duas categorias de demônios estão em operação no sistema social, político, e cultural do mundo. Você aprenderá sobre como tratar com estes espíritos e os principados quando estudar as estratégias espirituais para vencer o mundo no capítulo quatorze.

 

Forças espirituais da maldade nas regiões celestes:

 

Os lugares altos no Antigo Testamento eram onde acontecia a adoração. É assim que Satanás opera nas estruturas religiosas do mundo. Você aprenderá mais sobre isso no capítulo vinte ao estudar sobre as hostes espirituais nas regiões celestes.

 

Estes grupos organizados variam de tamanho. Por exemplo, Maria Madalena tinha sete espíritos em seu estado anterior à libertação. Lucas 8.30 nos fala de uma “legião” de demônios. Uma legião no exército romano que dominava o mundo no tempo de Jesus se referia a 6.100 soldados a pé e 726 homens a cavalo!

 

Estas forças organizadas de demônios:

 

Estão unidas:

No caso do homem possuído por demônios, conforme registrado em Lucas 8.30, os demônios estavam unidos quanto a seu propósito, que neste curso, era a possessão do homem.

 

O mesmo é certo em Mateus 12.45 e no caso de Maria Madalena que tinha sete demônios (Lucas 16.9). Jesus falou da unidade dos poderes demoníacos quando disse:

 

“Se Satanás expele a Satanás, dividido está contra si mesmo; como, pois, subsistirá o seu reino?” (Mateus 12.26).

 

Tem diferentes graus de maldade:

 

Isto é ilustrado pelo demônio que disse que regressaria com outros espíritos malignos:

 

“Quando o espírito imundo sai do homem, anda por lugares áridos procurando repouso, porém não encontra. Por isso, diz: Voltarei para minha casa donde saí. E, tendo voltado, a encontra vazia, varrida e ornamentada. Então, vai e leva consigo outros sete espíritos, piores do que ele, e, entrando, habitam ali; e o último estado daquele homem torna-se pior do que o primeiro. Assim também acontecerá a esta geração perversa” (Mateus 12.43-45).

Podem mudar as funções:

 

O demônio em 1 Reis 22.21-23 declarou que seria um espírito de mentira. Isto indica que ele não era previamente porque disse “serei...”.

 

São de diferentes tipos:

 

A Bíblia ensina que o homem tem um corpo, alma e espírito. Existem três classes principais de espíritos que atacam o corpo, a alma e o espírito do homem:

 

1.Espíritos malignos ou imundos: são responsáveis pelos atos imorais, pensamentos impuros, opressão, depressão e outras estratégias de Satanás que estudaremos depois. Afligem a mente e a natureza almática do homem (Exemplos em Mateus 10.1; 12.43; Marcos 1.23-26).

 

2.Espíritos de doenças: estes espíritos afligem o corpo físico (Exemplo em Lucas 13.11).

 

3.Espíritos Sedutores: os espíritos sedutores afligem a mente, a alma, e o espírito do homem, levando-o a crer em falsas doutrinas como é indicado em 1 Timóteo 4.1. Estes espíritos seduzem as pessoas para crer em uma mentira e para serem condenadas ao castigo eterno. São espíritos de falsas doutrinas, seitas, falsos cristos, e falsos mestres.

 

AS ATIVIDADES DOS DEMÔNIOS

 

Os demônios seguem as ordens dadas por seu princípio, Satanás. Podemos resumir as atividades dos demônios dizendo que elas sempre estão dirigidas contra Deus, Seu plano e Seu povo. Os demônios são usados por Satanás para atacar a Palavra de Deus, sua adoração, seu caminhar com Deus e sua obra para Deus.

 

No capítulo oito você aprenderá detalhes da estratégia do inimigo na guerra espiritual. Satanás usa seus demônios para levar adiante suas estratégias ao redor de todo o mundo. Os demônios estendem o poder de Satanás ao promover o engano e a maldade. Afetam indivíduos, governos, nações e o sistema mundial. Eles promovem a rebelião e a calúnia tanto contra Deus quanto entre os homens. Eles promovem a idolatria, as doutrinas falsas, e cegam os homens e mulheres à verdade do Evangelho.

 

Os demônios atacam aos não crentes guiando-os a cometer terríveis atos de maldade, a assassinar, injuriar, cometer suicídio, etc. Afetam a mente com problemas emocionais e o corpo com doenças físicas. Os demônios atacam aos crentes com tentações, desilusões, depressão, caluniando-lhe e criando divisão entre o povo de Deus. Convertem em seu objetivo seu caminhar espiritual e pelejam contra a Palavra de Deus, a adoração a Deus e o seu trabalho para Deus. Também atacam seu corpo físico.

 

Os não crentes estão indefesos contra os ataques dos poderes demoníacos, porém os crentes possuem poderosas armas espirituais e estratégias para tratar com estas poderosas forças do mal. Você aprenderá sobre estas armas e estratégias enquanto continua no estudo da guerra espiritual.

 

 

 

INSPEÇÃO

 

 

1. Escreva o versículo-chave das cláusulas de guerra.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

2. Como os demônios surgiram?

__________________________________________________________________________________________________________________________________3. Qual é esfera de atividades deles?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

4. Resuma suas atividades.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

5. Enumere tantos atributos dos demônios quanto você possa recordar das discussões deste capítulo.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

6. Como estão organizadas as forças dos demônios?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

7. Qual foi a posição original dos demônios?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

8. Como se converteram em demônios?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

9. Dê uma breve definição de cada um a das seguintes características dos demônios:

 

Principados:

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

Potestades e dominadores das trevas:

__________________________________________________________________________________________________________________________________

Forças espirituais da maldade nas regiões celestes:

_________________________________________________________________

 

 

 

 

MANOBRAS TÁTICAS

 

1. Para aprender mais sobre as forças espirituais do mal, estude as seguintes referências bíblicas sobre o tema dos demônios:

 

Gênesis 3.1-15; 6.1-4; 41.8; 44.5.

Êxodo 7.8-13, 20-24; 8.6-7, 18-19; 9.11; 22.18.

Levítico 17.7; 19.26, 31; 20.6, 27.

Números 22.7; 23.23.

Deuteronômio 18.9-14, 20-22; 32.17.

Juízes 8.21, 26.

1 Samuel 15.23; 16.14; 18.10; 28.1-15.

1 Reis 5:4; 18.28; 22.19-38

2 Reis 9.22; 17.17; 21.1-9; 23. 5, 24

1 Crônicas 21.1.

2 Crônicas 33.1-10.

Jó 1.1-12; 2:1.

Salmos 78.49; 91.6; 106.36-38.

Isaías 3.18-19; 8.19; 14.12-17; 47.11-15.

Jeremias 27.9.

Ezequiel 21.21; 28.11-19

Daniel 1.20; 2.2, 27; 4.6-9; 5.7, 11, 15.

Oséias 4.12

Miquéias 5.12

Zacarias 3.1, 2; 10.2

Malaquias 3.5

Mateus 4.1-11, 24; 8.16, 28-34; 9.32-34; 10.1, 25; 11.18; 12.22-30; 11. 43-45;

13.19, 39; 15. 21-28; 17.14-21; 24.24; 25.41

Marcos 1.12-13, 21-28; 32, 34, 39; 3.11-12, 15, 22-30; 5.1-20; 6: 7, 13; 7.24-30;

8.33; 9.17-29, 38-40; 13.22; 16.9, 17

Lucas 4.1-13, 33-37; 6.18; 7.21, 33; 8.2, 26-39; 9.1, 37-42, 49-50; 10.17-20;

11.14-26; 13.10-17, 32; 22.3, 31; 24.39

João 6.70; 7.20; 8.44, 48-49; 10.20-21; 12.31; 13.27; 14.30; 16.11; 17.15

Atos 5.3, 16; 8.7, 9-11, 18.24; 10.38; 13.6-12; 16.16-19; 19.12-20; 26.18

Romanos 8.38-39; 16.20

1 Coríntios 5.5; 7:5; 10.20-21

2 Coríntios 2.11; 4.4; 6.14, 15, 17; 11.13-14; 12.7

Gálatas 1.4; 3.1; 4.8-9; 5.19-21

Efésios 1.21; 2:2; 4.26-27; 6.11, 12, 16

Colossenses 1.13; 2.15

1 Tessalonicenses 2.18; 3.5

2 Tessalonicenses 2.1-10; 3.3

1 Timóteo 1.20; 3.6; 4.1-3

2 Timóteo 1.7; 2.26; 4.18

Hebreus 2.14

Tiago 2.19; 3.15; 4.7

1 Pedro 5.8

2 Pedro 2.4, 19

1 João 2.13, 18; 3.8, 12; 4.1-4, 6; 5.18

Judas 1.6, 9

Apocalipse 2.9, 13, 24; 3.9; 9.1-11, 20-21; 12.1-13; 13.1-18; 16.13-16; 18.2;

19.20; 20.1-14; 21.8

 

1.Estude o registro do Antigo Testamento dos poderes demoníacos:

 

q  Satanás na forma de uma serpente é mencionado sete vezes em Gênesis 3:1-24 e em Isaías 27.1.

q  Satanás também é mencionado em 1 Crônicas 21.1; 2 Samuel 24.1;

q  Salmos 109.6; Zacarias 3.1-2; e 14 vezes no livro de Jó.

q  .Espíritos malignos são mencionados oito vezes no registro do rei Saul: 1

q  Sam. 16.14-23; 18:10; 19:9.

q  .Espíritos mentirosos são mencionados seis vezes em 1 Reis 22.21-23.

q  .Espíritos familiares são mencionados seis vezes em Levítico 20.27 e 1 Samuel 28.

q  .Espíritos religiosos e espíritos de prostituição física são identificados no livro de Oséias.

q  .Os demônios são identificados com os deuses das nações pagãs quatro vezes: Levítico 17.7; Deuteronômio 32.17; 2 Crônicas 11.15; Salmos 106.19-39.

q  .Príncipes malignos que governam nações são identificados nos Salmos, profetas e especificamente no livro de Daniel 10.10-21.

q  .Espíritos impuros perversos são mencionados duas vezes: Isaías 19.14.

 

2.Pense sobre isto: enquanto as forças demoníacas são inimigas de deus, ao mesmo tempo estão sujeitos à Sua vontade e são usados por Ele para derrotar a si mesmos: Ver 1 Samuel 16.14; 18.10; 19.9; 1 Reis 22.20-22; e Isaías 19.14

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Capítulo Sete

 

O TERRITÓRIO DO INIMIGO

 

OBJETIVOS:

 

Ao concluir este capítulo você será capaz de:

 

q  Escrever o versículo-chave de memória.

q  Definir o que é entendido pela palavra “mundo” e como é usado nesta lição.

q  Identificar o príncipe do mundo.

q  Explicar a razão para o atual sistema mundial.

q  Descrever a atitude do mundo para com os crentes.

q  Definir o que se entende pela palavra “carne” e como é usada nesta lição.

q  Explicar o que se entende pelos “desejos da carne”.

q  Explicar como se desenvolve à paixão.

q  Explicar os resultados da paixão não conquistada.

q  Identificar uma referência bíblica que enumera as obras da carne.

 

VERSÍCULO-CHAVE DAS CLÁUSULAS DE GUERRA:

 

“Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele; porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procedem do Pai, mas procede do mundo” (1 João 2.15-16).

 

INTRODUÇÃO

 

Existe somente um inimigo, porém como você aprendeu nas lições anteriores, ele opera mediante uma poderosa força de demônios. Como o versículo-chave deste capítulo revela Satanás não somente usa os demônios, porém também opera através das forças malignas da carne e do mundo:

 

“Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o mor do Pai não está nele; porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procedem do Pai, mas procede do mundo” (1 João 2.15-16).

 

O propósito deste capítulo é identificar e discutir as forças do mal do inimigo conhecidas como o mundo e a carne. Cuidado! Você está entrando em território hostil. O mundo e a carne são o território do inimigo.

 

PARTE UM: O MUNDO

 

A palavra “mundo” tem diferentes significados na Escritura. Pode significar a terra ou o universo na ordem física. É usada para referir-se aos gentios que são todas as outras nações exceto a nação judaica.

 

Porém, a palavra “mundo” também é usada para referir-se a presente condição dos assuntos humanos em oposição a Deus. É o sistema que atua no mundo habitado, um sistema que é oposto a Deus e ao Senhor Jesus Cristo. Este é o significado que é usado nesta lição. O “mundo” é o grupo corporativo de indivíduos centrados na carne atual de seu corpo. É um termo que descreve a natureza maligna do homem, a qual está em voluntária rebelião contra Deus.

 

Como seu inimigo, o mundo é a totalidade do sistema organizado socialmente, economicamente e materialmente, e de filosofias religiosas que têm sua expressão mediante organizações, personalidades e governo. Não é um governo especifico ou organização ou pessoa, mas sim o sistema mundial sobre o qual estes estão baseados. O sistema mundial é uma extensão da parte carnal do homem. Proporciona uma atmosfera, ambiente, e um sistema que promove os pecados da carne. Rodeia o homem com aquilo que apela a seus desejos carnais.

 

O PRÍNCIPE DO MUNDO:

 

Satanás é o “príncipe” ou governante do sistema mundial:

 

“Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso” (João 12.31). “Já não falarei muito convosco, porque aí vem o príncipe do mundo; e ele nada tem em mim” (João 14.30).

 

Satanás é também chamado o deus deste século:

 

“Nos quais o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus” (2 Coríntios 4.4)

 

Os reinos do mundo estão atualmente influenciados por Satanás. Estão guiados por filosofias e princípios satânicos. Estão centrados na carne e governados pela carne:

 

“Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares” (Mateus 4.8-9).

 

Algum dia eles serão os reinos do nosso Senhor: “O sétimo anjo tocou a trombeta, e houve no céu grandes vozes, dizendo: O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos” (Apocalipse 11.15)”.

 

 

A RAZÃO PARA A CONDIÇÃO DO MUNDO:

 

O pecado é a razão para a presente condição do mundo. Quando Adão e Eva foram originariamente criados por Deus, foi lhes dado o domínio sobre o mundo. Isto significava que eles tinham o controle sobre o mundo, para guiar seus sistemas e habitantes conforme o plano de Deus. Quando pecaram contra Deus, eles perderam esse domínio (Gênesis 1 a 3).

Quando Jesus foi crucificado pelos pecados do gênero humano e ressuscitado da morte, Ele reivindicou o mundo. Pronunciou juízo contra as forças espirituais do mal:

 

“E, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz”  (Colossenses 2.15).

 

Ainda que Jesus tenha reivindicado o mundo do poder do inimigo, Satanás ainda não reconheceu essa reivindicação. Satanás ainda está trabalhando no mundo com seus poderes demoníacos. Satanás não reconhecerá as reivindicações de Jesus sobre os reinos do mundo até que o conflito final sobre o qual você estudará no último capítulo deste curso.

 

A presente situação é semelhante às condições militares que frequentemente ocorrem no mundo natural. Um poder político ou militar tomará o controle sobre uma nação, porém suas reivindicações não serão reconhecidas pelas tropas dentro daquela nação. As tropas rebeldes continuarão guerreando por todo o país. Tratam de tomar posse do território que legitimamente não é seu e subjugar aos seus cidadãos. Frequentemente usam táticas de terror para alcançar seus propósitos.

 

A situação no mundo espiritual é semelhante. Jesus reivindicou controle sobre o mundo, o inimigo, e suas forças da maldade. Porém, as tropas rebeldes de Satanás ainda guerreiam por todo o mundo. Tratam de tomar posse do que não é legitimamente seu e influenciar a homens e mulheres ao mal. Esta batalha, que é nossa “guerra espiritual” continuará até o conflito final.

 

A ESTRUTURA DO MUNDO:

 

A estrutura do mundo está em direta oposição a Deus, Seu planos, propósitos   e povo:

 

O SISTEMA MUNDIAL DO MAL:

 

O presente sistema mundial é maligno:

 

“O qual se entregou a si mesmo pelos nossos pecados, para nos desarraigar deste mundo perverso, segundo a vontade de nosso Deus e Pai” (Gálatas 1.4).

 

O sistema mundial está sem Deus:

 

“Naquele tempo, estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança e sem Deus no mundo” (Efésios 2.12).

 

Existe muito engano no mundo para seduzir aos crentes de modo que eles se tornem parte do mundo:

 

“Porque muitos enganadores têm saído pelo mundo fora, os quais não confessam Jesus Cristo vindo em carne; assim é o enganador e o anticristo” (2 João 7).

 

O mundo já está julgado e sob a condenação de Deus:

 

“Mas, quando julgados, somos disciplinados pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo” (1 Coríntios 11.32).

 

OS PRÍNCIPES DESTE MUNDO:

 

Os “príncipes deste mundo” se referem aos príncipes elementares que governam o mundo.

 

Levam ao jugo espiritual:

 

“Assim, também nós, quando éramos menores, estávamos servilmente sujeitos aos rudimentos do mundo”  (Gálatas 4.3).

 

OS RUDIMENTOS DO MUNDO:

 

Estes são os regulamentos sobre os quais a estrutura mundial descansa. São diferentes dos princípios sobre os quais Deus estrutura Seu reino:

 

“Se morrestes com Cristo para os rudimentos do mundo, por que, como se vivêsseis no mundo, vos sujeitais a ordenanças” (Colossenses 2.20).

 

ESPÍRITO DO MUNDO:

 

O Espírito do mundo está em direta oposição ao Espírito Santo:

 

“Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente” (1 Coríntios 2.12).

 

A FILOSOFIA DO MUNDO:

 

Filosofias são princípios de conhecimento. As filosofias mundanas não estão baseadas em Cristo:

 

“Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo” (Colossenses 2.8).

 

A SABEDORIA DO MUNDO:

 

A sabedoria mundana não é a sabedoria de Deus:

 

“Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; porquanto está escrito: Ele apanha os sábios na própria astúcia deles” (1 Coríntios 3.19).

 

A CORRENTE DO MUNDO

 

A “corrente” do mundo é o ciclo do mundo presente, sua rotina, a forma na qual ele opera:

 

“Nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência” (Efésios 2.2).

 

AS VOZES DO MUNDO

 

As muitas “vozes” do mundo são contrárias à voz de Deus:

 

“Há, sem dúvida, muitos tipos de vozes no mundo; nenhum deles, contudo, sem sentido” (1 Coríntios 14.10).

 

A PAZ DO MUNDO:

 

A paz do mundo é temporária, frágil e algumas vezes enganosa:

 

“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (João 14.27).

 

A TRISTEZA DO MUNDO:

 

A tristeza santa difere daquela do mundo:

 

“Porque a tristeza segundo Deus produz arrependimento para a salvação, que a ninguém traz pesar; mas a tristeza do mundo produz morte” (2 Coríntios 7.10).

 

A ATITUDE DO MUNDO:

 

O mundo odeia a Deus:

 

“Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tiago 4.4).

 

O mundo odeia aos crentes:

 

“Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim. Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não sois do mundo, pelo contrário, dele vos escolhi, por isso, o mundo vos odeia” (João 15.18-19).

 

Visto que o mundo está cheio de indivíduos centrados na carne que odeiam aos crentes, nós precisamos aprender mais sobre esta força poderosa chamada “carne”.

 

 

PARTE DOIS: A CARNE

 

O mundo é uma força social maligna de Satanás que obra a partir do exterior para atacar aos crentes. É a organização corporativa de indivíduos carnais. A carne é uma força que opera dentro do crente. O mesmo “espírito carnal” que opera no mundo operará em sua vida, se você permitir. A palavra “carne”, da maneira como é usada na Escritura, pode referir-se ao atual corpo do homem ou de uma fera. Porém, não é sobre isso que estamos falando quando usamos a palavra “carne” nesta lição.

 

A Bíblia também usa a palavra “carne” para descrever a natureza básica de pecado do homem. A carne é o centro da voluntária provocação e rebelião contra Deus:

 

“Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum, pois o querer o bem está em mim; não, porém, o efetuá-lo. Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço. Mas, se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, e sim o pecado que habita em mim” (Romanos 7.18-20).

 

A carne é uma força compulsiva interior que se expressa em rebelião mediante o pecado. Este é o significado da carne que usamos nesta lição. O termo “carnal” e o termo “velho homem” também são usadas para descrever a natureza carnal do homem. Todos os homens possuem esta natureza pecadora e carnal básica:

 

“Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram” (Romanos 5.12).

 

“Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3.23).

 

AS PAIXÕES DA CARNE:

 

“Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne” (Gálatas 5.16).

 

O que é paixão da carne? Primeiro definamos a palavra “paixão”. Paixão é “um forte desejo, emoções da alma, a tendência natural do homem para o mal”. A Bíblia adverte que não devemos desejar as coisas do mal:

 

“Ora, estas coisas se tornaram exemplos para nós, a fim de que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram” (1Coríntios 10.6).

 

Desejar as coisas do mal que agradarão à sua natureza carnal é o que se chamam “paixões da carne”. É assim que Satanás ataca desde o interior. É como uma guerra civil dentro de uma nação, com seu espírito e sua carne guerreando um contra o outro.

 

COMO SE DESENVOLVE A PAIXÃO:

 

A paixão, ou desejo pecaminoso, primeiro entra por meio dos sentidos naturais. O olho vê algo mal ou o ouvido escuta algo maligno. Um toque, o saborear, ou inclusive um expirar, podem até fomentar a paixão. Esta é a primeira maneira na qual Satanás usa o ambiente do mundo para tentar a carne. Estes sentidos naturais disparam um pensamento maligno ou um desejo na mente. Isto é paixão. O pensamento lascivo é o que lhe tenta a fazer o mal:

 

“Ninguém, ao ser tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele mesmo a ninguém tenta. Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz” (Tiago 1.13-14).

 

Lembre-se, Deus nunca lhe tenta. Você é tentado quando é atraído por suas próprias paixões pecaminosas e carnais. Porém, você não tem que se render à tentação.  Deus sempre proporciona uma vida de escape:

 

“Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar” (1 Coríntios 10.13).

 

Visto que a mente é usada para tentar a carne, Paulo adverte:

 

“Por isso, o pendor da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode estar” (Romanos 7.7-8).

 

Você aprenderá depois como a mente é um dos principais campos de batalha na guerra espiritual.

 

OS RESULTADOS DA PAIXÃO:

 

Se você se rende à paixão, vem a tentação, e se você se rende à tentação, resulta em pecado que leva à morte:

 

“Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte”(Tiago 1.15).

 

O mundo é corrupto devido à paixão:

 

“Pelas quais nos têm sido doadas as suas preciosas e mui grandes promessas, para que por elas vos torneis coparticipantes da natureza divina, livrando-vos da corrupção das paixões que há no mundo” (2 Pedro 1.4).

 

 

Sua carne é corrupta devido à paixão:

 

“No sentido de que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe segundo as concupiscências do engano” (Efésios 4.22).

 

A RELAÇÃO DO ESPÍRITO COM A CARNE:

 

“Vós corríeis bem; quem vos impediu de continuardes a obedecer à verdade?” (Gálatas 5.17).

 

Quando você é salvo e se torna cheio do Espírito Santo, o Espírito habita em seu espírito. O Espírito Santo em seu espírito se opõe à paixão da carne. Sua carne luta contra seu espírito e contra o Espírito de Deus dentro de você. A carne lhe seduz às paixões carnais. É por isso que você com frequência, não podem viver da maneira que deseja. Paulo descreve esta batalha entre o espírito e a carne em Romanos 7. Leia o capítulo inteiro em sua Bíblia. Ele resume a batalha:

 

“Então, ao querer fazer o bem, encontro a lei de que o mal reside em mim. Porque, no tocante ao homem interior, tenho prazer na lei de Deus; mas vejo, nos meus membros, outra lei que, guerreando contra a lei da minha mente, me faz prisioneiro da lei do pecado que está nos meus membros” (Romanos 7.21-23).

 

 

AS OBRAS DA CARNE:

 

As paixões da carne, se não são conquistadas, levam às obras malignas da carne que resultam em morte espiritual:

 

“Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam” (Gálatas 5.19-21).

 

Esta lista pode ser dividida em quatro categorias de pecados:

 

q  Pecados de adoração: idolatria e bruxaria.

q  Pecados sexuais: adultério, fornicação, imundícia e lascívia.

q  Pecados pessoais: rebeldia e rebeliões.

q  Pecados de relação: ódios, discórdia, ciúmes, ira, rivalidades, dissensões, facções, invejas, assassinatos.

 

Cada uma dessas obras pecaminosas é definida em detalhe no curso “Ministério do Espírito Santo” do Instituto Internacional Tempo de Colheita. As obras são opostas ao fruto do Espírito Santo que deverá ser desenvolvido nas vidas dos crentes.

 

FORÇAS PODEROSAS DO MAL

 

O mundo e a carne são combinados por Satanás e seus demônios para guerrear contra os crentes. Estas são as forças espirituais do mal. Nas lições seguintes você aprenderá as estratégias da guerra espiritual para combater as poderosas forças espirituais do mal

 

 

 

INSPEÇÃO

 

1. Escreva o versículo-chave das cláusulas de guerra.

_________________________________________________________________

_________________________________________________________________

 

2. O que se entende pela palavra “carne” segundo ela é usada nesta lição?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

3. O que se entende pela palavra “mundo” conforme usada nesta lição?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

4. Quem é o príncipe deste mundo?

_________________________________________________________________

 

5. Resuma as características do presente sistema mundial.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

6. Qual é a razão para a condição pecaminosa do sistema mundial atual?

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

7. Qual é a atitude do mundo para com os crentes?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

8. O que se entende por “paixão da carne”?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

9. Como se desenvolve a paixão?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

10. O que acontece se você não controla a paixão?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

11. Dê uma referência bíblica que identifique as obras da carne.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

 

 

MANOBRAS TÁTICAS

 

1.    Estude adicionalmente sobre as obras da carne em Gálatas 5.19-21.

 

2.    Contraste estas obras malignas com o fruto do Espírito em Gálatas 6.22-23

 

3.    Leia João 1.1-15 e capítulo 3. Observe o grande amor de Deus pelo mundo apesar de sua condição pecaminosa e carnal. O que Deus fez para demonstrar Seu amor? Qual foi a resposta do mundo?

 

4.    Estude adicionalmente sobre a tentação.

 

q  Satanás é chamado de “o tentador”: Mateus 4.3; 1 Tessalonicenses 3.15.

 

q  Deus não tenta aos homens a fazer o mal: Tiago 1.13-14.

 

q  Você é tentado por:

q  Homens: Mat. 16.1; 19.3; 22.35; Marcos 8.11; 10.2; Lucas 11.16; João 8.6.

q  Satanás: Mateus 4.1; Marcos 1.13; Lucas 4.2; 1 Coríntios 7.5.

q  Suas paixões: Tiago 1.13-14.

q  Riquezas: 1 Timóteo 6.9.

 

q  Você tem que orar para não cair em tentação: Mt 26.41; Luc 11.4; Mar 14.38; 22.46.

q  Jesus foi tentado, porém não pecou: Hebreus 2.18; 4.15.

q  Você é abençoado se você resiste à tentação: Tiago 1.12.

q  Deus pode livrar você da tentação: Hebreus 4.15; 2 Pe 2.9; 1 Coríntios 10.13.

q  A tentação traz pesar (Tg 1.2), porém você deve considerar cada tentação uma alegria (1 Pedro 1.6).

 

5.    Você está experimentando paixão que o tem levado à tentação e depois ao pecado? Siga a estratégia de 1 João 1.8-9.

 

6.    É dentro do contexto da descrição da guerra entre o Espírito Santo e a carne que Paulo identifica as obras da carne que batalham dentro dos crentes. Ver Gálatas 5.16-26.

 

 

 

 

 

 

 

 

Capítulo Oito

 

A ESTRATÉGIA DO INIMIGO

 

 

 

OBJETIVOS:

 

Ao concluir este capítulo você será capaz de:

 

q  Escrever o versículo-chave de memória.

q  Resumir a estratégia do inimigo em relação a Deus.

q  Resumir a estratégia do inimigo em relação às nações.

q  Resumir a estratégia do inimigo em relação aos não crentes.

q  Resumir a estratégia do inimigo em relação aos crentes.

 

VERSÍCULO-CHAVE DAS CLÁUSULAS DE GUERRA:

 

“Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar; resisti-lhe firmes na fé, certos de que sofrimentos iguais aos vossos estão-se cumprindo na vossa irmandade espalhada pelo mundo” (1 Pedro 5.8-9).

 

INTRODUÇÃO

 

Esta lição apresenta uma visão geral das estratégias de nosso inimigo, Satanás. Na próxima lição, você terá um panorama do “Plano de Batalha” de Deus. Nas lições posteriores, depois que você tenha sido armado com suas armas espirituais, dar-se-lhe-ão mais contra-estratégias específicas para vencer todos os planos malignos do inimigo. Porém, primeiro você necessita entender a estratégia geral do inimigo em relação a Deus, as nações e aos crentes.

 

O INIMIGO E DEUS

 

O pecado original de Satanás foi o que ele queria ser como Deus, de tal maneira que seu poder e atividades atuais estão dirigidos primordialmente contra Deus. Todas as suas outras atividades e sua própria natureza são vistas como ramificações de sua ambição rebelde original.

 

Por exemplo, o ataque de Satanás sobre o primeiro homem e a primeira mulher, Adão e Eva, foi realmente um ataque ao caráter e ao controle de Deus (ver Gênesis 3.1-5). Satanás também induziu Caim a assassinar a Abel em oposição a Deus (ver 1 João 3.10-12). Você pode estudar cada ataque de Satanás registrado nas Escrituras e você descobrirá que é um ataque contra Deus e Suas atividades e natureza.

 

Satanás está em oposição direta a Deus em cada atividade e característica da natureza. Por exemplo, Deus é amor enquanto Satanás é odioso e promove o ódio (1 João 3.7-15). Deus é vida e cria vida enquanto que Satanás promove a morte e a destruição (Hebreus 2.14).

 

Satanás não somente se opõe a Deus e Sua natureza, se não que também se opõe ao programa de Deus. Nega a existência de Deus (Salmos 14.1-3), promove mentiras (Efésios 2.2; 2 Tessalonicenses 2.8-11); e está por trás de falsas religiões, o oculto, e cultos com falsas doutrinas e práticas. O sistema religioso de Satanás resulta em falsos mestres, profetas, e “cristos”. Você estudará mais sobre isso depois, quando estudar “Forças Espirituais do Mal nas Regiões Celestes”.

 

Satanás alcançará o clímax de sua rebelião contra Deus e Seus planos durante o tempo da “Batalha Final” abordada no último capítulo deste curso. Ao final, Satanás e suas hostes de poderes demoníacos serão colocados sob o controle do Deus único e verdadeiro.

 

O INIMIGO E AS NAÇÕES

 

Satanás é chamado de o “deus deste século” o qual inclui os homens que não são crentes e os anjos demoníacos (2 Coríntios 4.4). Ele ofereceu a Jesus as nações durante a tentação de Cristo, e nosso Senhor não disputou a legitimidade da oferta. Ele simplesmente resistiu a rebelar-se contra Deus ao submeter-se à maneira de Satanás para obter governo (Mateus 4.8-10).

 

Satanás usa seus demônios para influenciar e enganar as nações, guiando aos líderes e ao povo para longe de Deus. Esta é a razão pela qual há ditadores cruéis e sistemas políticos não santos em muitas nações. Também explica as guerras e divisões entre as nações. Satanás influencia especialmente os líderes contra a Igreja e o povo escolhido de Deus, Israel. Também opera mediante governos para evitar a difusão do evangelho.

 

Durante o período da tribulação Satanás dirigirá os assuntos de um grupo de dez nações mediante o Anticristo. Depois da segunda vinda de Cristo, Satanás será atado por mil anos “para que não mais engane as nações” (Apocalipse 20.3). Depois de sua liberação, ele enganará as nações uma última vez para reuni-las contra Jerusalém e contra Deus (Apocalipse 20.7-10). Porém, no final, cada reino da terra e até mesmo o reino de Satanás se tornarão os Reinos de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo.

 

O INIMIGO E OS NÃO CRENTES

 

O inimigo tem uma poderosa estratégia operando contra os não crentes. Cega suas mentes ao Evangelho (2 Coríntios 4.3-4) e arrebata a verdade do Evangelho quando o escutam de tal maneira que nenhuma reposta ocorra (Lucas 8.12). Como consequência, o evangelho parece tolo e irrelevante àqueles que estão perdidos em pecado (1 Coríntios 1.18).

 

Satanás também laça os não crentes em falsas religiões (1 Timóteo 4.1-3) e os leva a caminhar conforme o “curso do mundo”, o qual é a filosofia do século. Tal filosofia pode varia de geração em geração e de cultura a cultura, porém é sempre antropocêntrica e promovedora da criatura em lugar de ser teocêntrica. Satanás está constantemente semeando as sementes da rebelião (pecado) nos corações e mentes dos não crentes.

 

Um dos propósitos do Espírito Santo é batalhar contra Satanás pelas almas dos não crentes. O Espírito Santo opera para redarguir aos homens e mulheres de sua pecaminosa rebelião contra Deus (João 16.7-11).

 

O INIMIGO E OS CRENTES

 

Quando você aceita a Jesus Cristo como Salvador, certamente não significa que a batalha terminou! Você tem ganhado uma confrontação maior quando você é salvo, porém na realidade, sua intensa batalha só começou.

 

Você aprenderá muitas estratégias específicas de Satanás na medida em que você continua estudando este curso e se arma com suas armas espirituais e as mobiliza para entrar no território inimigo. Porém, todos estes ataques podem ser resumidos em quatro áreas principais. Na vida de um crente Satanás ataca:

 

A PALAVRA DE DEUS:

 

Satanás o levará a questionar a Palavra de Deus e a acrescentar, diminuir ou distorcer as Escrituras. Relembre que estas coisas estiveram presentes na mesma tentação de Eva. É por isso que é importante estudar e entender a Palavra de Deus de tal maneira que você não será enganado por estes ataques.

 

SUA ADORAÇÃO:

 

A rebelião original de Satanás incluía seu desejo de ser adorado, pelo qual, especialmente, ele faz da adoração dos crentes um de seus alvos. Ele tratará de impedir que você o adore ou ele lhe guiará a uma falsa ou carnal adoração.

 

SEU CAMINHAR COM DEUS:

 

Satanás ataca seu caminhar pessoal com Deus. Ele lhe acusa e calunia, tenta-lhe para você comprometer-se com as obras da carne, para estar ocupado com o mundo e para confiar em sua própria e humana sabedoria e força. Se Satanás puder ganhar território em seu caminhar pessoal com Deus, será mais fácil para ele derrotá-lo em sua próxima área que é...

 

SEU TRABALHO PARA DEUS:

 

Satanás também ataca seu trabalho para Deus. Ele tratará de dissuadir-lhe a fazer a vontade de Deus mediante a perseguição, o desastre, o desânimo, falta de oração, e pelo estar ocupado com as coisas do mundo. Satanás também trata de afetar seu trabalho para Deus infiltrando-se na igreja com falsos mestres e discípulos (2 Coríntios 11.13-15; 2 Pedro 2.1-19; Mateus 13.38-39). Enquanto Deus semeia a boa semente através de seu ministério, o inimigo semeia o joio, que são os “filhos do maligno”. Ele promove a divisão dentro do corpo de Cristo tratando de afetar o operar de Deus e Seus propósitos em sua vida e ministério.

ENTÃO... O QUE VOCÊ PODE FAZER?

 

As estratégias de Satanás certamente são variadas e poderosas na medida em que opera contra Deus, as nações, os nãos crentes, e os crentes.

 

Tendo passado as quatro últimas lições estudando o inimigo, as forças espirituais do mal, o território e a estratégia do inimigo, você pode estar um pouco assombrado a estas alturas. Porém, como você aprenderá no próximo capítulo, Deus tem um “plano de batalha” muito maior e mais poderoso do que qualquer projeto do inimigo.

 

Agora você está pronto para estudar o plano e depois se armar com suas armas espirituais e mobilizar-se para a batalha.

 

 

INSPEÇÃO

 

1. Escreva o versículo-chave das cláusulas de guerra.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

2. Resuma a estratégia do inimigo em relação a Deus.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

3. Resume a estratégia do inimigo em relação às nações.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

4. Resuma a estratégia do inimigo em relação aos não crentes.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

5. Resuma a estratégia do inimigo em relação aos crentes.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

 

 

MANOBRAS TÁTICAS

 

1.  Analise a nação na qual você vive. Quais estratégias do inimigo você vê em operação em sua nação?

 

2. Analise os não crentes ao seu redor pelos quais você está orando. O inimigo tem cegado seus olhos ao evangelho? Ele está roubando a mensagem o Evangelho apresentado a eles? Estão sendo doutrinados em falsas religiões? Estão eles vivendo no “curso deste mundo” e em seu estilo de vida? Torne estes assuntos em temas de oração.

 

3. Leve em consideração as quatro acusações de Satanás:

 

q  Acusa a Deus diante do crente: Gênesis 3.1-5.

q  Acusa o crente diante de Deus: Jó 1-2; Apocalipse 12.9-10.

q  Acusa o crente diante de sua própria consciência: Jeremias 31.34; Romanos 8.33-39.

q  Acusa o crente mediante outros crentes: Mateus 16.13-23; Romanos 8.33-39.

 

4.Pense em sua própria vida. No espaço proporcionado abaixo, analise como Satanás tem lhe atacado em relação à Palavra de Deus, sua adoração, seu caminhar com Deus, ou sua obra para com Deus.

 

A Palavra de Deus:

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

Adoração a Deus:

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

Caminhar com Deus:

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

Obra para Deus:

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

Nas seguintes lições você aprenderá estratégias específicas para ganhar batalhas em cada uma destas áreas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Capítulo Nove

 

O PLANO DE DEUS PARA A BATALHA

 

OBJETIVOS:

 

Ao concluir este capítulo você será capaz de:

 

q  Escrever o versículo-chave de memória.

q  Identificar o propósito de Deus.

q  Identificar o propósito pelo qual Jesus veio ao mundo.

q  Explicar os seus pontos do plano de batalha da guerra espiritual.

 

VERSÍCULO-CHAVE DAS CLÁUSULAS DE GUERRA:

 

“Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo” (1 João 3.8).

 

INTRODUÇÃO

 

Este capítulo apresenta a batalha básica da guerra espiritual. É uma estratégia que descansa no entendimento dos propósitos de nossa guerra e está baseado na comunicação com nosso Comandante pela oração, jejum e a Palavra escrita de Deus. Quando você não entende os propósitos e planos de Deus, você pode ser muito tentado a se desanimar nos conflitos da vida. Esta é a razão por que muitos dos soldados cristãos fracassam na guerra: não entendem o propósito divino por trás da batalha:

 

“Agora, vos digo: dai de mão a estes homens, deixai-os; porque, se este conselho ou esta obra vem de homens, perecerá; mas, se é de Deus, não podereis destruí-los, para que não sejais, porventura, achados lutando contra Deus. E concordaram com ele” (Atos 5.38-39).

 

O PROPÓSITO DA GUERRA

 

Desde o início do tempo, cada uma das batalhas naturais que têm sido travadas sempre teve um propósito pelo qual vieram a existir. Antes que examinemos o plano de Deus para a batalha, é importante que entendamos o propósito da guerra espiritual. Isto envolve entender os propósitos de Deus o Pai e de Jesus Cristo, o Filho.

 

O PROPÓSITO DE DEUS:

 

É o propósito de Deus que...

 

“De fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos, todas as coisas, tanto as do céu, como as da terra” (Efésios 1.10).

 

Desde o princípio do tempo, Satanás tem pelejado contra o cumprimento deste propósito. Sua própria guerra no mundo espiritual está relacionada com este propósito de Deus. Satanás combate para atrair seu coração, sua mente, espírito e alma a ele ao invés do Senhor Jesus Cristo.

 

Deus opera em você para cumprir Seu propósito:

 

“Porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade” (Filipenses 2.13).

 

Deus também opera através de sua vida para cumprir Seus propósitos:

“Nem ofereçais cada um os membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniquidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça” (Romanos 6.13).

 

Quando você se dá a si mesmo para tornar-se um “instrumento de justiça” de Deus, coloca sua vida e ministério em harmonia com Seus propósitos e planos. Ao fazer isso, você se converte em um alvo do inimigo de Deus, Satanás.

 

 

O PROPÓSITO DE JESUS:

 

Jesus disse:

 

“Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo” (1 João 3.8).

 

A razão pela qual Jesus veio ao mundo foi destruir as obras  de  Satanás.  Isto

imediatamente o colocou em oposição ao inimigo:

 

“O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância”  (João 10.10).

 

Desde o princípio de Seu ministério terreno, Jesus se dedicou à destruição das obras de Satanás:

 

q  Revelou o jugo do pecado (João 8.34).

q  Perdoou os pecados (Mateus 9.1-8; Marcos 2.1-12, 17; Lucas 4.17-32).

q  Enfatizou a condição do coração ao invés do engano da aparência exterior (Mateus 15.16-20; Marcos 7.20-23; Lucas 6.45; 11.39).

q  Curou o enfermo (Mateus 11.5).

q  Levantou pessoas de entre os mortos (Marcos 5.35-43; Lucas 8.49-56; João11).

q  Livrou as pessoas dos poderes demoníacos (Mateus 8.16).

 

Em resumo, destruiu as obras de Satanás nos corações, almas, mentes, e corpos de homens e mulheres:

“Os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e aos pobres está sendo pregado o evangelho” (Mateus 11.5).

 

Jesus destruiu as obras de Satanás, como também expulsou as estratégias enganosas do inimigo:

 

q  Ensinou que os enganos de Satanás aumentariam durante os últimos dias na terra (Mateus 24 a 25; Marcos 13; Lucas 17.22-37; 21.8-36).

q  Advertiu sobre Satanás que era capaz de destruir a alma (Mateus 10.28).

q  Falou sobre a necessidade de atar ao homem forte (Satanás) antes de tirar-lhe seus bens (Mateus 12.26-30; Marcos 3.23-27; Lucas 11.17-24).

q  Revelou como Satanás trata de evitar que a Palavra de Deus seja efetiva nos corações dos homens e mulheres (Mateus 13.38; Marcos 4.15; Lucas 8.12).

q  Repreendeu aqueles que não eram corretos com Deus como sendo do “vosso Pai, o diabo” (João 8.44-47).

q  Revelou a Satanás como o “príncipe deste mundo” (João 14.30).

 

A GRANDE DIVISÃO

 

Ainda que Jesus tenha vindo para trazer a paz de Deus (João 14.27; Filipenses 4.7) e a paz com Deus (Romanos 5.1), sua vinda também trouxe divisão:

 

“Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. Pois vim causar divisão entre o homem e seu pai; entre a filha e sua mãe e entre a nora e sua sogra. Assim, os inimigos do homem serão os da sua própria casa” (Mateus 10.34-36).

 

Jesus dividiu a todos os homens em dois campos de batalha. Não é possível ser neutro:

 

“Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas” (Mateus 6.24).

 

“Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha” (Lucas 11.23).

 

Jesus falou desta grande divisão na história dos dois caminhos, um que era estreito e outro que era largo. Advertiu sobre o engano do caminho largo de Satanás, no qual muitos entram por ele (Mateus 7.13-14). Mediante a história do rico e Lázaro (Lucas 16.19-31), Jesus removeu o véu entre a vida e a morte. Ele permitiu que os homens vissem o resultado final e de escolher o caminho errado.

 

Devido ao fato Dele ter expulsado e destruído as obras do diabo, Jesus esteve debaixo de ataque durante toda a Sua vida terrena. O inimigo constantemente tratou de destruí-lo ou de evitar que Ele cumprisse a missão para a qual Ele veio ao mundo. No momento em que nasceu, houve o primeiro atentado contra Sua vida. Durante Seu ministério público houve diferentes conspirações contra a Sua vida e ao menos um atentado que foi abortado. Ele encontrou a oposição dos poderes demoníacos, dos líderes religiosos, Seus próprios seguidores e Satanás.

 

Quando você alinha com o plano e propósitos de Jesus ao aceitá-lo como Seu Salvador, você se torna parte do exército que guerreia contra Satanás. Os propósitos de Jesus se convertem em seus propósitos e isso lhe coloca em uma posição tática de direta oposição ao inimigo.

 

O PLANO DE BATALHA

 

Existem muitas estratégias bíblicas diferentes que podem ser usadas na guerra espiritual, porém o plano básico de batalha para os crentes é revelado ao observar como Jesus tratou com o inimigo.

 

O plano básico de batalha para a guerra espiritual está baseado em seis pontos principais. Estes são:

 

q  A Palavra de Deus.

q  Delegação de poder e autoridade.

q  Oração

q  Jejum.

q  As chaves do Reino.

q  O Nome de Jesus.

 

A PALAVRA DE DEUS

 

Uma confrontação direta entre Jesus e Satanás veio durante um período especial de tentação pelo inimigo. Neste encontro, uma das porções principais de nosso plano de batalha espiritual foi revelada. Antes de proceder com esta lição, leia os registros da tentação em Mateus 4.1-11; Marcos 1:12-13, e Lucas 4:1-13.

 

Primeiro Satanás tratou de convencer a Jesus que convertesse pedras em pão. O poder de Jesus que converteu água em vinho seguramente poderia ter convertido pedras em pão. Porém, fazer isso nesta situação teria sido atuar independentemente de Deus e usar Seu poder para o benefício pessoal.

 

Depois Satanás tratou de fazer com que Jesus se lançasse do pináculo do Tempo. Considere que Satanás disse “Lança-te”. Satanás não podia lançá-lo, porque o poder de Satanás é limitado.

 

Satanás pode persuadir-lhe a pecar, porém ele não pode obrigá-lo. Como você aprendeu cada homem é tentado quando é atraído por seus próprios desejos. Ele não é forçado, ma sim seduzido. Nesta tentação, Satanás usou a Palavra de Deus para fundamentar seu apelo, porém, não a aplicou corretamente (Mateus 4.6). Aplicação errônea da Palavra de Deus é uma das estratégias fundamentais de Satanás.

 

Nas duas primeiras tentações Satanás disse “Se você é o Filho de Deus”, faça estas coisas. Se Jesus tivesse obedecido, isso teria sido o mesmo que admitir que a confirmação da parte do Pai de que Ele Seu Filho era inadequada. Deus já havia falado desde o céu confirmando esta relação (Mateus 3.17). Satanás sempre centraliza seus ataques em sua relação com Deus. A tentação final foi uma intenção de receber adoração. Em resposta, Satanás entregaria a Jesus todos os reinos do mundo.

 

Nestas três situações de tentação você pode ver as forças do mal do mundo, carne e diabo batalhando contra Jesus. Jesus confrontou as tentações de Satanás com a Palavra de Deus. A Bíblia é uma arma espiritual muito importante é parte da armadura de Deus que você estudará depois. É chamado de “a espada do Espírito”. A Palavra de Deus é o único manual divinamente inspirado para a guerra espiritual. Outros livros são úteis somente na medida em que estão em harmonia com a Palavra de Deus.

 

Ao confrontar as tentações de Satanás, Jesus usou a Palavra de Deus. Jesus citou as Escrituras específicas aplicáveis à batalha imediata. Não citou passagens de cronologia ou história do Antigo Testamento. Jesus disse “está escrito...”. Quando você usa as Escrituras específicas, assegure-se que elas estão em equilíbrio com o restante da Palavra de Deus. Devem ser vistas em seu contexto e aplicadas em harmonia com a totalidade da Palavra revelada de Deus.

Com vistas a usar a Palavra de Deus efetivamente na guerra espiritual, você deve reconhecê-la como a Palavra de Deus. Deve estudá-la, meditar, e memorizá-la. Muitas derrotas na vida vêm porque não conhecemos a Palavra de Deus:

 

“Respondeu-lhes Jesus: Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus” (Mateus 22.29).

 

A Palavra de Deus é nosso manual de guerra e revela o plano espiritual de Deus para a batalha.

 

PODER E AUTORIDADE DELEGADA

 

A segunda parte do plano de batalha está baseada no poder e autoridade sobre Satanás que foram delegadas por Jesus aos Seus seguidores:

 

“Tendo Jesus convocado os doze, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para efetuarem curas”  (Lucas9.1).

 

Autoridade e poder são duas coisas diferentes. Considere o exemplo de um policial. Ele tem uma insígnia e um uniforme que são símbolos de sua autoridade. Sua autoridade vem por causa de sua posição no governo. Porém, visto que nem todas as pessoas respeitam essa autoridade, o policial também tem uma arma. A arma é seu poder.

 

Sua autoridade sobre o inimigo vem mediante Jesus Cristo e sua posição Nele como crente. Seu poder sobre o inimigo vem mediante o Espírito Santo:

 

“Eis que envio sobre vós a promessa de meu Pai; permanecei, pois, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder” (Lucas 24.49).

 

Como o policial, você deve ter tanta autoridade como poder para ser efetivo. Alguns crentes recebem autoridade mediante a experiência do novo nascimento e sua posição em Cristo, porém nunca seguem adiante para receber o poder do Espírito Santo, o qual tem que ser combinado com a autoridade para uma guerra efetiva.

 

O poder que Jesus deu é poder para propósitos específicos. Estes incluem:

 

PODER SOBRE O INIMIGO:

 

“Tendo Jesus convocado os doze, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para efetuarem curas” (Lucas 9.1).

 

PODER SOBRE O PECADO:

 

“E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. Se de alguns perdoarem os pecados, são lhes perdoados; se lhos retiverdes, são retidos” (João 20.22-23).

 

PODER PARA ESTENDER O EVANGELHO:

 

“Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra”  (Atos1.8).

 

ORAÇÃO

 

Oração é a terceira parte do plano básico de batalha. Aqui está uma referência detalhada para ajudá-lo no estudo sobre a oração:

 

A DEFINIÇÃO DE ORAÇÃO:

 

A oração é comunhão com Deus. Assume diferentes formas, porém basicamente ocorre quando um homem fala com Deus e Deus fala com o homem. A oração é descrita como:

 

q  Invocação do nome do Senhor: Gênesis 12.8.

q  Clamor a Deus: Salmos 27.7; 34.6.

q  Aproximar-se de Deus: Salmos 73.28; Hebreus 10.22.

q  Buscar: Salmos 5.3.

q  Elevar a alma: Salmos 25.1.

q  Elevar o coração: Lamentações 3.41.

q  Derramar o coração: Salmos 62.8.

q  Derramar a alma: 1 Samuel 1.15.

q  Chamar o céu: 2 Crônicas 32.20.

q  Suplicar ao Senhor: Êxodo 32.11.

q  Buscar a Deus: Jó 8.5.

q  Buscar o rosto do Senhor: Salmos 27.8.

q  Fazer súplicas: Jó 8.5; Jeremias 36.7.

 

A VIDA DE ORAÇÃO DE JESUS:

 

A oração foi uma estratégia importante do Senhor Jesus:

 

Jesus fez da oração uma prioridade:

 

q  Orou em qualquer momento do dia ou da noite: Lucas 6.12-13.

q  Teve prioridade sobre o comer: João 4.31-32.

q  Teve prioridade sobre os negócios: João 4.31-32.

 

A oração acompanhou cada evento de importância:

 

q  Em Seu batismo: Lucas 3.21-22.

q  Durante sua primeira viagem ministerial: Marcos 1.35; Lucas 5.16.

q  Antes da escolha dos discípulos: Lucas 6.12-13.

q  Antes e depois da alimentação dos 5.000: Mateus 14.19, 23; Marcos 6.41,

q  46; João 6.11, 14-15.

q  Depois da alimentação dos 4.000: Mateus 15.36; Marcos 8.6, 7.

q  Antes da confissão de Pedro: Lucas 9.18.

q  Antes da transfiguração: Lucas 9.28, 29.

q  Ao regresso dos 70: Mateus 11.25; Lucas 10.21.

q  Na tumba de Lázaro: João 11.41-42.

q  Na bênção das crianças: Mateus 19.13.

q  À chegada de certos gregos: João 12.27-28.

q  Diante da hora de Sua maior angústia: Mateus 26.26-27; Marcos 14.22-23; Lucas 22.17-19.

q  Por Pedro: Lucas 22.32.

q  Pela vinda do Espírito Santo: João 14.1-6.

q  No caminho a Emaús: Lucas 24.30-31.

q  Antes de Sua ascensão: Lucas 24,50-53.

q  Por Seus seguidores: João 17.

q  A oração que Jesus ensinou está registrada em Mateus 6.9-13.

 

TIPOS DE ORAÇÃO:

 

Paulo exorta aos crentes a orar sempre com “toda oração” (Efésios 6.18). Outra tradução da Bíblia diz “orando com todo tipo de oração” (tradução Goodseed). Isto se refere aos vários níveis e tipos de oração.

 

Níveis de oração:

 

Há três níveis de intensidade na oração: pedir, buscar e bater:

 

“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei, e abrir-se-vos á. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e, a quem bate, abrir-se-lhe-á” (Mateus 7.7-8).

 

Pedir é o primeiro nível de oração. É simplesmente apresentar um pedido a Deus e receber uma resposta imediata. Para receber, a condição é pedir:

“Cobiçais e nada tendes; matais, e invejais, e nada podeis obter; viveis a lutar e a fazer guerras. Nada tendes, porque não pedis” (Tiago 4.2).

 

Temos a poderosa arma espiritual da oração, porém muitos não a usam. Eles não pedem, e por causa disso não recebem.

 

Buscar é um nível mais profundo de oração. Este é o nível de oração no qual as repostas não são tão imediatas como no nível de pedir. Os 120 se reuniram no cenáculo onde “continuaram” em oração como um exemplo de buscar. Estes homens e mulheres buscavam o cumprimento da promessa do Espírito Santo e continuaram “buscando” até que a resposta veio (Atos 1-2).

 

Bater é um nível ainda mais profundo. É oração persistente quando as respostas atrasam a chegar. É ilustrado pela parábola de Jesus contada em Lucas 11.5-10. O nível de bater é o nível mais intenso da guerra espiritual em oração. É ilustrado pela persistência de Daniel que continuou bater apesar de não ver resultados visíveis, já que Satanás impedia a resposta de Deus (Dan.10).

 

Tipos De Oração:

Há vários tipos de oração ilustrados no modelo de oração dado pelo Senhor (Mateus 6.9-13).

 

Os tipos de oração incluem:

 

1.            Adoração e Louvor:

 

Você entra na presença de Deus com louvor e adoração:

 

“Entrai por suas portas com ações de graças e nos seus átrios, com hinos de louvor; rendei-lhe graças e bendizei-lhe o nome” (Salmos 100.4).

 

Adoração é render honra e devoção. Louvor é ação de graças e uma declaração de gratidão não somente pelo que Deus tem feito, mas também por quem Ele é. Você deve adorar a Deus em espírito e em verdade:

 

“Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores. Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem e espírito e em verdade” (João 4.23-24).

 

O louvor e adoração podem ser:

 

q  Com Cânticos: Salmos 9.2, 11; 40.3; Marcos 14.26.

q  Com Louvor Audível: Salmos 103.1.

q  Com Gritos: Salmos 47.1.

q  Com Instrumentos musicais: Salmos 150.3-5.

q  De Pé: 2 Crônicas 20.19.

q  Prostrado: Salmos 95.6.

q  Ajoelhado: Salmos 95.6.

q  Deitado: Salmos 149.5

O guerreiro de Deus no mundo espiritual é mostrado assim...

 

“Nos seus lábios estejam os altos louvores de Deus, nas suas mãos, espada de dois gumes” (Salmos 149.6).

 

2.                        Compromisso

 

Esta é a oração comprometendo sua vida e vontade a Deus. Inclui orações de consagração e dedicação.

 

3.            Petição:

 

As orações de petição são os pedidos. Os pedidos devem ser feitos segundo a vontade de Deus revelada em Sua Palavra escrita. As petições podem estar no nível de pedir, buscar ou bater. Súplica é outra palavra para este tipo de oração. A palavra súplica “implorar a Deus ou apelar ardentemente a Ele por causa de uma necessidade”.

 

4.            Arrependimento e confissão:

 

Uma oração de confissão é arrepender-se e pedir perdão pelo pecado:

 

“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1João 1.9).

 

5.                        Intercessão:

Intercessão é oração por outros. Um intercessor é aquele que toma o lugar de outro ou pede pelo caso de outro. A Bíblia registra que em um tempo Deu olhou a terra e viu que não havia intercessor:

 

“Viu que não havia ajudador algum e maravilhou-se de que não houvesse um intercessor; pelo que o seu próprio braço lhe trouxe a salvação, e a sua própria justiça o susteve” (Isaías 59.16).

 

Quando Deus viu que não havia intercessor, Ele supriu a necessidade. Ele enviou Jesus:

 

“Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem” (1 Timóteo 2.5).

 

“Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós” (Romanos 8.34).

 

“Por isso, também pode salvar totalmente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles” (Hebreus 7.25).

 

“Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo” (1 João 2.1).

Um advogado em uma corte de justiça é um assistente legal ou um conselheiro que pede pela causa de outro. A intercessão na guerra espiritual é orar a Deus a favor de outra pessoa. Algumas vezes está intercessão é com entendimento. Você intercede em sua própria língua nativa:

 

“Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranqüila e mansa, com toda piedade e respeito” (1 Timóteo 2.1-2).

 

Em outras ocasiões, a intercessão é feita pelo Espírito Santo. Pode ser com gemidos resultantes de uma pesada carga espiritual. Pode ser em uma língua desconhecida. Pode ser intercessão por outro ou o Espírito Santo intercedendo por você. Quando isto acontece, o Espírito Santo fala por meio de você orando diretamente a Deus e segundo a vontade de Deus. Você não entende este tipo de intercessão:

 

“Também o Espírito, semelhantemente, nos assiste em nossa fraqueza; porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós sobremaneira, com gemidos inexprimíveis” (Romanos 8.26).

 

Este é o nível mais profundo de oração intercessora e o mais efetivo na guerra espiritual.

 

O MODELO DE ORAÇÃO:

 

Durante o ministério terreno de Jesus Seus discípulos uma vez vieram a Ele com um pedido interessante:

 

“De uma feita, estava Jesus orando em certo lugar; quando terminou, um dos seus discípulos lhe pediu: Senhor, ensina-nos a orar como também João ensinou aos seus discípulos” (Lucas 11.1).

 

Os discípulos não perguntaram sobre como pregar ou realizar milagres. Não buscaram lições sobre como construir relações mais duradouras. Não inquiriram sobre a cura física. Pediram que Ele lhes ensinasse a orar.

 

O que produziu este desejo? Foi o efeito visível da oração na vida e ministério de Jesus. Os discípulos haviam presenciado os poderosos resultados desta estratégia espiritual em ação.

 

Leia o modelo de oração e observe os vários tipos de oração que temos discutido: (Mateus 6.9-13)

 

q  Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino –  Louvor e adoração.

q  Faça-se a tua vontade assim na terra como no céu – Compromisso.

q  O pão nosso de cada dia, dá-nos hoje. – a Petição

q  E perdoa-nos nossas dívidas, como também nós perdoamos a nossos  devedores – Confissão e intercessão.

q  E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal – Petição.

q  Pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre Amém! – Louvor e adoração.

 

COMO ORAR:

 

Procure cada uma das seguintes referências em sua Bíblia para aprender como deve orar:

 

q  A oração é para ser feita a Deus: Salmos 5.2.

q  A vã repetição está proibida, porém a repetição sincera não: Mateus 6.7; Daniel 6.10; Lucas 11.5-13; 18.1-8.

q  Você peca ao negar-se a orar pelos outros: 1 Samuel 12.33.

q  Orar com entendimento (em uma língua conhecida): Efésios 6.18.

q  Orar no Espírito: Romanos 8.26; Judas 20.

q  Orar conforme a vontade de Deus: 1 João 5.14-15.

q  Orar em secreto: Mateus 6.6.

q  Busca-se mais qualidade do que quantidade. A oração não é vitoriosa por causa do “muito falar”: Mateus 6.7.

q  Orar sempre: Lucas 21.36; Efésios 6.18.

q  Orar continuamente: Romanos 12.12.

q  Orar sem cessar: 1 Tessalonicenses 5.17.

q  Orar ao Pai em nome de Jesus: João 15.16.

q  Com uma atitude atenta: 1 Pedro 4.7.

q  Conforme o exemplo do modelo de oração: Mateus 6.9-13.

q  Orar com um espírito perdoador: Marcos 11.25.

q  Orar com humildade: Mateus 6.7.

q  Algumas vezes a oração é acompanhada do jejum: Mateus 17.21.

q  Orar fervorosamente: Tiago 5.16; Colossenses 4.12.

q  Orar com submissão a Deus: Lucas 22.42.

q  Usar as estratégias de atar e desatar em oração: Mateus 16.19.

 

PELO QUE VOCÊ DEVE ORAR:

 

q  Pela paz de Jerusalém: Salmos 112.6.

q  Obreiros na colheita: Mateus 9.38.

q  Que você não entre em tentação: Lucas 22.40-46.

q  Por aqueles que lhe amaldiçoam e vituperam (seus inimigos): Lucas 6.28.

q  Por todos os santos: Efésios 6.18.

q  O enfermo: Tiago 5.14.

q  Uns pelos outros (levando as cargas uns dos outros): Tiago 5.16.

q  Por todos os homens, reis e aqueles em autoridade: 1 Timóteo 2.1-4.

q  Pelas necessidades diárias: Mateus 6.11.

q  Por sabedoria: Tiago 1.5.

q  Por cura: Tiago 5.14-15.

q  Por perdão: Mateus 6.12.

q  Para que se faça a vontade de Deus e que Seu reino seja estabelecido: Mateus 6.10.

q  Por ajuda na aflição: Tiago 5.13.

 

ORAR AS PROMESSAS:

 

“Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres” (Tiago 4.3).

 

Deus responde à oração conforme as Suas promessas. Quando você não pede sobre a base destas promessas, sua oração não é respondida. É semelhante à maneira na qual um pai se relaciona com seus filhos. Nenhum pai se compromete em dar a seus jovens quaisquer coisas que queiram ou peçam. Ele deixa clara que fará certas coisas e não outras. Dentro destes limites o pai responde os pedidos de seus filhos. Da mesma maneira é com Deus. Ele tem dado promessas e elas constituem a base apropriada para a oração. Aprendamos o que Deus tem prometido e oremos conforme as promessas de Deus. Uma maneira de fazer isso é ir pela Bíblia e marcar todas as promessas que Deus tem feito. Use sua Bíblia na medida em que você ora e baseie suas orações sobre estas promessas.

 

OBSTÁCULOS À ORAÇÃO:

 

q  Pecado de qualquer tipo: Isa. 59:1-2; Sal. 66:18; Isa. 1:15; Prov. 28:9.

q  Ídolos no coração: Ezequiel 14:1-3.

q  Um espírito não perdoador: Marcos 11.25; Mateus 5.23.

q  Egoísmo, motivos equivocados: Provérbios 21.13; Tiago 4.3.

q  Fome de poder, orações manipuladoras: Tiago 4.2-3.

q  Maus tratos da companheira de matrimônio: 1 Pedro 3.7.

q  Auto justificação: Lucas 18.10-14.

q  Incredulidade: Tiago 1.6-7.

q  Não permanecer em Cristo e em Sua Palavra: João 15.7.

q  Falta de compaixão: Provérbios 21.13.

q  Hipocrisia, orgulho, repetições sem sentido: Mateus 6.5; Jó 35.12-13.

q  Por não pedir conforme a vontade de Deus: João 16.24.

q  Impedimentos de demônios: Daniel 10.10-13; Efésios 6.12.

q  Por não buscar primeiro o Reino: é somente quando você busca o reino de

q  Deus que se lhe prometem as “outras coisas”: Mateus 6.33.

q  Deus tem um propósito maior ao negar seu pedido: 2 Coríntios 12.8-9.

q  Quando você não sabe orar como convém, a oração é impedida. É por isso que é importante permitir ao Espírito Santo orar através de ti: Rom.8:26.

 

QUANDO ORAR:

 

É importante aprender a esperar diante do Senhor em oração por Sua direção antes de agir. Porém, é igualmente importante saber quando não orar. Quando Deus chama você à ação, você deve agir não continuar orando. Por exemplo, as águas amargas de Mara quando Moisés clamou ao senhor, Deus lhe mostrou exatamente o que fazer para adocicar as águas. Não havia necessidade de esperar adicionalmente no Senhor em oração. Moisés teria que agir baseando-se no que Deus havia revelado. O mesmo aconteceu com Josué quando ele orou por causa da terrível derrota de Israel em Ai. Deus revelou que havia pecado entre o povo de Israel. Ele disse a Josué...

 

“Então, disse o SENHOR a Josué: Levanta-te! Por que estás prostrado assim sobre o rosto?... Dispõe-te, santifica o povo...” (Josué 7.10, 12-13).

 

Não era tempo de orar. Era tempo de agir na direção dada em oração. Algumas pessoas usam a oração como uma desculpa para evitar comprometer-se e agir em função do que deus lhe disse que faria.

 

Outros continuam orando quando Deus já tem respondido, porém não gostam da resposta. Reveja a história de Balaão em Números 22. Leve em conta especialmente os versículos 18-19. Balaão não tinha direito de ir a Deus com o mesmo assunto porque Deus lhe havia proibido claramente ter algo a ver com ele (veja versículo 12).

 

JEJUM

 

O jejum é a quarta parte de nosso plano de batalha. É combinado com oração para travar uma guerra efetiva no mundo espiritual.

 

A DEFINIÇÃO DE JEJUM:

 

Jejum, em sua definição mais simples, é não comer.

 

TIPOS DE JEJUM:

 

De acordo com a Bíblia há dois tipos de jejuns. O jejum total é quando você não come ou bebe em absoluto. Um exemplo disto é encontrado em Atos 9.9. O jejum parcial é o caso de uma dieta restrita. Um exemplo está em Daniel 10.3.

 

JEJUM PÚBLICO E PRIVADO:

 

O jejum é um assunto pessoal entre Deus e um indivíduo. É para ser feito em privado e não é motivo de jactância:

 

“Quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas; porque desfiguram o rosto com o fim de parecer aos homens que jejuam. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa. Tu, porém, quando jejuares, unge a cabeça e lava o rosto, com o fim de não parecer aos homens que jejuas, e sim ao teu Pai, em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará” (Mateus 6.16-18).

 

Os líderes podem convocar um jejum público e solicitar que a igreja toda jejue:

 

“Tocai a trombeta em Sião, promulgai um santo jejum, proclamai uma assembleia solene” (Joel 2.15).

 

OS PROPÓSITOS DO JEJUM:

 

Há propósitos espirituais definidos para o jejum. É importante que você entenda isto, visto que se você jejua pelos motivos equivocados você será ineficaz. Estude cada uma das seguintes referências relacionadas com os propósitos do jejum. Revelam o grande poder do jejum na guerra espiritual.

 

Você jejua:

 

q  Para humilhar-se a si mesmo: Salmos 35.13; 69.10.

q  Para arrepender-se do pecado: Joel 2.12.

q  Por revelação: Daniel 9.2; 3.21-22.

q  Para soltar ligaduras de maldade, levantar jugos pesados, liberar os oprimidos e romper todo o jugo: Isaías 58.6.

q  Para alimentar o faminto, tanto física como espiritualmente: Isaías 58:7.

q  Para ser escutado por Deus: 2 Samuel 12.16, 22; Jonas 3:5, 10.

 

O jejum não muda a Deus. Ele muda a você. Deus se relaciona com você com base em seu relacionamento com Ele. Quando você muda, então a maneira na qual Deus trata com você é afetada. Você não jejua para mudar a Deus, porque Deus não muda. Porém, jejuar muda como Ele trata com você. Leia o livro de Jonas como um exemplo de como isto aconteceu na cidade de Nínive.

 

DURAÇÃO DO JEJUM:

 

Quanto você jejuará depende do que Deus fala dentro de seu espírito. Ele pode guiá-lo a jejuar por um período curto ou longo. Você se lembra da história de Esaú e Jacó? Jacó estava originalmente fazendo uma comida para si mesmo, porém negou-se a si mesmo para obter o direito de primogenitura. Quão melhor teria sido se Esaú tivesse jejuado!

 

AS CHAVES DO REINO

 

Jesus deu aos crentes as chaves do Reino. Essas chaves incluem o poder para atar e desatar e elas são a quinta parte de nosso plano básico de batalha:

“Dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra terá sido ligado nos céus; e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus” (Mateus 16.19).

 

Jesus ensinou a importância de atar os espíritos demoníacos antes de expulsá-los. Porém, o princípio de atar (e desatar) é mais do que lançar fora os demônios. Você pode atar o poder do inimigo para não operar em sua vida, lar, comunidade e igreja. Você pode desatar a homens e mulheres do jugo do pecado, depressão e do desânimo do inimigo.

 

O princípio de atar e desatar são uma importante estratégia para vencer o poder do inimigo. É uma chave do Reino de Deus. Em cada situação que você confronta, cada problema, cada desafio há uma chave espiritual. Essa chave é o exercício do princípio de atar e desatar. Quando você reconhece o que é atar e o que é desatar e você age com base nisso, o inimigo será derrotado.

 

O NOME DE JESUS

 

A parte final do plano básico de batalha se encontra no nome de Jesus. A Palavra de Deus é para ser aplicada em Seu nome; a oração, jejum, nosso poder e autoridade delegada, e as chaves do reino devem ser usados todos em Seu nome:

 

“Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei”(João 14.14). “Naquele dia, nada me perguntareis. Em verdade, em verdade vos digo: se pedirdes alguma coisa ao Pai, ele vo-la concederá em meu nome” (João 16.23).

 

“Estes sinais hão de acompanhar aqueles que creem: em meu nome, expelirão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados” (Marcos 16.17-18).

 

“Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século”

(Mateus 28.18-20).

 

Você tem que ensinar a expulsar demônios, curar o enfermo e vencer cada poder do inimigo mediante o nome de Jesus. É mais poderoso do que qualquer outro nome:

 

“Acima de todo principado, e potestade, e poder, e domínio, e de todo nome que se possa referir, não só no presente século, mas também no vindouro” (Efésios 1.21).

 

“Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai” (Fp 2.9-11).

 

UMA ESTRATÉGIA VENCEDORA

 

Jesus enfrentou cada tentação do inimigo que nós enfrentamos, porém ELE venceu estas tentações sem pecar. Visto que Ele entrou na arena da guerra espiritual, Ele entende suas batalhas e lhe fortalece:

 

“Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado” (Hebreus 4.15).

 

Visto que Ele saiu vitorioso, você também pode ser um vencedor:

 

“Pois, naquilo que ele mesmo sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que são tentados” (Hebreus 2.18).

 

Leia a história da morte e ressurreição de Jesus em Mateus 26 a 28; Marcos 14 a 16; Lucas 22 a 24; João 18 a 21. A morte e ressurreição de Jesus Cristo foram a maior confrontação que já ocorreu entre o poder de Satanás e o poder de Deus.

 

Mediante a morte de Jesus, Satanás pensou que havia destruído o plano de Deus. Ele havia matado o único Filho de Deus. Que ele havia destruído o Rei que deveria reinar sobre o Reino de Deus. Porém, Jesus disse:

 

“Acaso, pensas que não posso rogar a meu Pai, e ele me mandaria neste momento mais de doze legiões de anjos? Como, pois, se cumpririam as Escrituras, segundo as quais assim deve suceder?” (Mateus 26.53-54).

 

“Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que não fosse eu entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui” (João 18.36).

 

“Respondeu Jesus: Nenhuma autoridade terias sobre mim, se de cima não te fosse dada; por isso, quem me entregou a ti maior pecado tem” (João 19.11).

 

Jesus não morreu porque Seu poder fora menor que o do inimigo. Sua morte não terminou com o plano do Reino de Deus. Não era o tempo para que SEU Reino visível se estabelecesse no mundo.

 

A morte de Jesus cumpriu o plano de Deus. Os homens agora podem ser salvos do jugo do pecado e da pena da “segunda morte” (separação eterna de Deus por causa do pecado).

 

Apesar de ter sigo grande, a salvação do pecado não foi a única vitória conquistada por Jesus mediante Sua morte na cruz. Mediante Sua morte e ressurreição, Jesus derrotou todo o poder do inimigo:

 

“Por isso, diz: Quando ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro e concedeu dons aos homens. Ora, que quer dizer subiu, senão que também havia descido às regiões inferiores da terra? Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas”

(Efésios 4.8-10).

 

“E, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz”  (Colossenses 2.15).

 

Jesus derrotou cada poder do inimigo, incluindo a morte. Também julgou a Satanás:

 

“Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso” (João 12.31).

 

q  Jesus fez um caminho de salvação.

q  Jesus derrotou a morte e os principados e os poderes do inimigo.

q  Restaurou ao homem o domínio sobre todas as coisas.

q  Pronunciou juízo sobre Satanás o qual será cumprido no futuro.

 

Como você aprendeu, a presente situação é semelhante às condições que existem em certos países no mundo natural. Os poderes das forças rebeldes serão derrotados pelo governo. O líder rebelde estará debaixo de juízo, porém ainda estará livre. As forças da resistência sob sua direção ainda pelejam na terra.

 

Jesus conquistou a Satanás e pronunciou Seu juízo. Porém Satanás ainda está livre e suas forças de poderes demoníacos, a carne e o mundo estão ainda guerreando na terra. Tratam de controlar o território que é legitimamente do Conquistador. Tratam de cegar aos homens ao fato de que Satanás tem sido derrotado e que está debaixo de juízo. Tratam de controlar os lares, igrejas e nações.

 

Ali é onde a guerra do crente entra em foco. Jesus derrotou o inimigo, porém Satanás permanece livre no mundo. É nosso objetivo abrir os olhos dos homens e mulheres a seu engano e retomar o controle do território que é legitimamente nosso.

 

Sua batalha pessoal continuará até que o juízo sobre Satanás seja executado ou até que você parta para estar com Jesus mediante a morte, o que vier primeiro:

 

“Para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais” (Efésios 3.10).

 

VENCEDORES, NÃO VÍTIMAS

 

Mediante Jesus, você é um vencedor sobre o inimigo em lugar de uma vítima do inimigo:

 

“E pôs todas as coisas debaixo dos pés, e para ser o cabeça sobre todas as coisas, o deu à igreja, a qual é o seu corpo, a plenitude daquele que a tudo enche em todas as coisas” (Efésios 1.22-23).

 

Todas as coisas estão “sob os pés” de Jesus. Isto significa que Ele as tem conquistado. Ele é a cabeça da Igreja, e nós somos o corpo. Está declarado que todas as coisas estão sob Seus pés, o que significa sob Seu corpo, a Igreja. Significa que somos vencedores, não vítimas. Você pode ser guardado do poder de Satanás. Jesus mesmo orou para que sejamos guardados do poder do diabo.

 

“Não peço que os tires do mundo, e sim que os guardes do mal... Não rogo somente por estes, mas também por aqueles  que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra”(João 17.15, 20).

 

Você é um conquistador, não mediante seu próprio poder se não mediante o poder de alguém maior:

 

“Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou” (Romanos 8.37).

 

Quando a batalha espiritual se torna dura, só lembre que a Bíblia assegura que os propósitos de Deus serão cumpridos:

 

“Jurou o SENHOR dos Exércitos, dizendo: Como pensei, assim sucederá, e, como determinei, assim se efetuará” (Isaías14.24).

 

“Este é o desígnio que se formou concernente a toda a terra; e esta é a mão que está estendida sobre todas as nações. Porque o SENHOR dos Exércitos o determinou; quem, pois, o invalidará? A sua mão está estendida; quem, pois, a fará voltar atrás?” (Isaías 14.26-27).

 

O Senhor dos exércitos tem um propósito, e nenhuma força do mundo, carne, demônios, inferno ou Satanás em pessoa o anulará. O plano básico de batalha que você tem estudado nesta lição assegurará sua vitória espiritual! Agora que você entende o plano, você está pronto para ser mobilizado para a guerra e armado para a ação. Você começara esse processo no próximo capítulo.

 

INSPEÇÃO

 

1. Escreva o versículo-chave das cláusulas de guerra.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

2. Qual é o propósito de Deus?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

3. Por qual propósito Jesus veio ao mundo?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

4. Qual é o plano em seu ponto de vista, de Deus para a guerra espiritual?

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

 

 

 

 

 

MANOBRAS TÁTICAS

 

 

1.            Nesta lição você aprendeu da importância da Palavra de Deus na guerra espiritual. O Instituto Tempo de Colheita oferece dois cursos que aumentarão sua habilidade de conhecer e usar a Palavra de Deus. Escreva-nos para informações sobre os cursos “Métodos Criativo de Estudo Bíblico” e “Estudo Básico da Bíblia”.

 

2.            Nesta lição, você aprendeu que Jesus veio para destruir as obras de Satanás. Leia mais sobre os propósitos de Jesus nos seguintes versículos: Lucas 4.18-19; 4.43; 19.10: 24.46-49; João 6.38; 9.4; 12.46; 18.37. Leia a declaração do propósito de Deus e como ele se relaciona com Jesus: João 3:16-18; Efésios 1:9-10.

 

3.            Jesus teve vários encontros com espíritos demoníacos. Porém, os espíritos demoníacos e a tentação de Satanás não foram as únicas batalhas que Jesus pelejou. Satanás também usou aos homens que estavam perto de Jesus para pelejar contra Ele:

 

PEDRO:

 

Simão Pedro foi um dos doze discípulos escolhidos por Jesus, ainda que algumas vezes Pedro foi usado por Satanás para batalhar contra Jesus. Quando Jesus havia revelado Sua morte futura, Pedro começou a repreendê-lo por dizer tais coisas (Marcos 8.32). Jesus disse a Pedro...

 

“Jesus, porém, voltou-se e, fitando os seus discípulos, repreendeu a Pedro e disse: Arreda, Satanás! Porque não cogitas das coisas de Deus, e sim das dos homens” (Marcos 8.33).

 

Jesus não queria dizer que Pedro fosse o próprio Satanás, mas sim que Pedro estava sendo usado por Satanás nesse momento em particular. Uma das principias estratégias de Satanás é usar aqueles próximos a você para tratar de impedir-lhe de fazer a vontade de Deus. Como Jesus, você deve colocar suas persuasões para trás de si. Satanás está usando alguém próximo a ti para tratar de impedir-lhe de fazer a vontade de Deus?

 

Tempo depois, quando Pedro prometeu lealdade ao Senhor, Jesus lhe disse:

 

“Simão, Simão, eis que Satanás vos reclamou para vos peneirar como trigo! Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; tu, pois, quando te converteres, fortalece os teus irmãos” (Lucas 22.31-32).

 

Jesus sabia que quando o tempo da crucificação se aproximasse Pedro o negaria. Ele viu como o inimigo deseja tirar tudo o que havia de bom na vida de Pedro. Porém, Jesus também podia ver o grande potencial de Pedro. Ele sabia um dia Pedro se levantaria como um grande líder da igreja primitiva.

 

JUDAS:

 

Judas foi um dos doze discípulos originais escolhidos por Jesus. Jesus sabia desde o princípio como o inimigo usaria este homem:

 

“Replicou-lhes Jesus: Não vos escolhi eu em número de doze? Contudo, um de vós é diabo. Referia-se ele a Judas, filho de Simão Iscariotes; porque era quem estava para traí-lo, sendo um dos doze” (João 6.70-71).

 

Leia a traição de Jesus por Judas em Mateus 26.20-25 e João 13.21-30.

 

Satanás tem usado pessoas próximas para trair-lhe e ferir-lhe?

 

Como Jesus, você não pode permitir que isso lhe desanime quanto ao propósito que o Senhor tem determinado para você.

 

4.            Leia Malaquias 1.13. O profeta enfatiza que em seu tempo alguns estavam tão entediados com suas observâncias religiosas que disseram, “que canseira”. Talvez esta gente nunca aprendesse como adorar?

 

Estude mais sobre a adoração: Salmos 5:7; 22:27; 29:2; 45:11; 66:4; 86:9; 95:6; 96:9; 97:7; 99:5, 9; Êxodo 34:14; 1 Crônicas 16:29; Mateus 15:9; Marcos 7:7; João 4:23-24; Filipenses 3:3.

 

O curso do Instituto Internacional Tempo de Colheita chamado “Metodologias de Mobilização” contém informação adicional sobre o assunto de adoração.

 

5.         Estude mais sobre o louvor no livro dos Salmos. Marque a palavra “louvor” cada vez que aparece nos Salmos, depois retorne e estude todos os versículos que você marcou.

 

6.         Aqui estão mais fatos sobre a oração:

 

As Respostas à oração estão garantidas:

 

q  Imediatamente em certas ocasiões: Isaías 65.24; Daniel 9.21-23.

q  Tardia em certos tempos: Lucas 18.7.

q  Em certas ocasiões, diferente de nossos desejos: 2 Coríntios 12.8-9.

q  Mais além de nossas expectativas: Jeremias 33.3; Efésios 3.20.

 

Diferentes posturas podem ser usadas na oração:

 

q  Parado: 1 Reis 8.22; Marcos 11.25.

q  Prostrado: Salmos 95.6.

q  Ajoelhado: 2 Crônicas 6.13; Salmos 95.6; Lucas 22.41; Atos 20.36.

q  Prostrado sobre o rosto: Números 16.22; Josué 5.14; 1 Crônicas 21.16; Mateus 26.39.

q  Com as mãos estendidas: Isaías 1.15; 2 Crônicas 6.13.

q  Com as mãos levantadas: Salmos 28.2; Lamentações 2.19; 1 Timóteo 2.8.

 

Problemas comuns que você necessita vencer para orar:

 

q  Falta de Tempo

q  Distrações

q  Cansaço

q  Falta de Desejo

 

Organizando as forças de oração:

 

q  A oração é uma das mais poderosas armas da guerra espiritual. O Novo Testamento revela a seguinte estrutura para organizar as forças de oração para livrar a guerra mais efetivamente:

 

q  Oração pessoal: A oração tem de ser feita individualmente em particular: Mateus 6.6.

 

q  Dois orando juntos: A oração de dois juntos é a menor unidade de oração corporativa: Mateus 18.19.

 

q  Grupos Pequenos: as células com mais de dois indivíduos reunidos em oração. Há uma grande poder quando dois ou três se reúnem para este propósito: Mateus 18.20.

 

q  Oração congregacional total: a igreja inteira deveria reunir-se em tempos de oração corporativa: Atos 1.14-15.

 

Promessas de oração:

 

Estude as seguintes promessas relacionadas com a oração: elas revelam o grande poder desta arma na guerra espiritual:

 

q  O Pai sabe o que você necessita inclusive antes de você pedir: Mateus 6.8.

q  Se dois concordam em oração, a mesma será respondida: Mateus 18.19.

q  Todas as coisas são possíveis para Deus: Mateus 19.26; Lucas 18.27.

q  A oração combinada com fé é efetiva: Mateus 21.22; Marcos 11.24.

q  A oração fervorosa do justo por muito: Tiago 5.16.

q  Se você pede em nome de Jesus, será feito: João 14.14.

 

6.            Estude adicionalmente sobre o jejuar:

 

q  Jejuar é uma das coisas que nos aprova como ministros de Deus: 2 Coríntios 6.3-10.

q  A oração acompanhada de jejum foi usada ao organizar a igreja: Atos 14.23.

 

8.         Jesus disse que você teria poder para pisar “serpentes e escorpiões”. No capítulo cinco você estudou os paralelos naturais e espirituais de uma serpente. Aqui há alguns fatos sobre os escorpiões que podem ser aplicados espiritualmente:

 

Os escorpiões evitam outros. Um escorpião pelejará até a morte. Sujeitará sua presa, abaterá e depois injetará veneno mortal de seu aguilhão. Se você é picado por um escorpião, você pode experimentar dor, dificuldades de falar, cansaço, debilidade e insensibilidade.

 

Os escorpiões vivem em lugares escuros e morrem quando são expostos ao calor (à luz). Primeiro, o escorpião tratará de escapar, depois começará a golpear com sua calda. No mundo natural, as formigas guerreiras são o principal inimigo do escorpião.

 

Você pode aplicar estas verdades espiritualmente como fizemos com os atos vinculados às serpentes no capítulo cinco?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MOBILIZAÇÃO

 

SERVIÇO MILITAR ATIVO

 

NO EXÉRCITO DE DEUS

 

 

“Mobilizar-se” significa colocar-se em um estado de alerta para o serviço militar ativo. “Mobilização” é um processo de ser adicionado como parte das forças espirituais do exército de Deus.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Capítulo Dez

 

GUERRA OFENSIVA E DEFENSIVA

 

 

 

OBJETIVOS:

Ao concluir este capítulo você será capaz de:

 

q  Escrever o versículo-chave de memória.

q  Definir “guerra ofensiva”.

q  Definir “guerra defensiva”.

q  Identificar o fato comum na guerra ofensiva e defensiva.

q  Resumir o papel do Espírito Santo na guerra ofensiva e defensiva.

q  Usar o exemplo natural de combater para explicar as estratégias da guerra ofensiva e defensiva.

 

VERSÍCULO-CHAVE DAS CLÁUSULAS DE GUERRA:

 

“Nem deis lugar ao diabo” (Efésios 4.27).

 

INTRODUÇÃO

 

Existem dois tipos de guerra no mundo natural: ofensiva e defensiva. A Bíblia também ensina tanto as estratégias espirituais ofensivas como defensivas. Você deve aprender a pelejar tanto ofensiva como defensivamente. A única outra opção é a deserção, que é inaceitável.

 

Esta lição proporciona uma introdução à guerra tanto ofensiva quanto à defensiva. Os dois capítulos seguintes examinam em detalhe suas armas espirituais ofensivas e defensivas.

 

A GUERRA DEFENSIVA

 

A guerra defensiva é travada para defender o território. É guerra que espera pelo ataque do inimigo, e depois golpeia suas forças em resposta defensiva. O defensor deve responder a seu oponente e suas decisões são forçadas pelo atacante. Este tipo de guerra não avança sobre o território do inimigo. Defende o território já possuído. É importante, sem dúvida, visto que as forças da maldade estão constantemente atacando-lhe porque você é um cristão. Se você não sabe se defender, você se tornará uma vítima destes ataques.

 

GUERRA OFENSIVA

 

A guerra ofensiva é guerra agressiva. Não é uma guerra de esperar e responder em defesa. É guerra que toma a iniciativa do ataque. O inimigo é identificado, sua estratégia reconhecida, e se levam a cabo avanços ofensivos contra ele no mundo do espírito. Na guerra ofensiva, o atacante tem a vantagem de tomar as decisões em primeiro lugar. A guerra ofensiva ganha território ao invés de defendê-lo.

 

Os avanços ofensivos são o único tipo de guerra espiritual que alcançará o mundo com o evangelho de Jesus Cristo. Não podemos permanecer em nossos lares e igrejas confortáveis e praticar somente as estratégias defensivas. O exército de Deus deve avançar dentro do território do inimigo.

 

Deve ir contra as fortalezas de Satanás com o poder da mensagem do evangelho. Devemos travar batalhas espirituais ofensivas.

 

O FATOR COMUM

 

Existe uma coisa em comum entre a guerra ofensiva e a defensiva. Ambas envolvem a ação pessoal por parte do crente. Na guerra natural, as armas não utilizadas não infringem baixas sobre o inimigo nem ganhar guerras. O mesmo é certo no mundo do espírito. Suas armas espirituais são afetadas pela vontade para usá-las. É certo que Deus dá poder para a batalha, porém você tem uma responsabilidade pessoal tanto nas estratégias espirituais ofensivas e defensivas.

 

 Nas batalhas do Antigo Testamento, Deus lutou por e com Seu povo, Israel. Porém, primeiro, eles tinham que se posicionar no campo de batalha. Quando Deus vê uma arma espiritual que está sendo usada em Seu nome e um homem ou uma mulher no campo de batalha atrevendo-se a alcançar o impossível, o Senhor dos Exércitos se move à ação.

 

Leia a história de Eliseu em 2 Reis 13.14-19. Nesta passagem, na qual se usa o arco e a flecha, nós percebemos alguns paralelos espirituais que lhe ajudarão a entender sua parte na guerra:

 

1.            DEMONSTRAR SUA INTENÇÃO DE PELEJAR:

 

Eliseu disse ao rei Joás, “toma seu arco e flechas”. Paulo disse, “toma a espada do Espírito” e declare guerra. Ao tomar suas armas ofensivas e defensivas você está demonstrando sua intenção de lutar.

 

2.         PÔR AS SUAS MÃOS NA ARMA:

 

Eliseu disse ao rei que colocasse as mãos sobre o arco, depois colocou suas mãos sobre as mãos do rei. A estratégia para a vitória é suas mãos sobre as armas, e as mãos Dele sobre as suas.

 

3.         ABRIR A JANELA:

 

Abrir a janela do lugar no qual o inimigo é vitorioso. O inimigo de Israel estava para o leste, portanto Eliseu disse ao rei que abrisse a janela do oriente. Deus quer que você abra as “janelas” de cada área em sua vida para expor os fracassos, a derrota, e o jugo do inimigo.

 

 

4.            DISPARAR:

 

Eliseu disse ao Rei “atira” e o rei atirou. Depois Eliseu disse, “flecha da salvação do Senhor e flecha da salvação contra a Síria”. A janela aberta não é suficiente. A arma em sua mão não é suficiente. Inclusive a mão do Senhor sobre a sua mão não ganhará a batalha. Você deve seguir o mandamento do Senhor dos Exércitos para “DISPARAR”. Esta é sua parte na batalha: usar a arma que está em suas mãos e que é guiada pela mão do Senhor.

 

5.         CONHECER O OBJETIVO:

 

Eliseu disse ao rei que tomasse as flechas e que as golpeasse contra o solo como um símbolo de sua vitória contra a Síria. O rei fez dessa maneira, porém ele “golpeou três vezes e se deteve”. Eliseu disse que visto que ele limitou a Deus por golpear a terra somente três vezes, sua vitória militar seria limitada.  Isto aconteceu porque o rei não entendeu o objetivo da batalha. Eliseu havia dito que o Senhor queria consumir totalmente o inimigo (versículo 17). Ao golpear o solo somente três vezes, o rei resolveu alcançar somente uma vitória parcial.

 

O objetivo do Senhor para você é a vitória total em cada área de sua vida e ministério. Se você fracassa em entender este objetivo, então sua vitória será limitada.

 

6.         GANHAR PRIMEIRO NA CÂMARA SECRETA:

 

O que aconteceu entre Eliseu e o rei Joás na câmara secreta naquele dia foi o que determinou o resultado da batalha com a Síria. É o que acontece na “câmara secreta” com o Senhor que determina suas vitórias nas batalhas atuais da vida.

 

ENGANOS DE SATANÁS

 

Básico tanto à guerra ofensiva como defensiva é o conhecimento das estratégias de Satanás:

 

“Para que Satanás não alcance vantagem sobre nós, pois não lhe ignoramos os desígnios” (2 Coríntios 2.11).

 

A palavra “maquinações” significa planos, projetos, complôs ou planos astutos do caráter maligno. Satanás pode ganhar vantagem sobre você quando você é ignorante de seus enganos e fracassos em responder na batalha ofensiva ou defensiva.

 

O MINISTÉRIO DO ESPÍRITO SANTO

 

Antes neste curso você aprendeu sobre uma força espiritual do bem conhecido como Espírito Santo. O Espírito Santo é importante tanto na guerra ofensiva como defensiva. O Espírito Santo conhece as estratégias de Satanás e intercede pelos crentes comprometidos na batalha:

“Também o Espírito, semelhantemente, nos assiste em nossa fraqueza; porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós sobremaneira, com gemidos inexprimíveis. E aquele que sonda os corações sabe qual é a mente do Espírito, porque segundo a vontade de Deus é que ele intercede pelos santos” (Romanos 8.26-27).

 

O Espírito Santo dá poder para reclamar o território inimigo:

“Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra” (Atos 1.8).

 

Os dons do Espírito Santo são armas valiosas na batalha ofensiva e defensiva. Os dons de palavra de conhecimento e palavra de sabedoria proporcionam revelação sobrenatural para a batalha espiritual. O dom de discernimento de espíritos revela os enganos do inimigo.

Os dons especiais de pastor, profeta, apóstolo, evangelista e mestre nos assistem ao equipar-nos para a batalha. Os dons de fala do Espírito Santo proporcionam instruções especiais da parte de Deus e os dons de serviço do Espírito capacitam o exército de Deus para avançar espiritualmente.

 

COMBATER: UM PARALELO NATURAL DA VERDADE ESPIRITUAL

 

Um dos versículos mais poderosos sobre o combate espiritual ofensivo é...

 

“Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Efésios 6.12).

 

A escolha de Deus pela palavra “luta” é significativo. Lutar é um paralelo natural de uma grande verdade espiritual. A luta no mundo natural é um esporte de competição do domínio da força. Combater significa “contender na batalha por poder sobre o inimigo”.

 

Considere estes fatos sobre o combater no mundo natural para aplicar em sua guerra espiritual:

 

1.         PREPARAÇÃO E TREINAMENTO:

 

Um combatente no mundo espiritual deve treinar para ser vitorioso em sua competição. Deve praticar o combate. Deve ter uma dieta apropriada. Deve aprender as regras da batalha e elas devem ser cuidadosamente seguidas para poder conseguir a vitória.

 

Um crente deve aprender as regras da guerra espiritual para ser vitorioso. Uma dieta “apropriada” da Palavra de Deus e da oração é necessária para o combate espiritual vitorioso. A semelhança do combate no plano natural, habilidade é conseguida mediante a prática.

 

O propósito principal do treinamento no mundo natural é preparar o combatente para alcançar o ponto mais alto de eficiência enquanto se experimenta a menor quantidade de cansaço. Isto é certo também no mundo espiritual. Algumas pessoas se cansam facilmente e são derrotadas espiritualmente porque não estão apropriadamente treinadas para a guerra espiritual.

 

2.         A NATUREZA DO COMBATE:

 

Os campeonatos individuais de combate não são esportes de equipe. Quando um lutador se cansa não há um membro substituto da equipe para enviar. O combater envolve contato íntimo, pessoal, cara a cara com o oponente.

O mesmo é certo no mundo espiritual. Os crentes estão envolvidos no combate íntimo, cara a cara com o inimigo. Nenhum outro crente pode tomar seu lugar no combate espiritual. Não há “pedido de tempo” no combate como nos outros esportes. Também não existem os “pedidos de tempo” no mundo espiritual. Satanás nunca descansa desta guerra. O crente nunca deve estar com a guarda baixa.

 

3.         AS ESTRATÉGIAS

 

Existem tanto estratégias defensivas quanto ofensivas no combate natural que são aplicáveis no mundo espiritual. Distrair é uma técnica usada no combate. Distrair evita a confrontação com um oponente. Perdem-se pontos por distrair. Você também “perde pontos” quando você se “distrai” espiritualmente e não combate agressivamente a seu inimigo. Alguns crentes passam suas vidas inteiras distraídos da confrontação com o inimigo. Nunca combatem agressivamente e obtêm a vitória.

 

4.         ALTERAR O EQUILÍBRIO:

 

Outra estratégia importante no combate natural é alterar o equilíbrio do oponente. Uma vez que o equilíbrio do oponente tem sido destruído, ele permanece combatendo para recuperá-lo.

 

A Bíblia fala muito da importância do equilíbrio ou “moderação”. Uma das estratégias de Satanás no reino espiritual é tratar de alterar o equilíbrio. Muitos cultos resultam por causa de equilíbrio inapropriado sobre assuntos doutrinários. Lares, congregações, e inclusive nações têm sido derrotadas por causa de um equilíbrio inapropriado pela ênfase errada ou falta de ênfase em certas áreas.

 

Existem dois tipos de equilíbrio envolvidos no combate: equilíbrio físico e mental. Antes que o equilíbrio físico possa ser destruído, o equilíbrio mental deve primeiro ser atacado. Para alcançar isso, você usa uma estratégia de surpresa. Você inicia um movimento de distração e de surpresa. Enquanto o combatente fica centrado nisso, você aplica a técnica planejada. Ao levar o oponente a crer que algum movimento está sendo procurado, ele tratará de evitar o perigo imaginado e o deixará aberto ao verdadeiro ataque.

 

Quão certo é isto no mundo espiritual! Satanás altera o equilíbrio mediante a estratégia da surpresa. Ele altera seu equilíbrio mental mediante ataques de distração e, enquanto você está com medo centrado nisso, ele lança seu verdadeiro ataque em outra área de sua vida.

 

5.         ANTECIPAÇÃO:

 

A antecipação é importante no combate natural. Um combatente que pode discernir quando um movimento em particular é realizado, freqüentemente é capaz de bloquear ou enfrentar o ataque. Quando o movimento pensado é realizado não é tão provável que seja vencedor, visto que tem sido antecipado e o combatente está preparado.

 

O mesmo é certo no mundo espiritual. Se você não é ignorante dos enganos de Satanás e antecipa suas estratégias, então você está preparado. Você não é tirado do equilíbrio quando o ataque ocorre.

 

6.         IMPACIENTAR:

 

Existem movimentos no combate que são realizados para “impacientar” a um oponente, para tentá-lo e seduzi-lo a levar a cabo um movimento que debilitará sua oposição. No mundo espiritual, Satanás está constantemente tentando-o a realizar movimentos que debilitariam sua posição espiritual.

 

No combate natural, os movimentos são planejados para colocar um oponente em uma posição que o deixe aberto ao ataque. Circunstâncias são criadas com o propósito de alcançar isto e tomar vantagem da posição de debilidade do inimigo no momento em que ocorre.

 

Espiritualmente, Satanás também cria situações que lhe deixam aberto ao ataque. Depois, imediatamente, ele toma vantagem de sua posição débil. Porém, você deve recordar que ao combater, é Satanás que possui a posição de maior debilidade. O poder dentro de você é maior do que seu poder. Satanás já tem recebido o golpe final debilitante da parte do Senhor Jesus Cristo. Porém, você deve exercer a vantagem que lhe foi dada pelo Senhor para ganhar o combate.

 

7.         ATAQUE E CONTRA-ATAQUE:

 

No combate natural cada movimento que você faz lhe coloca em posição de receber uma resposta da parte do inimigo. O mesmo é certo no mundo espiritual. Quando você faz um movimento para Deus, Satanás sempre contra-atacará com um movimento de sua parte.

 

8.         MOBILIDADE:

 

No combate, um oponente móvel é considerado perigoso. Esta é a razão pela qual você quer derrubar seu inimigo. No mundo espiritual, Satanás é um oponente móvel. Ele anda como um leão que busca alguém para devorar. Você deve estar de guarda por causa de sua constante mobilidade. Satanás também reconhece a efetividade de ,sua mobilidade. Ele quer evitar que você faça movimentos para Deus. É por isso que ele trata de derrubar-lhe espiritualmente.

 

9.         RECUPERAÇÃO:

Um erro no combate resulta em uma ação da qual pode se aproveitar o oponente. O mesmo acontece espiritualmente! Qualquer erro que você comete na batalha espiritual é rapidamente aproveitado pelo inimigo. É importante na hora de combater que você aprenda a se recuperar de uma queda. É necessário ser capaz de converter a posição inferior em uma vantagem. Existem movimentos de escape e retrocesso que possibilitarão isso.

 

No combate espiritual você pode experimentar algumas quedas e ser temporariamente derrubado pelo inimigo. Porém, você não tem que permanecer nesta posição. Deus lhe dá estratégias em Sua Palavra as quais, se você as segue, converterão sua desvantagem em vantagem. Ele tem dado estratégias espirituais para o escape e retirada semelhantes as usadas no combate natural.

 

A vida de José é um excelente exemplo disso. Ele teve a desvantagem de ser vendido à escravidão e colocado na prisão. Porém, ele converteu as desvantagens em vantagens. No final, triunfou sobre o inimigo. Há outros momentos no combate que resultam em derrubar o inimigo por trás, arrastando-o e empurrando-o. Você pode reconhecer os movimentos semelhantes do inimigo espiritualmente?

 

10.      O OBJETIVO:

 

O Objetivo de pelejar no mundo natural é o de derrotar o oponente ao causar sua queda ao chão. Isto resulta em uma série de movimentos estratégicos e/ou derrubar o oponente.

Satanás constantemente está pelejando contra os crentes e tratando de derrubá-los. Seu objetivo é provocar a queda dos crentes, “empurrando-os” e amarrando-os ao jugo do pecado. Seu objetivo é destruir seus pontos de apoio, tal como o combatente faz com seu oponente no mundo natural. O objetivo é o prostrar-se espiritualmente.

 

11.      CONCESSÃO DE PONTOS:

 

A vitória nas competições naturais vem através de um processo de pontuação dos juízes. O combatente com a pontuação mais alta devido à maior quantidade de movimentos estratégicos, ganha o jogo.

 

Teu inimigo espiritual já foi julgado. Satanás foi derrotado pelo movimento mais eficaz de toda a história, a morte e ressurreição de Jesus Cristo. Você combate contra um inimigo que já foi julgado como um perdedor no jogo. Por causa disso você não necessita estar com medo do seu poder ou estratégias no combate no qual você está envolvido. Você não tem que cair no jugo do pecado. Você pode permanecer confiado no combate da guerra espiritual e resistir-lhe firme na fé.

 

12.      ATITUDE MENTAL:

 

A atitude mental é muito importante no combate. No estudo sobre a questão, as seguintes atitudes são necessárias para a competição no mundo natural. Estas atitudes também são verdadeiras no reino espiritual.

 

Desejo: Desejar e querer ganhar não são suficientes. O combatente deve ter um ardente desejo de ganhar. O desejo é uma emoção que transcende tudo o mais na vida.

 

Persistência: Um esforço constante se requer no combate. Um combatente não aceitará a derrota.

 

Propósito: o combatente deve ter a vontade de ganhar. Ganhar é o objetivo e o propósito. Para alcançar este objetivo ele não somente deve saber que é o senhor da situação, mas sim que também deve permitir o inimigo sabê-lo.

 

INSPEÇÃO

 

1. Escreva o versículo-chave das cláusulas de guerra.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

2. O que é a guerra defensiva?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

3. Qual fator comum existe na guerra espiritual ofensiva e defensiva?

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

4.Resuma a posição do Espírito na guerra ofensiva e defensiva.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

5. Resuma o que você aprendeu sobre a guerra ofensiva e defensiva do exemplo natural do combate.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

 

MANOBRAS TÁTICAS

 

1.         Você não tem que confiar nos “carros” (armas naturais) dos homens: Salmos 20.7. Porém, Deus tem carros “espirituais”. Leia a respeito nos Salmos 68.17; 104.3; Isaías 19.1; e 2 Reis 2.11.

 

2.         Você necessita travar tanto a guerra ofensiva quanto a defensiva porque Satanás é um destruidor: João 10.10; 1 Coríntios 10.10; Mateus 10.28.

 

q  Se você obedece ao Senhor, Ele não permitirá ao destruidor entrar: Êxodo 12.23.

q  Deus guarda você da destruição de Satanás: Salmos 17.4.

q  Satanás é seu adversário, aquele contra quem você combate: 1 Pedro 5.8. Você não tem que dar-lhe o lugar para falar contra você: 1 Timóteo 5.14. Se você obedece a Deus, Ele será inimigo de seus adversários: Êxodo 23.22.

 

3.         Você não precisa ser derrotado por Satanás. Estude as seguintes referências:

 

q  Você pode perseguir ao inimigo: Levítico 26: 7-8; Deuteronômio 32:30; Josué 23:10.

q  Você pode obter a vitória: Deuteronômio 7:21; 1 Crônicas 29:11; Salmos 5:11; 18:29; 24:8; 91:1; Isaías 49:19; 1 Coríntios 15:57; 1 João 5:4.

q  O Senhor é sua fortaleza: 2 Sa 22.2; Salmos 18:2; 31:3; 71:3; 91:2; 144:2; Je 16.19.

q  Você tem o domínio sobre o inimigo: Sal. 8:6; 49.14; 72:8; 119.133;Dn. 7.27; Ef. 1.21.

q  A segurança vem do Senhor: Provérbios 18:10; 21:31; 29:25. Leia Salmos 91.

q  Deus liberta você da angústia: Salmos 25:17; 107.6, 13; 19.28.

q  Você pode capturar os pensamentos do inimigo: 2 Coríntios 10.5.

q  Deus desata as ligaduras do inimigo: Salmos 116.16; Romanos 8.15-21; Gálatas 5.1.

 

4.         Quando Paulo fala da batalha, ele está falando de pelejar com o inimigo e não com Deus, como foi o caso de Jacó. Fique certo de que quando você combate não é Deus que você lutando contra você para romper o espírito de autossuficiência para transformá-lo de “Jacó” em “Israel”.

 

5.         Reveja o capítulo três deste manual e enumere as funções do Espírito Santo tanto na guerra ofensiva quanto na defensiva:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O ministério do Espírito Santo

Na Guerra Ofensiva Na Guerra Defensiva

 

 

Capítulo Onze

 

ARMAS DEFENSIVAS

 

 

OBJETIVOS:

 

Ao concluir este capítulo você será capaz de:

 

q  Escrever o versículo-chave de memória.

q  Descrever suas armas defensivas espirituais.

q  Dar uma referência da Escritura que enumera a armadura de Deus.

q  Identificar cada peça da armadura de Deus.

q  Explicar a função de cada peça da armadura.

 

VERSÍCULO-CHAVE DAS CLÁUSULAS DE GUERRA:

 

“Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo” (Efésios 6.11).

 

INTRODUÇÃO

 

Você tem aprendido que a grande batalha espiritual na qual você está comprometido não pode ser pelejada com armas naturais. A batalha espiritual deve ser pelejada tanto ofensivamente quanto defensivamente com armas espirituais. Você estudou o “Plano de Deus para a Batalha” no capítulo nove. Você aprendeu que a estratégia básica inclui:

 

q  A Palavra de Deus.

q  Poder e autoridade.

q  Oração.

q  Jejum.

q  As chaves do Reino.

q  O nome de Jesus.

 

Em adição a estas estratégias básicas de batalha, a Bíblia revela que você dispõe de todo um arsenal de armas espirituais. Neste capítulo, você aprenderá sobre suas armas espirituais defensivas. Na próxima lição, você estudará as armas ofensivas.

 

ESTRATÉGIAS DEFENSIVAS

 

A Bíblia ensina as seguintes ações defensivas que devem ser tomadas pelo crente:

 

SUBMETER E RESISTIR:

 

“Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tiago 4.7).

 

Note a ordem do versículo: primeiro submeter-se (“sujeitai-vos”), depois resistir. Muitas pessoas omitem o primeiro passo de submeter-se e tratam de resistir ao diabo, somente para descobrir que não funciona. A derrota resulta quando você atua independentemente de Deus. É o humilde, não o arrogante e autoconfiante, que derrota o inimigo. Você será capaz de resistir a Satanás somente quando você se render a Deus.

 

“Resistir” significa “permanecer firme contra e opor-se ao inimigo em cada ponto”. A Escritura não nos ensina a andar buscando demônios, se não a resisti-lo quando se aproximam de nós.

 

RESISTIR FIRMEMENTE NA FÉ:

 

“Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar; resisti-lhe firmes na fé, certos de que sofrimentos iguais aos vossos estão-se cumprindo na vossa irmandade espalhada pelo mundo” (1 Pedro 5.8-9).

 

Resistir “na fé” significa resistir na autoridade da Palavra de Deus.

 

NÃO DAR LUGAR:

 

Não dar lugar a Satanás para operar em sua vida:

 

“Nem deis lugar ao diabo” (Efésios 4.27).

 

ESCAPAR:

 

Você deve se recuperar dos enganos de Satanás aplicando estratégias bíblicas:

 

“Mas também o retorno à sensatez, livrando-se eles dos laços do diabo, tendo sido feitos cativos por ele para cumprirem a sua vontade” (2 Timóteo 2.26).

 

ABSTER-SE DOS DESEJOS DA CARNE:

 

“Abster-se” significa guardar-se de algo e recusar fazê-lo:

 

“Amados, exorto-vos, como peregrinos e forasteiros que sois, a vos absterdes das paixões carnais, que fazem guerra contra a alma” (1 Pedro 2.11).

 

“Pois esta é a vontade de Deus: a vossa santificação, que vos abstenhais da prostituição”  (1 Tessalonicenses 4.3).

“Abstende-vos de toda forma de mal” (1 Tessalonicenses 5.22).

ESQUIVAR:

 

“Esquivar” significa “evitar ou voltar-se de” alguma coisa. Você deve evitar cada coisa maligna relacionada ao inimigo.

 

“Evita, igualmente, os falatórios inúteis e profanos, pois os que deles usam passarão a impiedade ainda maior”  (2 Timóteo 2.16).

 

PERMANECER:

 

“Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça”

(Efésios 6.13-14).

 

Quando você “mantém seu território”, você está defendendo o que é legitimamente seu.

 

ESTAR ALERTA:

 

“Vós, pois, amados, prevenidos como estais de antemão, acautelai-vos; não suceda que, arrastados pelo erro desses insubordinados, descaiais da vossa própria firmeza” (2 Pedro 3.17).

 

PROVAR OS ESPÍRITOS:

 

Provar os espíritos evita o engano:

 

“Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora” (1 João 4.1).

 

 “Provar” significa “examinar”. Você não está operando com incredulidade quando você aprova os “espíritos” daqueles com os quais você entra em contato ou em operação ao seu redor. Se forem verdadeiros, eles passarão no teste.

 

EVITAR OS FALSOS MESTRES:

 

Quando você recebe falsos mestres dentro de sua casa, você se converte em participante de sua maldade. Defenda seu lar dos ataques do inimigo.

 

“Se alguém vem ter convosco e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem lhe deis as boas-vindas. Porquanto aquele que lhe dá boas-vindas faz-se cúmplice das suas obras más” (2 João 10.11).

 

DEIXAR DE LADO:

 

Deixar de lado assuntos mundanos que podem evitar que você seja um bom soldado. “Deixar de lado” é uma ação defensiva que você deve tomar.

 

“Participa dos meus sofrimentos como bom soldado de Cristo Jesus” (2 Timóteo 2.3-4).

 

“Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta” (Hebreus12.1).

 

“Portanto, despojando-vos de toda impureza e acúmulo de maldade, acolhei, com mansidão, a palavra em vós implantada, a qual é poderosa para salvar a vossa alma” (Tiago 1.21).

 

DESPOJAR-SE DE TODA A MALDADE:

 

Estude Efésios 4.17-32. O “despojar-se” de todo comportamento maligno listado ali é guerra defensiva.

 

COLOCAR A ARMADURA DE DEUS:

 

“Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo” (Efésios 6.11).

 

“Colocar” indica uma ação que você deve tomar. A descrição básica da armadura de Deus é dada em Efésios 6.10-17. Leia essa passagem em sua Bíblia.

 

Paulo introduz a matéria da guerra enfatizando que a batalha não é natural e que as armas naturais são ineficazes. As batalhas espirituais devem ser pelejadas com armas espirituais. Paulo descreve a armadura a ser usada na guerra espiritual.

 

“Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus” (Efésios 6.13-17).

 

O propósito da armadura é ser capaz de permanecer contra os ardis (enganos, astúcias, maldades) do inimigo, Satanás. É sua responsabilidade colocar a armadura:

 

“Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo” (Efésios 6.11).

 

“Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e nada disponhais para a carne no tocante às suas concupiscências” (Efésios 5.11).

 

“Vai alta a noite, e vem chegando o dia. Deixemos, pois, as obras das trevas e revistamo-nos das armas da luz” (Romanos 13.12).

 

O vocábulo “revestir” significa “colocar uma vez por todas”. Sua armadura espiritual não é como um uniforme esportivo que você só coloca na hora do jogo. Você colocar a armadura de uma vez por todas e a deixa colocada pelo resto de sua vida.

À semelhança de um soldado no campo de batalha que não tira sua armadura, você não deixará a armadura até que você se encontre com o Senhor em glória.

 

Se você não tem colocado a armadura em todo o tempo, você está vulnerável ao inimigo. É sábio checar com frequência se cada peça de sua armadura ainda está no lugar.

 

A primeira divisão da armadura cobre três coisas que você há fez no passado. “Tendo cingido” (Revista e Corrigida) indica algo que você JÁ FEZ se você é um crente.

 

q  Cingir-se com a verdade (versículo 14).

q  Revestir-se com a couraça da justiça (v. 14).

q  Calçar os pés com a preparação do evangelho da paz (v. 15).

 

A segunda divisão inclui coisas que devem ser colocadas no presente:

 

q  Tomar o escudo da fé (versículo 16).

q  Tomar o capacete da salvação (v. 17).

q  Tomar a espada do Espírito (v. 17).

 

Em Efésios 6.11 Paulo enfatiza o colocar TODA a armadura de Deus. Alguns de nós estamos mais preocupados com uma peça da armadura de Deus até o ponto que as outras são esquecidas.

Você deve colocar toda a armadura ou você pode se encontrar exposto no uso da “espada do Espírito” e assim tudo é derrotado porque você esqueceu o escudo da fé.

 

O Cinto:

 

A primeira peça da armadura é cingir-se com o cinturão ou cinto da verdade. No mundo natural, uma peça da armadura é atada ao cinto, o qual sustenta as outras peças da armadura no lugar. A verdade da Palavra de Deus é o cinto espiritual a qual todas as outras peças da armadura estão atadas. O primeiro ataque de Satanás sobre o homem foi uma relação com a verdade:

 

“E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos, mas, do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais. Então, a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis” (Gn 3.2-4).

 

A verdade lhe protegerá das mentiras e erros doutrinários do inimigo. A verdade é o que cinge a armadura de Deus. Você tem que ter seus lombos (seus órgãos vitais espirituais) cobertos com a verdade:

 

“Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça” (Efésios 6.14).

 

O que é a verdade?

 

q  Jesus disse: “Eu sou a verdade” (João 14.6).

q  O Espírito Santo é o “Espírito da verdade” (João 14.17).

q  Deus é verdade (Romanos 3.4).

q  A Palavra de Deus é a verdade (Salmos 119.151).

q  O Evangelho é a verdade (Colossenses 1.5).

 

A Couraça:

 

No mundo natural, a couraça cobre a parte superior do corpo do guerreiro para proteger seus órgãos vitais como, por exemplo, o coração, pulmões, etc. A couraça espiritual da justiça não se refere a sua justiça, se não a cobertura da justiça de Cristo:

 

“E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus, pela fé” (Filipenses 3.9).

 

Você não permanece de pé por seus próprios méritos. Você é sustentado em Cristo. Você não pode enfrentar o inimigo sem a proteção da justiça de Cristo:

 

“Na palavra da verdade, no poder de Deus, pelas armas da justiça, à direita e à esquerda” (2 Coríntios 6.7)

 

A justiça de Cristo protege seus “órgãos vitais” espirituais dos ataques de Satanás e da impiedade. A couraça da justiça deve ser colocada sobre o cinto a verdade.

 

Os Sapatos:

 

Existem diferentes tipos de sapatos para diferentes propósitos. Alguns são para caminhar, outros são atividades desportivas específicas. Os sapatos do soldado são de outro tipo... São sapatos designados para a guerra. Um soldado que não é capaz de avançar no campo de batalha é incapaz na guerra.

 

“Calçados os pés com a preparação do evangelho da paz” indica uma atitude de alerta para avançar no reino espiritual. Estes sapatos espirituais protegem sua vontade da tentação do inimigo que lhe guiaria em caminhos equivocados. Indicam sua disposição para fazer toda a boa obra e para difundir o evangelho em todas as nações. Estes sapatos espirituais lhe capacitariam também a “resistir” contra o inimigo como Paulo nos anima a fazer (Efésios 6.14).

 

O Escudo:

No mundo natural, o escudo era usado para proporcionar proteção ao corpo inteiro do guerreiro. Seu escudo espiritual é chamado de o “escudo da fé”.

 

Há vários tipos de fé mencionada na Bíblia. Há fé para a salvação, o dom da fé, e o fruto espiritual da fé. Porém, a palavra “fé”, quando é usada em relação com o “escudo da fé”, fala de fé defensiva. Esta fé é uma firme confiança em Deus que protege todo seu ser. Ela protege você dos mísseis de dúvida e incredulidade enviados pelo inimigo. Este escudo de fé é uma confiança em Deus que desvia todos os dardos do inimigo de seu objetivo.

 

O escudo da fé é uma constante aplicação da Palavra de Deus aos assuntos da vida.

 

É uma fé que lhe capacita a vencer as forças malignas do mundo:

 

“Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1 João 5.4).

 

Combinada com o amor de Deus, a fé é mais efetiva:

 

“Mas nós, que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo-nos da couraça da fé e da caridade e tendo por capacete a esperança da salvação” (1 Ts 5.8).

 

É a fé baseada na verdade:

 

“Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas estarás seguro; a sua verdade é escudo e broquel”  (Salmos 91.4).

 

É fé baseada na salvação:

 

“Também me deste o escudo da tua salvação; a tua mão direita me susteve, e a tua mansidão me engrandeceu” (Salmos 18.35).

 

Sem fé, você não tem entendimento da verdade. Sem fé você não pode receber salvação. Sem fé você não pode levar o evangelho da paz. Sem fé você não pode reivindicar a justiça de Cristo e usar efetivamente a espada do Espírito que é a Palavra de Deus.

 

A fé não é uma suposição ou uma ideia. É um fato baseado sobre a Palavra de Deus. Você pode incrementar sua fé ao escutar a Palavra de Deus (Romanos 10.17), atuando sobre sua fé atual (Romanos 1.17), e por buscar a Deus (Hebreus 12.2).

 

O Capacete ou Elmo:

 

O capacete da salvação não é algo que você coloca quando você se converte. Lembre-se, estamos tratando com armaduras espirituais aqui, e supõe-se que você é um crente e um membro do exército de Deus antes de colocar a armadura.

 

O capacete da salvação representa uma mente regenerada. Representa um pensamento de vida transformado e renovado. Você aprenderá depois neste curso que Satanás desesperadamente batalha pelo controle da mente. Uma mente indisciplinada faz do guerreiro cristão uma presa fácil dos dons pecaminosos do inimigo.

 

Paulo fala do capacete como da “esperança de salvação” em 1 Tessalonicenses 5.8. A salvação, quando é apropriadamente experimentada e entendida, protege sua mente. A salvação abraça o passado, o presente e o futuro. Você tem sido salvo da penalidade e culpa do pecado passado. Você é salvo do poder do pecado no presente. A “esperança de salvação” se refere à salvação no tempo futuro. É a salvação futura que fortalece sua mente contra os ataques de Satanás. Você tem uma esperança confiante no futuro porque Deus está operando Seu propósito:

 

“Desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo, de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos, todas as coisas, tanto as do céu, como as da terra” (Efésios 1.9-10).

 

A Espada do Espírito:

 

A “espada do Espírito” é a Palavra de Deus. É tanto uma arma ofensiva quanto defensiva. Você já aprendeu como Jesus usou a Palavra em defesa contra os ataques de Satanás. Na próxima lição, você aprenderá como esta arma é usada ofensivamente.

 

Oração:

 

Depois de descrever a armadura do soldado cristão, Paulo comenta:

 

“Orando em todo tempo com toda oração e súplica no Espírito e vigiando nisso com toda perseverança e súplica por todos os santos” (Efésios 6.18).

 

Como você aprendeu quando estudou o “Plano de Deus para a Batalha”, a oração e a sua prática associada que é o jejum são também poderosas armas espirituais. Estas duas armas espirituais podem ser usadas tanto ofensiva quanto defensivamente.

 

Reveja o resumo da armadura de Deus e seus propósitos na página seguinte...

 

A ARMADURA DE DEUS (Efésios 6.10-18)

 

VERDADE (Cinturão)        Protege você do ENGANO

JUSTIÇA (couraça)                       Protege você da IMPIEDADE

PAZ (Sapatos)                     Protege você da CONFUSÃO

(Escudo)                         Protege você da INCREDULIDADE

SALVAÇÃO (Elmo)                        Protege você da ESCRAVIDÃO

 

 

Espírito Santo

 

q  O centurião ou cinto da verdade protege do engano de Satanás que pode levar à injustiça (pecado).

q  A couraça da justiça protege da impiedade (pecado) que leva à confusão.

q  Os pés calçados com a preparação do evangelho da paz protegem você da confusão espiritual que desemboca na incredulidade.

q  O escudo da fé protege contra a incredulidade que leva à escravidão.

q  O capacete da salvação protege contra a escravidão.

q  A espada do Espírito, a Palavra de Deus, é usada tanto como uma arma ofensiva quanto defensiva.

 

Note a progressão descendente de alguém não protegido pela armadura de Deus. O engano leva à impiedade (pecado), a qual sempre resulta em jugo espiritual

 

 

INSPEÇÃO

 

1. Escreva o versículo-chave das cláusulas da guerra.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

2. Resuma o que você aprendeu de suas armas espirituais defensivas:

__________________________________________________________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

3. Dê uma referência bíblica que enumere a armadura de Deus.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

4. Enumere cada peça da armadura de Deus e defina brevemente sua função.

 

Peça da armadura                                      Função

_______________________________    _____________________________

_______________________________    _____________________________

_______________________________    _____________________________

_______________________________    _____________________________

_______________________________    _____________________________

_______________________________    _____________________________

_______________________________    _____________________________

_______________________________    _____________________________

_______________________________    _____________________________

_______________________________    _____________________________

MANOBRAS TÁTICAS

 

1.    Leia Salmos 45.3 e Isaías 59.17. Ambas as passagens descrevem a Deus colocando armaduras espirituais. Quais são as duas peças da armadura que Deus coloca e que não estão incluídas em nossa armadura espiritual? (Isaías 59.17).

 

2.    Davi menciona a armadura espiritual quando recorda como Deus o ajudou na batalha. Estude Salmos 18.29-50.

 

3.    É importante que tenha a experiência usando sua armadura espiritual. Em 1 Samuel 17, leia sobre o que aconteceu quando Davi tratou de usar a armadura com a qual não estava familiarizado.

 

4.    Deus usa a armadura espiritual para proteger-lhe de seus inimigos: Salmos 35.1-3. Davi tinha muito que dizer sobre seus inimigos: Salmos 5:8; 6.10; 8.2; 9.3; 11.2; 15.5; 17.9; 18.3, 17, 20, 34, 37; 27.2; 30.1; 31.23; 44.5-6; 56.9; 60.12; 61.3; 95.6;108.13.

 

5.    Leia o que Deus diz sobre seus inimigos: Êxodo 15.6; Mateus 10.36; 13.39; Lucas 1.11; 10.19; atos 2.35; 1 Coríntios 15.25-26; Colossenses 1.21.

 

6.    Deus é seu escudo. Veja Gênesis 15:1; Salmos 3.3; 5:12; 28.7; 33.20; 59.11; 84.9, 11; 115.9-11; 119.114; 144.2.

 

7.    Leia Êxodo 17. Israel estava sob ataque e Deus disse a Moisés que estendesse sua vara. Anteriormente Moisés havia usado seu cajado como uma vara de pastor para prover água para o povo de Deus. Agora, pela primeira vez, estenda sua vara para resistir aos principados e poderes das hostes de espíritos da maldade responsáveis pelo ataque amalequita.

 

8.    Existe uma grande lição espiritual nesta história. Os líderes do povo de Deus não são somente responsáveis por pastorear, alimentar e dar de beber o rebanho, mas sim que também quando um ataque do inimigo vem é sua responsabilidade usar o “cajado de Deus” para defender o povo de Deus.

 

9.    Como você responde aos dados de Satanás? Pense sobre como você usaria o escudo da fé para defender-se de cada um destes ataques. Registre suas respostas para usá-las no seguinte ataque:

 

q  Egoísmo:

q  Cobiça:

q  Orgulho:

q  Dúvida:

q  Temor:

q  Depressão:

q  Falta de ânimo:

q  Luxúria:

q  Avareza:

q  Ódio:

10. Examine-se a si mesmo: toda a sua armadura espiritual está no seu devido lugar?

 

11. Estude como o Senhor é apresentado como um escudo no livro de Salmos:

 

q  É escudo ao derredor: Salmos 5.12

q  É escudo de Salvação: Salmos 18.35

q  É escudo pessoal: Salmos 3.3

q  É escudo àqueles que confiam Nele: Salmos 18.30

q  Seu escudo é um dom: Salmos 18.35

q  Ele é um escudo provado: Salmos 28.7

q  Ele é um escudo de confiança: Salmos 144.2

q  É um escudo vitorioso: Salmos 59.11.

q  É um escudo protetor: Salmos 84.11.